quinta-feira, 22 de junho de 2017

Encontre a leveza

Esses dias, eu estava no trabalho digitando uma lista de verificação de auditoria e ouvindo uma música, pois eu trabalho sozinha na sala, dá para ouvir sem incomodar ninguém. Mas, a minha visão já estava ficando embaçada de olhar para o computador sem piscar.
Eu resolvi fechar os olhos um pouquinho e ouvir a música, dar um tempinho. Neste momento, comecei a imaginar uma pena caindo devagar, levemente sendo guiada pelo vento, e toda a sua leveza diante desta circunstância. Então pensei:

“Onde está a leveza? Esse jeito calmo e tranquilo de olhar pra vida? De movimentos mais vagarosos, de acreditar que assim como a pena, a ventania também pode estar nos guiando para um lugar seguro. Não dá para saber onde exatamente se vai parar. Somente confiar e se deixar levar.”

Por que será que na maioria das vezes somos tão pesados? Tão sobrecarregados? Queremos guerrear contra as pessoas, contra o fluxo da vida. Pesamos toneladas, guardamos quilos de mágoas, rancor, medo, insegurança. A vida começa a ficar pesada, como um bloco de concreto e nós não conseguimos mais carregar, mesmo assim, criamos mais espaço para mais peso. Mas, como encontrar novamente a leveza que se perdeu com as bagagens pesadas da vida?



Se respeite
A vida se tornará mais leve, se você respeitar quem você é. O tempo todo estamos tentando atender as expectativas dos outros, e nessa trapalhada toda nós nos esquecemos de quem somos. Você se perde no querer dos outros e entra no labirinto da autocobrança, no labirinto do não sou bom o bastante, no labirinto do medo. Um labirinto que parece não possuir saída. Comece a se conhecer profundamente, a sua essência. Não estou dizendo que você deva estagnar na vida e repetir a frase da Gabriela: “Eu nasci assim, eu cresci assim.” Não é isso, você deve mudar, mas para ser o melhor para você, porque quando você quer ser melhor para você automaticamente você se torna melhor para o outro. É simples, mas pode ser difícil, é preciso silenciar a mente e o coração para encontrar esse ponto de equilíbrio.

Dê risada de si mesmo
Pagou um mico? Sentiu vergonha? Dê risada do momento, todo mundo uma vez ou outra irá se atrapalhar, dizer uma bobagem. Sorria e continue. Errou, se envergonhou, dá um sorrisinho, nem que seja amarelo e bola pra frente.

Faça atividades que te deixem feliz
Procure fazer coisas que te deixem feliz. Você gosta de artesanato, de escrever, de cantar, cuidar de crianças, passear com seu bichinho de estimação? Pense em coisas que você sente realização em fazer, você só precisa dedicar algumas horas do seu tempo para essas coisas. A sensação de bem estar em fazer algo que se gosta melhora nosso humor e assim passamos a enxergar a vida com mais leveza.


Não se concentre tanto no que é negativo
Esse é um exercício que eu venho tentando praticar na minha vida. Quando, eu não estou me sentindo bem fisicamente eu fico muito tempo concentrada no problema. Eu aprendi que para curar uma dor ou uma emoção devemos entregar para Deus e tentar esquecer. Você deve enxergar aquilo como uma fase, algo passageiro, logo tudo voltará a ficar bem. Para mim, atualmente, esse tem sido o maior desafio. Parar de ficar resmungando sobre o momento que agora parece não estar muito legal e me concentrar que vai passar.

Jogue fora os sentimentos ruins
Sabe aquele rancor que você nutre contra alguém? Jogue fora! Limpe o lodo que se formou no seu coração. Você já ouviu falar na flor de Lótus? Ela cresce no meio do lodo e a sua beleza é única. Então, se o seu coração virou um pântano lodoso por causa das mágoas, talvez seja a hora de você deixar brotar uma flor de lótus nele. O belo resiste até no meio do caos. Permita que a beleza renasça em seu coração. Assim, tudo vai ficando mais leve e tranquilo. Não é sinal de fraqueza perdoar, é sinal de fortaleza, ao perdoar e deixar ir aquele sentimento você fortalece o seu corpo e a sua alma. Lembre-se sempre disso.


Uma das coisas que aprendi é “Entregar, confiar, aceitar e agradecer”, essa frase do sábio Professor Hermógenes faz muito sentido para mim, e quando estou sentindo que estou perdendo a minha leveza, guardando coisa velha e empoeirada, eu me lembro de esvaziar os armários da alma e repetir:


Aprenda a se tornar mais leve, seja sempre você!
Vou encerrar o post de hoje com uma música chamada “Olhos meus”  que a Sandy canta com o Gilberto Gil. A vida pode se tornar mais leve se você educar seus olhos para olharem o belo, como diz a música.

“Olhos meus fujam do escuro
Se acendam, se façam brilhar

Nos dias frios e sem luar

Sequem-se as lágrimas
Sequem-se as mágoas
Minha alma agora quer sorrir”




Te desejo um ótimo final de semana!

segunda-feira, 19 de junho de 2017

10 coisas para fazer sozinho

Você já deixou de fazer alguma coisa porque não tinha ninguém para te acompanhar? Eu já, e me arrependo muito. É muito bom ter com quem compartilhar os momentos da vida, mas isso, infelizmente é impossível acontecer o tempo todo. Existem fases na vida em que estamos meio “forever alone”, os amigos têm as suas responsabilidades, então,  nem sempre dá para ter companhia em tudo e ficar o tempo todo reclamando não ajuda. É preciso sair e respirar, mesmo que você não tenha companhia. Eu selecionei para você uma dica de 10 coisas que você pode perfeitamente fazer sozinho. É só deixar a vergonha de lado, parar com o autojulgamento e ser feliz. Vamos conhecê-las?

Ir ao cinema
Eu prefiro ir ao cinema acompanhada, mas se ninguém pode ir, dá sim para gente aproveitar uma sessão indo sozinho. Neste caso, pode ser até bem mais legal, você assiste o filme que quiser, na hora que você quiser. É só não ficar olhando muito para os lados e imaginando um monte de caraminholas, ninguém está prestando atenção em você. Vai por mim!

Fazer uma caminhada
Já convidou um monte de gente para caminhar com você e ninguém aceitou? Que tal criar coragem e ir só você mesmo. Escolha horários onde tenha mais gente circulando, prefira os parques, aproveite para entrar em contato com a natureza também. Além de beneficiar a sua saúde física, você também terá benefícios para a saúde mental. É caminhando que se faz o caminho, rs. Comece!

Sair para fotografar
Você gosta de tirar fotos? Então, sair sozinho para fazer isso pode ser uma boa ideia. Você pode parar onde quiser e quando quiser para fotografar alguma coisa que chamou a sua atenção. Pode ser uma experiência bem gratificante. Que comecem os cliques!



Visitar uma livraria
Eu adoro visitar livrarias, a minha preferida é a Livraria Cultura, que fica no Conjunto Nacional na Avenida Paulista aqui em São Paulo. Mas existem no Brasil afora, inúmeras livrarias, maiores ou menores, mas que oferecem uma diversidade de livros. Aproveite para folhear os livros, revistas. Invista em algum que te chamou atenção. É um passeio muito legal.

Experimentar uma nova receita
Está em casa de bobeira, mas não quer sair, então que tal ir para a cozinha. Visite sites de culinária e escolha um prato que você acha que consegue fazer, então mão na massa, quem sabe você não acaba gostando.

Assistir um filme ou série
Filmes e séries também são ótimos para assistir quando se está sem companhia. Você pode fazer uma maratona, e ninguém vai ficar te perguntando se já está acabando, rs. Aproveite os momentos que você está só para assistir programas que você gosta e que fazem você se sentir bem.

Aprender a letra das suas músicas favoritas
Ouviu uma música nova e ainda não entende bem a letra? É bem legal visitar sites que disponibilizam o vídeo e a letra e aprender a cantá-las. A hora vai passando bem rápido, porque a música tem o poder de nos reconectar e até curar. Ficar cantarolando suas músicas preferidas pode fazer um bem danado para sua saúde. Aproveite para visitar sites como da revista Billboard (EUA), veja a lista das músicas mais tocadas, e quem sabe assim, você não conhece novos artistas. É muito legal. Vou deixar aqui o vídeo de uma cantora que eu conheci porque fico sempre fazendo buscas, e amei as canções dela, quem sabe você não se inspira.



Dançar sozinho
Acha estranho dançar sozinho? Não sabe o que está perdendo. Além de ajudar na saúde física, dançar ajuda a liberar as tensões e ansiedade. Coloque a sua música preferida num volume bacana e vá dançando, com jeito, sem jeito, mas vá saindo da inércia, ajuda muito. E você não passará vergonha, afinal não tem ninguém olhando.

Ir a uma doceria/confeitaria/sorveteria
Aproveite o tempo que você está sozinho e vá curtir sua própria companhia. Vá em uma doceria ou confeitaria peça seu doce preferido e fique ali vendo a movimentação, espere o tempo passar devagar. Eu me lembro que a primeira vez que decidi ir sozinha em uma confeitaria, eu fiquei meio sem jeito, depois fluiu bem, hoje é uma das coisas que eu mais gosto de fazer sozinha, sair para comer meu doce preferido.



Visitar uma igreja ou templo
Sempre que passo perto de uma igreja que não conheço, eu entro, rs. Eu gosto muito de conhecer novas igrejas, a decoração, contemplar o silêncio. Eu já conheci igrejas belíssimas em São Paulo. Já estive no Mosteiro de São Bento, Catedral da Sé, São Geraldo das Perdizes (Barra Funda), Paróquia São Luís Gonzaga (Paulista), Paróquia Nossa Senhora da Consolação (Avenida da Consolação), Mosteiro da Luz (Luz), Paróquia São João Batista (Barueri – essa é linda é toda de vidro), entre outras. Como sou católica, eu entro para conhecer, porque adoro o estilo gótico e barroco das igrejas antigas de São Paulo. Mas, você pode entrar em outras igrejas e templos das religiões que mais te agradam. Mesmo que você não tenha religião, o passeio pelas igrejas, principalmente em São Paulo é riquíssimo, a arquitetura das igrejas antigas é linda, vale muito a pena e rende lindas fotos. 


Eu te passei 10 dicas, escolha uma ou outra, e aproveite!


Abraço!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Você sabe perdoar?

No feriado de Corpus Christi, eu ainda estava muito mal da sinusite, e resolvi além de tomar a medicação prescrita pelo médico ir também fazer uma sessão de auriculoterapia (acupuntura na orelha) para ajudar o tratamento médico.

A minha terapeuta (terapeuta naturóloga), que foi minha professora de yoga, iria trabalhar durante o feriado e nós marcamos a minha sessão. Depois de conversarmos um pouco, chegamos à conclusão que eu não estava sabendo perdoar quem me feriu, na verdade, quem ainda me fere. E tudo isso, já estava refletindo na minha saúde. Se você leu o post onde eu escrevi sobre a causa emocional da sinusite, você já deve saber mais ou menos do que eu estou falando. Então, ela me sugeriu que eu relesse o livro “Você pode curar sua vida” da Louise Hay, repetisse as afirmações de melhoria, e fizesse uma oração de perdão direcionada à pessoa e de gratidão, mesmo que a princípio isso parecesse mecânico. Então, eu decidi fazer a seguinte oração:

“Jesus (para mim, é Jesus, que para mim faz mais sentido por ser a fé que  eu professo, mas para você pode ser Buda, Alá, Krishna, Universo, faça de acordo com a sua fé, e não com a minha, ok) eu peço que ilumine a minha mente e meus pensamentos, eu perdoo (nome da pessoa) por todo mal que ela me fez ou faz. (Nome da pessoa) sinto muito, eu te amo, me perdoe, sou grata. Eu liberto meu coração da mágoa que você me causou, e eu me perdoo e te perdoo. Assim seja.”


Ela é bem simples, mas faça de todo o seu coração. Todos os dias, até você sentir a mágoa se desfazendo. Mesmo que pareça mecânico, mesmo que pareça artificial, repita diariamente. Ao terminar você irá sentir uma paz no coração, e as poucos a força do perdão tomará conta. Quando as sombras são muito densas a luz pode ter uma dificuldade inicial de penetrar, por isso, você precisa insistir em acender a luz na sua vida, todos os dias, é possível fazer o sol brilhar novamente, se você tem dificuldade em perdoar, comece assim, repetindo a oração, até que um dia ela se torne uma verdade em sua vida.

Eu tenho lido também as afirmações positivas do livro da Louise Hay, para quem sofre de sinusite e doenças nos seios paranasais e vou compartilhá-las com você, se você se sentir bem, pode fazê-las também:

“Declaro que a paz e a harmonia habitam em mim e me cercam todo o tempo. Tudo está bem.”

“Sou uno com tudo o que há na vida. Ninguém tem o poder de me irritar a não ser que eu permita. Paz, harmonia. Nego qualquer tipo de crença em calendário.”


Essa noite, depois de fazer minha oração, e repetir com fé essas frases, incrivelmente uns 10 minutos depois, eu voltei a respirar normalmente, e dormi tranquila, sem aquele incômodo da rinite e sem a dor da sinusite. Claro que os antibióticos e a acupuntura também ajudaram, mas a cura também vem de nós mesmos, nem sempre é rápida, pode demorar um pouquinho, mas acontece, a gente precisa acreditar, e precisamos também perdoar, para a vida fluir.

Desejo para você um ótimo final de semana!


Um abraço!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

O que o outro pensa sobre você muda quem você é?

Eu estava refletindo hoje sobre esse tema, depois de ter ficado um pouco decepcionada com o resultado de uma atitude que eu tive. Eu comecei a me sentir envergonhada, e então comecei a questionar sobre o que a pessoa pensaria a meu respeito. Eu pedi uma sugestão por e-mail para uma profissional e ela foi educada respondendo em um post público em uma rede social que tem muito trabalho, e que não dá para atender todo mundo que quer uma sugestão de graça, e que ela precisa se dedicar a quem paga pelo seu trabalho. Está corretíssima, não achei errado não. Nem sei se teve haver com o meu e-mail (provavelmente não), por que eu prezo pela individualidade das pessoas e respeito muito o trabalho alheio, e se não dá para pessoa responder, porque ela não quer, não se sente bem, está sem tempo, está tudo bem, não tem problema. Às vezes, nós achamos que só porque a pessoa expõe o trabalho dela, talvez ela poderia nos ajudar, e esquecemos que tudo tem um custo, que a pessoa precisa valorizar o trabalho. Eu fico triste quando alguém me pede sugestão de floral de graça, às vezes, até ajudo, mas é chato né, só que às vezes cometemos o mesmo erro que achamos feio no outro. Seres humanos né, vivendo e aprendendo. Eu continuo admirando o trabalho dessa pessoa, e se um dia eu tiver condições pagarei para ter a sugestão, sem problema.

Nível de vergonha: Esconde o rosto com cabelo que ninguém vai saber quem é você, rs

O problema foi que eu fiquei horas depois me sentindo mal por ter enviado o e-mail e pedido uma sugestão. Fiquei em um diálogo interno, me culpando, me achando boba, achei que deveria ter tido um pouco mais de calma e esperado, depois li e reli o e-mail para ver se eu tinha escrito algo de errado. Depois de ficar me martirizando, eu pensei:

“Provavelmente, essa pessoa nem vai saber quem você é. Ela atende milhares de pessoas. E nesse meio deve ter um monte de gente mal educada que nem sabe receber uma resposta negativa e já sai rogando praga pra pessoa, talvez por isso ela deve ter se manifestado, e infelizmente aconteceu no dia que você decidiu enviar o e-mail e pedir a sugestão. Mas, se ela pensasse alguma coisa a seu respeito isso mudaria quem você é?”


A resposta é não, pelo menos pra mim. O que o outro pensará sobre mim não mudará quem eu sou em essência. Nós ficamos muito preocupados em encenar um papel de perfeição para as lentes dos outros que nós nos esquecemos de viver a nossa vida, ficamos lamentando não pelo o que foi, mas pelo o que o outro irá pensar a nosso respeito.

Então, se você fez algo, pediu uma ajuda ou uma sugestão pra alguém, e a pessoa por motivos que só dizem respeito a ela decidiu que não dava para te ajudar, não se envergonhe, às vezes, a pessoa nem estará tão focada em você. Mas, também não vai rogar uma praga na pessoa só porque ela te disse não hein. Vamos lembrar que o mundo não gira em torno do nosso umbigão. E se de repente, essa pessoa achar alguma coisa sobre você, isso não mudará quem você é de verdade. Não se preocupe mais, nem sempre as coisas sairão como nós queríamos, e isso é bom, às vezes nos ensina a sair do sofrimento, lidar com as frustrações. Talvez, você até consiga resolver seu problema sozinho, pensando de uma maneira diferente a partir da frustração que você teve.


Sempre que você estiver preocupado com o que as pessoas irão pensar sobre você, pense o seguinte:

“O que essa pessoa pensa à meu respeito não muda quem eu sou.” 

Detalhe I: Você precisa acreditar nisso de verdade.

Detalhe II: Na maioria das vezes, as pessoas nem pensam nada, é a gente que faz minhoca virar cobra, rsrs.

E siga em frente!


Um abraço e um ótimo feriado de Corpus Christi!

terça-feira, 13 de junho de 2017

As doenças e nosso emocional - Sinusite

Eu já falei aqui no blog algumas vezes sobre como as nossas emoções podem afetar a nossa saúde. Eu tenho em casa o livro “Você pode curar sua vida” da Louise Hay que resolvi comprar em um momento que eu não aguentava mais sofrer com as intermináveis dores na face. É claro que durante uma crise de sinusite você deve ir ao médico e tomar as medicações necessárias, mas nós temos que analisar também quais as emoções que podem estar contribuindo para que algumas doenças aconteçam repetidamente em nossa vida.

Hoje, eu estou escrevendo para você, adivinha só? No meio de uma crise de sinusite que me pegou de jeito. Eu estou tomando medicação, mas ainda estou sentindo mal estar e um pouco de dor na face. E então, como você também pode sofrer desse mal, eu resolvi compartilhar o que eu pesquisei sobre esse assunto. Assim, nós podemos analisar um pouquinho as nossas emoções. No livro da Louise, ela diz que a sinusite está muito relacionada com uma irritação com pessoas próximas,  se eu for contar pra ti, o tanto de gente que me deixa irritada, você não vai acreditar, rsrs. São irritações que podem variar a causa, mas em geral, elas têm haver com uma expectativa não atendida, com um sentimento de falta de valorização, um incômodo com o comportamento alheio que não reflete aquilo que você esperava.


O que fazer? Senta e chora, medita, ora? Gente, eu acho que nossa vida é composta por ciclos e fases. Tem vezes que nada nos abala, outras vezes, um olhar torto faz você chorar facilmente. Isso acontece porque às vezes nós estamos equilibrados outras vezes desequilibrados. Isso é constante, ocorre um equilíbrio e um desequilíbrio, e nem sempre nós estamos cem por cento para lidar com eles, e podemos sim, converter aquele momento de desequilíbrio em enfermidade.

O ideal é avaliar o que pode estar por trás desses desconfortos. Hoje, analisando, eu sei o que me deixa com sinusite, mas infelizmente, eu ainda não consegui me livrar desse sentimento por completo, eu ainda fico extremamente irritada, principalmente com a falta de controle sobre a situação. Afinal, o outro me irrita, mas não percebe, ou ainda, nem liga. E ai? Fazer o quê? A meditação e a oração têm me ajudado a enxergar as coisas com mais clareza, e vou trabalhando aos poucos os sentimentos que teimam em continuar na minha mente. Mas, como todo o ser humano, eu tenho meus dias de baixa, de esgotamento físico e emocional. Quando isso acontece, eu me pergunto, o por quê? Como eu estou reagindo e por que eu estou reagindo dessa forma? As respostas vão chegando e eu vou tentando exercitar a minha mente para que ela se desprenda daquilo que me faz sofrer. Mas, não é fácil, vamos caminhando um dia por vez.

Então, se você sofre constantemente com crises de sinusite que vem e vão. Talvez seja hora de avaliar as suas emoções em relação às pessoas próximas. Pode ser pai, mãe, irmãos, namorado, namorada, marido, esposa, chefe, colegas de trabalho. Qualquer pessoa que você tenha um contato próximo. Eles te irritam? Por que isso acontece? Qual o sentimento que está por trás dessa irritação? O que fazer com este monte de sentimentos emaranhados? Passa a bomba e sai correndo? Não dá né. Vamos trabalhar esses sentimentos, procurar entendê-los, pode ser com a ajuda de um profissional, psicólogo ou terapeuta, meditação, livros como o da Louise Hay. Ferramentas todos nós temos, mas precisamos saber usá-las, para que não nos tornemos vítimas da situação.


Vou encerrar este post com esse vídeo, que achei muito legal e fala justamente sobre a causa emocional da sinusite.


Para mim, bateu certinho na parte do sentimento de falta de valorização. Eu vou sentindo uma desvalorização das minhas características dia após dia, ficando irritada com isso, não fazendo nada para mudar, e de repente tcharan, a bactéria oportunista se aproveita desse desequilíbrio e resolve tomar conta dos seios da minha face. Mas já providenciamos a ordem de despejo chamada antibiótico, e logo reassumimos o controle da situação. Trabalhar o emocional é muito importante para que a cura seja plena.

Papo de doido isso né? Rsrs. Se gostou compartilhe, se não gostou é só ler outro blog. Nossa, hoje eu estou muito irritada, kkkk. Deixa eu ir tomar meu antibiótico e meditar, que essa sinusite está coisa de doido, rsrs.


Um abraço!

sexta-feira, 9 de junho de 2017

A insegurança em ser você mesmo(a)

Quantas e quantas vezes você se pegou fazendo alguma coisa pensando no outro? Tentando adivinhar o que o outro iria pensar? Tentando adivinhar como o outro receberia a sua ideia ou a sua opinião?

Então, de repente você se deu conta, que você não estava mais fazendo coisas que gosta, ou que você estava omitindo sua opinião porque estava muito preocupado (a) com que o outro iria pensar de você. Eu vou te contar uma história sobre mim que aconteceu há alguns anos, mas ilustra bem o que eu estou querendo te fazer enxergar.

Eu tinha um namorado e nós fomos ao cinema e depois do filme resolvemos dar uma volta no shopping e ir em uma livraria. Ao chegar na livraria demos de cara com o livro “O segredo”, bom, nessa época eu já tinha lido alguma coisa sobre o livro em blogs e concordava com o que a autora dizia, mas ainda não tinha lido o livro, porém era um assunto que chamava a minha atenção. Ao chegarmos perto do livro, o ex-namorado disse a seguinte frase:

“Eu acho as ideias desse livro tão toscas, nada haver. Só gente sem noção se interessa por esses livros.”


A tonta (na época, que fique bem claro) ouviu isso e concordou. Sim, eu concordei com ele, mas a minha opinião era outra. Eu queria ler aquele livro (e li anos depois, hehe) e eu não achava que pessoas que se interessam por este tipo de livro fossem sem noção, mas concordei com ele, disse que tinha a mesma opinião, por quê? Porque havia em mim a insegurança de ser eu mesma. De achar que o outro só me aceitaria se eu concordasse com ele em gênero, número e grau, o que é impossível. Nós podemos ter afinidade com alguém, mas concordar em tudo é humanamente impossível, em uma ou outra coisa haverá divergência. Só que quando nós não confiamos em nós mesmos, existe essa insegurança que te anula, que te faz perder o brilho e você acaba se perdendo de si.

Por isso, é importante sempre, em todas as ocasiões de nossa vida, pararmos um pouco para avaliar para quem e por que estamos tendo determinado comportamento. Será que dentro da sua vida está tendo espaço para que você seja você mesmo(a)? Será que você não está se podando porque acha que tem que agradar o outro o tempo todo? Eu não me refiro aqui somente aos relacionamentos amorosos não. Isso pode acontecer nas relações entre pais e filhos, entre amigos, no trabalho. Por isso, que muitas vezes, você acaba sentindo esse peso e aperto no peito, porque você não expõe o que você realmente pensa, você não expõe quem você realmente é. Isso acontece por medo. Você precisa respeitar um padrão para se sentir bem, e agradar o outro faz parte desse padrão.

Eu não estou dizendo que você deve abrir mão de ajudar o próximo, talvez você não goste muito de ir caminhar no parque, mas seu parceiro(a) te chamou e você foi. Não tem problema nisso, você está abrindo mão de algumas coisas pelo outro e o outro abre mão de algumas coisas por você, normal. Eu me refiro àquilo que começa a te ferir, que começa a te apagar dia após dia. Eu me refiro àquela insegurança que faz com que você concorde com coisas que afetam a sua dignidade como pessoa.


Então, se você percebeu que está perdendo a sua dignidade, talvez seja a hora de avaliar as suas relações com amigos, parceiros, familiares. Avalie como você está se sentindo. Como você tem reagido? Tem concordado querendo discordar? Tem realizado a vontade do outro em demasia e se esquecido de você? Tem uma frase de Jesus que para mim adquiriu um novo significado, é a seguinte:
“Amai ao próximo como a ti mesmo.”

A impressão no primeiro momento, é que você deve amar muito o próximo e até se esquecer de você. Mas hoje, eu interpreto essa passagem de uma outra forma. Acredito que Jesus queria nos dizer que só é possível amar de verdade se você nutre um grande amor por si próprio. Porque quem não consegue se amar, quem deixa o outro levar a sua dignidade embora por medo de não ser aceito, não se ama de verdade, portanto, o que você nutre não é amor, é carência, medo da rejeição, entre outros. Você só será capaz de amar de verdade, sem apego, sem comportamentos destrutivos quando o amor por você for muito grande, ai sim, você consegue amar o próximo com muita afetividade.

Se você concordar comigo, eu acharei ótimo. Mas, se você não concordar, eu acho ótimo também. Eu só quero que você perca a insegurança em ser você mesmo(a), mesmo que você em algum momento discorde de mim ou de qualquer outra pessoa :)


Um abraço!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Pare agora, seu juiz...

Eu estava pensando em um título para este post e lembrei dessa música, mas brincadeiras à parte, eu gostaria de te convidar para parar um pouco. Pode ser agora, se for possível para você, mas pode ser depois, quando você estiver mais tranquilo(a).
Uma das coisas que tenho praticado diariamente é fazer pequenas pausas durante o dia. No trabalho quando começo a sentir os olhos cansados, os ombros pesados, eu levanto da minha cadeira e vou olhar um pouquinho para fora. Eu tenho que agradecer porque a região onde eu trabalho é rica em fauna e flora e durante as pausas que faço, algumas vezes sou agraciada vendo um sagui, esquilos e até tucanos. Mas, mesmo que você não tenha essa possibilidade de contemplar a natureza muito de perto, pare para olhar o céu pela janela, as nuvens ou a chuva que cai.

Pausas são importantes para que possamos equilibrar novamente as nossas energias. Elas funcionam como um revigoramento para que nós possamos continuar. Você só precisará de alguns minutos. Lembre-se de respirar. No dia a dia, a nossa respiração tornou-se tão automática que nós nem percebemos mais a dádiva que é respirar. Respire, longa e vagarosamente. Esqueça os problemas, só por um minuto, imagine toda a imensidão do planeta em que você vive. Imagine as pessoas, os animais, as flores, os oceanos, rios. Há tanta coisa além de você, há tanta coisa além das suas preocupações, há tanta coisa além da sua correria diária. Há uma imensidão infinita que você só percebe quando para um pouco para contemplar no silêncio do seu coração.



Tente ouvir além do que seus ouvidos são capazes de captar. Risos mais distantes, um canto de um pássaro solitário em meio aos prédios, sempre tem quem não desiste de cantar, mesmo no meio do concreto, mesmo no meio do barulho, os pássaros não desistem, eles ainda voam, e seu canto é um hino ao silêncio. Silêncio divino que mora dentro de nós.

Portanto, sempre que você sentir o peso das atividades e responsabilidades diárias, se permita parar um pouco, parar para refletir, parar para descansar, parar para respirar. Parar também é um carinho que você dá para o seu corpo, mente e espírito. O parar permite que você se reconecte com a sua essência, parar um pouco faz com que você não se perca num caminho de inúmeras possibilidades, parar faz com que você escolha direito, parar faz você ouvir a resposta certa. É saudável parar e respirar.

Vamos fazer pausas durante o dia? Pode ser 1 minuto. Levante da cadeira, respire! Caminhe um pouco, o seu corpo precisa de movimento. Respirar clareia as ideias. Então...


Pare um pouquinho, para entrar novamente no compasso, rsrs, ah mas é no compasso do seu coração, no compasso da sua essência, no compasso da sua verdade.



Um abraço!

quarta-feira, 7 de junho de 2017

A paz começa comigo - Livro "Milagres Já"

Eu já falei aqui no blog que eu estou relendo o livro “Milagres Já” da Gabby Bernstein. Esse livro é muito bom e realmente deve ser lido de tempos em tempos para nós lembrarmos das lições que são propostas. Eu decidi que ao invés de fazer uma resenha sobre o livro, eu vou fazer posts sobre as lições que tiverem um maior significado para mim durante essa releitura. A lição ou ferramenta #6  que se chama “A paz começa com você” dá uma dica espetacular sobre como se acalmar quando alguém tira você do sério.

Vamos combinar que não dá para viver nesse mundo sem uma vez ou outra nos sentimos irritados com alguém, como eu já escrevi em alguns posts aqui no blog é normal ficarmos irritados, com raiva, o problema é quando ficamos muito conectados a esse sentimento ao ponto de sentir a boca amarga de tanta raiva. Nós precisamos sentir a raiva sim, mas necessitamos muito mais transmutá-la em algo melhor, sentir, aprender e deixar ir. Como eu disse outras vezes, em alguns casos quando sentimos muita irritação ou raiva pode ser que o comportamento do outro esteja refletindo algo que você quer esconder de você em seu próprio comportamento. Por isso, compreender a raiva e a irritação é muito importante para o aprendizado e para se tornar uma pessoa melhor. Afinal é para isso que estamos aqui, para melhorarmos e crescermos dia após dia e as relações humanas são a chave para esse crescimento.

Essa é a Gabby - vale a pena conhecer o site dela e o canal no youtube - tudo em inglês, mas ai você já aproveita para treinar seu inglês em um assunto que você se interessa :)

Tá, mas e naquele momento que você está explodindo de raiva de alguém? Os pensamentos estão tão confusos que você não consegue nem pensar direito, a sua única vontade é dar um tabefe na pessoa, mas fazer isso não é legal e engolir toda a raiva também não é, e  pode te dar até uma úlcera ou outros problemas de saúde. O que fazer?

Feche os olhos e respire. Não pense no outro mais, visualize você, em paz. E faça o exercício que o livro propõe. Quando você estiver se sentindo muito nervoso, com raiva, a ponto de explodir, faça o seguinte:

Segundo o livro, você deverá pressionar o seu dedo polegar em seu dedo indicador, depois o polegar no médio, polegar no anelar e por último o polegar deve tocar o dedo mindinho da mesma mão.

Ao tocar o indicador, diga ou pense: A
Ao tocar o dedo médio, diga ou pense: PAZ
Ao tocar o anelar, diga ou pense: COMEÇA
Ao tocar o mindinho, diga ou pense: COMIGO

Deu para entender?
Sempre que você tocar o polegar em algum outro dedo, você deve respirar e repetir uma palavra para cada dedo “A PAZ COMEÇA COMIGO.”


Esse exercício é muito simples e realmente ajuda a acalmar a mente. Parece que a raiva vai indo pra longe, seus pensamentos começam a se harmonizar. E assim você não deixa que ninguém tire a sua paz, afinal ela começa em você. Lembre-se sempre que dá para aprender alguma coisa, mesmo com a raiva.

Se você puder compre o livro, vale muito a pena!


Abraço!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Um curso em milagres – Uma frase

Como vocês sabem, eu gosto sempre de ter um livro de cabeceira que antes de dormir ou no tempo livre durante o dia eu dou uma lida. Eu terminei o livro “Nutrindo seus sentidos” da Laura Pires semana passada (clique aqui para ler a resenha) e acabei não tendo nada novo para ler, e como não posso comprar agora, resolvi reler um livro que comprei faz mais de um ano. O livro chama-se “Milagres já” da Gabrielle Bernstein. Assim que eu reler, e fizer umas considerações importantes, eu falarei dele aqui no blog, mas já adianto que é um livro ótimo.

O livro “Milagres Já” cita algumas frases de um outro livro chamado “Um curso em milagres”. Eu fiz download do livro digital há cerca de um ano atrás, e acabei não me interessando muito por este livro, ele é bem complexo, tem quase 1000 páginas, parece uma bíblia de tão extenso. Eu comecei a ler e parei, mas ontem relendo o livro “Milagres Já” acabei tendo vontade de voltar a ler “Um curso em milagres”.

O livro “Um curso em milagres” é um livro de estudos sobre espiritualidade. As reflexões que o livro faz expõe a necessidade de seguir o caminho da paz e do perdão, propõe que nós relembremos de Deus e do papel do Divino em nossas vidas e em nós mesmos. O livro usa uma linguagem cristã, referindo-se a Jesus Cristo, na grande maioria das vezes, porém pode ser utilizado por pessoas de qualquer religião ou crença, ele não irá pregar nenhuma religião, então se isso lhe incomodar, fique despreocupado(a), mas é preciso estar com a cabeça aberta e talvez, assim como eu, há um ano atrás, hoje você não se interesse tanto por ele, mas quem sabe lembre-se dele anos depois, porque o momento de leitura também tem haver com nosso momento de vida, tudo há seu tempo. Ele foi escrito pela psicóloga americana Helen Schucman e seu colega de trabalho William Thetford. Dando uma lida breve nele esta manhã, me deparei com passagens lindas que há um ano atrás eu não enxerguei. Engraçado isso, como o nosso olhar pode mudar.
Eu li a seguinte frase:

“Eu sou responsável pelo que vejo. Eu escolho os sentimentos que experimento e eu decido quanto à meta que quero alcançar. E todas as coisas que parecem me acontecer eu as peço e as recebo conforme pedi.” UCEM

Vamos analisar por partes?

“Eu sou responsável pelo que vejo.”

Como você tem enxergado a sua vida? De uma forma alegre, natural, simples? Ou de uma forma mórbida, um peso, algo muito maçante e sem significado?
Você pode até me questionar sobre a psicologia positiva. Porque à primeira vista enxergar que tudo o que acontece tem também um lado positivo e um aprendizado é bem estranho. E eu concordo com você, porque você pode ter passado por coisas inimagináveis para a minha mente, por dores que você ainda não compreende como pode estar vivo(a). Mas, chega uma hora que é necessário escolher deixar de sofrer e ser responsável por como você enxerga suas dores, como você modifica essa dor. Como você trabalha a sua visão de mundo. O meu exemplo é muito simples, mas quando eu comecei a sofrer de transtorno de ansiedade, eu achava que iria morrer de um ataque cardíaco, que iria vomitar em cima das pessoas de tanta ansiedade. Eu chegava em casa e chorava horas porque eu não conseguia trabalhar sozinha aquele monte de sentimento. Foi nesse momento que eu ajustei a minha visão, a vida me convidava para o combate não dava para ficar parada, sofrendo.


Eu fui ler sobre o assunto, comprei livros, marquei consulta com uma psicóloga, fiz novena contra ansiedade, rs, me matriculei na yoga, usei florais de Bach, fiz acupuntura, e estou aqui, mudei a minha visão, agora eu sou responsável pelo que vejo. Ah sim, como você eu também sofro, já perdi pessoas queridas na minha família, sofri por medo, já chorei por me achar inadequada, já achei que não me encaixava, mas mudei o olhar, e hoje consigo enxergar tudo de uma forma diferente, e estou aqui, melhor, mas muito melhor que antes, e grata a Deus por tudo isso, porque o eu de hoje já é completamente diferente do eu de ontem, sempre aprendendo, que bom.
Tente você também, ajustar as lentes sobre as situações da sua vida, procure ajuda, um psicólogo, um terapeuta, um orientador. Sente-se em silêncio e medite. Escute a voz de Deus, a sua consciência, ou sei lá, se você não acredita em nada disso, escute mesmo assim, as respostas virão. Você tem o poder de escolher, ele está ai dentro de você.

“Eu escolho os sentimentos que experimento e eu decido quanto à meta que quero alcançar.”

Ficou com medo, com vergonha? Transforme em aprendizado. Não escolha se sentir inferior a ninguém. Todos nós estamos nivelados igualmente por Deus. Ninguém é mais ou menos. Você pode ter um cabelo mais bonito, um nível intelectual melhor, mas lá no fundo, isso só vai nos diferir aqui na Terra, na lei do ego e dos homens, no mais nós somos iguais. Não escolha sentimentos ruins para cultivar no seu coração. Escolha sentimentos bons. Pense em coisas boas, mesmo em dias nublados, faça um esforço. Dia após dia. Quando alguém te magoar, te colocar para baixo, olhe para essa pessoa e ore por ela, mande energias positivas. Mude a sua vibração, escolha o que é melhor para você, passe por cima da tralha e crie coisas novas. Eu te adianto, que não é fácil, mas pode ser um passo por vez.
Vá em busca do que você quer, tente, se não der certo, é porque não era para ter sido, bem simples assim mesmo. Fica o aprendizado para a vida, para fazer de uma outra forma, por que não?

“O fracasso é do ego, não de Deus.” – Do livro “Um curso em milagres”


“E todas as coisas que parecem me acontecer eu as peço e as recebo conforme pedi.”

Você precisa pedir, e fazer acontecer. Precisa focar no que quer, pedir, visualizar, fazer a sua parte e entregar. E então, o que você acredita que merece? Pelo o que você tem batalhado? Você tem lutado pelas suas metas se comparando aos demais? Achando que merece o mesmo que os outros? Que seu pedido, que seu sonho não é possível? Ás vezes, as coisas demoram um pouco para chegar na vida da gente, mas quando chega, e você olha a sua caminhada e seu aprendizado, você diz para si mesmo(a), ainda bem que demorou, pois agora consigo viver tudo o que pedi e tudo pelo que batalhei com plenitude e consciência. Olha que legal. Já pensou se você tivesse conseguido aquele carro, quando vivia para a bebida, você poderia ter se acidentado, morrido. Hoje, mais consciente você desfruta do carro com mais sabedoria. Se você tivesse conquistado aquele amor quando era imaturo(a) teria sido um desperdício, mas hoje você consegue enxergar que vive o amor mais calmamente, com mais sabedoria, mais tranquilidade, então que bom que demorou, hoje você é outro alguém.

Está vendo, esse livro é cheio de passagens muito bonitas que nos fazem refletir acerca do significado que estamos dando para nossa vida. Como estamos nos comportando, que sentimentos estamos cultivando, o que achamos que merecemos. Se tudo o que eu escrevi tocou o seu coração, eu fico feliz, se você achou que tudo isso é um monte de besteira, tudo bem também. Cada um tem uma escolha. Qual vai ser a sua?


Um abraço!

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Resenha do livro “Nutrindo seus sentidos”

Eu comprei há cerca de 1 semana atrás, o livro “Nutrindo seus sentidos“ da Laura Pires, e resolvi compartilhar com vocês a minha impressão sobre o mesmo.
Para começar se você não conhece a Laura Pires esta é uma oportunidade para você se inteirar do trabalho dela. A Laura foi diagnosticada com esclerose múltipla, e como você deve saber esta doença é progressiva e não tem cura, o que a medicina alopática consegue fazer atualmente é um controle de alguns dos sintomas, mas perde-se muita qualidade de vida. Depois de tentar alguns tratamentos convencionais no Brasil, a Laura e seu marido na época resolveram tentar um tratamento na Índia. Esse tratamento foi todo realizado seguindo os protocolos da Medicina Ayurveda (hoje utilizada para tratamento no SUS).
Bom, a Laura melhorou, ela não está curada da esclerose múltipla, mas os sintomas estão todos controlados e hoje ela tem uma vida normal. Mas, ela segue religiosamente todos os princípios da ayurveda no seu dia a dia. Se você quiser conhecer mais sobre a Laura Pires e o seu trabalho eu recomendo que você acesse o blog dela e conheça também os outros livros, vale muito a pena, tem muito material bom.



laurapires.com.br ou buscadaessencia.blogspot.com.br (esse é antigo blog, mas tem muita coisa boa)

O livro “Nutrindo seus sentidos” faz uma breve explicação da história da autora e também compartilha com o leitor algumas bases da medicina ayurveda, explica de forma simples o que são os doshas (caracterização do perfil biológico do indivíduo), o cardápio apropriado para cada dosha e como deve ser a rotina de quem segue os princípios da ayurveda. Eu gostei muito dessa introdução, eu não tenho muito conhecimento sobre esta prática milenar, e ler o livro da Laura para mim foi uma descoberta muito interessante. As explicações são bem didáticas, e dá para você incorporar alguns hábitos na sua rotina diária, como por exemplo, comprar e consumir os alimentos da estação.


Com a correria que a nossa vida se transformou, nós nos esquecemos que também somos parte da natureza, apesar de muitas vezes, acharmos que mandamos nela, portanto, sendo parte da natureza somos regidos pelos seus ciclos e suas estações. Se estamos no inverno, devemos priorizar alimentos que estão disponíveis nesta estação. O livro tem uma tabela que nos ajuda nessa orientação. Além disso há explicações sobre o porque devemos evitar ao máximo consumir alimentos processados e ultraprocessados, porque priorizar ir à feira, comprar comida fresca, acordar cedo e dormir cedo, fazer exercícios físicos, entre outros.

Além dessa introdução, temos as receitas, porque afinal este é um livro de receitas de culinária ayurveda. São 180 receitas e o livro é dividido por seções. Nele você encontrará receitas de leites vegetais,  receitas para café da manhã, almoço, lanche e jantar. Acima de cada receita você encontra a inicial do dosha correspondente. As fotos dos pratos são lindas e as preparações não são difíceis. Eu testei duas e deram certo. Eu fiz uma sopa de beterraba com inhame e também o doce de laranja. No doce de laranja, o bagaço deu uma amargada, então, eu resolvi substituir a laranja pelo suco, porque tirar todo o bagaço ia dar um trabalho, rs. De qualquer forma, ficou um doce bem gostoso, o cheiro da canela e do cravo invade a casa, é muito bom.


Se você quer ajustar a sua alimentação de uma maneira prática e saudável, e ir aos poucos melhorando seus hábitos alimentares, eu recomendo que você leia esse livro e vá se aventurando na cozinha. É muito gostoso começar a cozinhar o seu alimento, provar um novo sabor, um novo tempero e novas especiarias. As receitas são mesmo especiais e capazes de nutrir nossos sentidos, como informa o título do livro. Recomendo muito! Vamos começar a cozinhar e consumir alimentos mais saudáveis? Aceita o desafio? Espero que sim e boa leitura!

OBS: As fotografias do post não são do livro.