segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Intuição ou crítico interno? Como diferenciar um do outro

Você já deve ter escutado este conselho inúmeras vezes: "Ouça a sua intuição. Escute a voz do coração." Eu mesma, sempre tento ouvir minha intuição, e sugiro às pessoas que comecem a fazer isto também. Porém, confesso que não é fácil distinguir a intuição do crítico interno, e como nem sempre isso é óbvio, acabamos tomando decisões autossabotadoras e permanecemos mais perdidos do que agulha no palheiro.

Se você tem dificuldade em separar a voz da intuição do crítico interno, este post pode te ajudar a esclarecer essa confusão, adianto que nem sempre isso é fácil, e que mesmo treinados, podemos sim, confundir um com o outro, mas existem algumas formas de facilitar essa diferenciação, para isso, vamos começar com alguns conceitos importantes.




O crítico interno é um conceito utilizado para definir aquela voz interna que fala conosco, porém, a voz do crítico interno não estimula o nosso melhor, na verdade, essa voz atuará amplificando nossas supostas características negativas, experiências ruins do passado e atuará também reforçando comparações, essa voz fará com que façamos projeções de experiências traumáticas em acontecimentos do presente que muitas vezes não tem nada a ver com a situação do passado, acionando assim, o botão da autossabotagem. 

Se você estiver sendo guiado pelo seu crítico interno, provavelmente está vivendo no piloto automático, vive se comparando com os outros e está sempre com a sensação de insatisfação e insegurança.

A intuição, que também pode ser definida como aquela voz interna, é um pouco mais sutil, em geral não causa desconforto, a sensação é de tranquilidade. A voz da intuição não age de forma sabotadora, na grande maioria da vezes, os pensamentos trazem paz e conforto, até mesmo em casos onde desistimos de algo, que a princípio achávamos que seria o melhor para nós. 

Agora que você já tem uma noção de como diferenciar o crítico interno da intuição, deve ter percebido que a chave mestra para essa diferenciação é o AUTOCONHECIMENTO, não há como fugir disso, é preciso se observar e se conhecer cada dia mais. Existem algumas ferramentas de autoconhecimento que ajudam na conexão com a intuição, vamos ver algumas delas?

Meditação
A meditação ajuda na conexão com a essência, o chamado eu verdadeiro, portanto, torna a voz da intuição mais aguçada. A prática possibilita a identificação com o momento presente, auxiliando na identificação dos movimentos mentais autossabotadores. Praticar meditação ajuda a desmascarar o crítico interno, e conhecendo esse crítico ficará mais fácil saber como ele age para assim combatê-lo.




Observe-se
É interessante que você comece a observar essa voz interior (a prática de meditação facilita esse processo). Se você perceber sinais de autossabotagem, negatividade excessiva, comparação, provavelmente não é a sua intuição que está falando, e sim o crítico interno, então aprenda a observar com calma os seus pensamentos e classificá-los.

Florais de Bach
Quando temos muitos pensamentos, em geral negativos e repetitivos, que ficam alimentando um diálogo interior que parece nunca ter fim, fica muito mais complicado ouvir a intuição, pois a mente está cansada e atrapalhada, dessa forma, a intuição fica muito encoberta. O floral White Chestnut proporciona maior clareza mental, ajudando na paz e equilíbrio da mente, portanto, com a mente mais livre e descansada podemos nos sintonizar com mais facilidade com a intuição. Assim nos conectaremos com quem realmente somos e ouviremos aquilo que realmente importa e é para o nosso bem.


Para refletir:
"A mente intuitiva é um dom sagrado e a mente racional é um servo fiel, nós criamos uma sociedade que honra o servo e se esquece do dom." Albert Einstein



Sugestão de vídeo para entender um pouquinho mais sobre intuição


quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Como manter o foco e eliminar as distrações

Eu resolvi escrever este post, depois de perceber que eu não estava conseguindo manter o foco no meu novo objetivo. Eu comecei a fazer cursos, me preparar para uma prova e tudo isso eu deveria fazer quando chegasse em casa, depois do trabalho.

O grande problema é que ao chegar eu me envolvia em distrações, como notificações do celular, vontade de assistir mais um episódio da série da vez, Supergirl, rsrs, e assim muitas vezes resolvi me entregar às distrações e deixar os estudos em segundo plano. Mas, esse comportamento começou a me incomodar e eu me questionei seriamente, da seguinte maneira:

"Se você quer mudar, se você quer que seus objetivos e projetos vão adiante, você precisa focar. Estabelecer um tempo para cumprir as tarefas e se comprometer com elas, senão nada vai sair do lugar, e quando tudo passar, você vai se sentir frustrada novamente porque sabe que não se comprometeu o suficiente. E então, o que está disposta a fazer?"

Sim, eu tenho conversas sérias comigo mesma, rsrs, e se não fosse isso, eu seria uma eterna procrastinadora. Resolvi então, utilizar as coisas que aprendo, lendo blogs, assistindo vídeos e fazendo cursos e algumas coisas estão dando super certo, e são elas que quero compartilhar com você, caso você sofra do mesmo problema com falta de foco e distrações.






1 - Estabeleça um tempo menor para as tarefas
Eu andei lendo sobre mini-hábitos, que na verdade é o tema do livro do escritor Stephen Guise - Mini-hábitos: Hábitos menores, maiores resultados. Eu não li o livro, mas assisti alguns vídeos à respeito. O autor sugere que "quebremos" os hábitos, por exemplo, ao invés de colocar duas horas para estudo, comprometa-se com uma hora. Ao invés de se comprometer a ler 10 páginas por dia de um livro, comprometa-se com duas páginas. Mesmo que a princípio a ideia pareça estranha, ela funciona muito bem, pois fica mais fácil de você atingir seu objetivo, pois o hábito menor é mais fácil de ser cumprido, portanto, você criará consistência, e mesmo em dias mais apertados, conseguirá manter o objetivo, já que ele é menor. Deu para entender? Vou deixar um vídeo explicativo abaixo, que é sobre o livro e ajuda a exemplificar o processo.




2 - Coloque o celular no modo avião ou silencioso
Se tem uma coisa que pode nos distrair facilmente, essa coisa é o celular. Se você não aguenta ouvir uma notificação do Facebook, Instagram e Whatsapp e já corre para olhar, e depois não sabe mais quem você é, onde parou, por onde continua, rsrs, talvez colocar o celular no modo avião ou no silencioso te ajude a manter o foco. 

3 - Deixe seu espaço organizado
Se você tem alguma tarefa importante para fazer, mas sua casa ou escritório está gritando de tanta desorganização, talvez seja melhor, organizar tudo primeiro para depois se dedicar às outras tarefas. Assim, você evita ficar olhando para objetos que vão te fazer lembrar que você tem uma outra tarefa a cumprir, fazendo com que você perca o foco.



4 - Estabeleça um local para o trabalho
Eu percebi que sempre que eu sentava na mesa da cozinha para escrever ou estudar, eu sempre acabava me distraindo. Ou era conversando com alguém na cozinha, observando algo no fogão, perdendo o foco com algum cheiro de comida, rs, enfim, eram distrações que não acabavam mais, então decidi comprar uma mesa e colocá-la no meu quarto, assim posso me dedicar às minhas tarefas sem interrupções, se algo começa a me distrair, é só encostar a porta e voltar a me concentrar, por isso, sugiro que você tenha um local adequado para tarefas que exigem foco e concentração.

5 - Mantenha o seu celular longe do alcance
Sim, olha o celular novamente por aqui. Eu percebi que mesmo que eu coloque o celular no silencioso, se ele ficar muito próximo, eu acabo olhando para a tela de tempos em tempos, acredito que a grande maioria das pessoas é assim. Creio que estamos desenvolvendo um vício pelo aparelho. Para evitar esse comportamento, eu resolvi deixar o celular no silencioso (como escrito na dica 2 - pelo menos durante o tempo em que preciso de concentração), e longe do alcance das mãos. Assim, não me distraio somente olhando para a tela, isso tem ajudado muito.



E você, o que faz quando tem alguma tarefa que é preciso foco e concentração? Se quiser, me conta nos comentários. Eu espero que essas dicas sejam úteis para você.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Escrita terapêutica - Como escrever pode te ajudar no processo de autoconhecimento

Uma das coisas que eu faço com frequência é escrever sobre o que eu estou sentindo. Quando me sinto confusa, com algum sentimento preso na garganta, eu gosto de escrever. Eu percebi que escrever me ajuda muito a entender os meus sentimentos. O processo consiste em escrever sem julgamento tudo aquilo que está me incomodando, ao mesmo tempo que escrevo, faço perguntas silenciosas para mim mesma, com o objetivo de extrair um pouco mais do sentimento, e assim vou transferindo as respostas para o papel.

Às vezes, escrevo pouco, somente algumas linhas, outras vezes, páginas inteiras. Esse processo eu apelidei de "cadernoterapia", palavra que provavelmente nem existe no dicionário, mas que traduz o que escrever significa para mim. Caderno + Terapia, duas palavras que me ajudam de montão no dia a dia. Esse processo é conhecido como escrita terapêutica, afinal, escrever é um processo que leva ao autoconhecimento e transformação. Ao escrever e depois ler, você conseguirá olhar para o problema com um novo olhar, que pode fazer com que você pense em novas alternativas, soluções, e até perceber que esse monstrão que você criou nem é tão grande assim, e que sua mente confusa, enxergou a sombra enorme do monstro e não conseguiu ver o seu tamanho real.



Se no momento, você não tem com quem desabafar, que tal tentar escrever tudo o que sente em uma folha de papel ou em um caderno destinado para isso? E faça desse recurso algo que você pode usar a seu favor, para o seu autoconhecimento. Eu costumo escrever e depois de ler e assimilar as informações, eu rasgo a folha e jogo fora, mas você pode guardar para ler em um outro momento, se desejar. Além de te ajudar com as emoções, escrever com papel e caneta, vai te ajudar a melhorar o vocabulário, a sua comunicação também melhora. Nos tempos atuais, escrevemos muito pouco, com os avanços tecnológicos (muito bons por sinal) nós deixamos de escrever a mão, estamos sempre escrevendo e-mails, mandando mensagens eletrônicas, a boa e velha carta, virou saudade do passado, e só vemos sua representação em filmes e séries de época.

Você consegue lembrar da sua letra? Sua caligrafia? Vamos escrever novamente? Que tal começar digerindo suas emoções e sentimentos? É uma boa não é? Chegue em casa, e escreva sobre o seu dia no trabalho, os desafios que enfrentou. Sobre o que te magoou ou o que te deixou feliz. Pergunte a si mesmo sobre o por que de você estar se sentindo assim. Responda para o seu amigo, o caderno, e sinta a transformação acontecer. Lembrando que não é mágica, é um processo, e como todo processo, precisa de disciplina e entendimento para produzir bons resultados. Se você conseguir cultivar esse hábito irá notar mudanças muito positivas em sua vida.



E para te ajudar, neste processo, que tal ouvir "O Caderno" do Toquinho? Mão na massa e escreve, quem sabe disso aí não sai um blog, um post para o Facebook ou um livro, hein. Gostou da dica, compartilha!!!

O Caderno - Toquinho


Sou eu que vou seguir você 
Do primeiro rabisco até o be-a-bá. 
Em todos os desenhos coloridos vou estar: 
A casa, a montanha, duas nuvens no céu 
E um sol a sorrir no papel.
Sou eu que vou ser seu colega, 
Seus problemas ajudar a resolver. 
Te acompanhar nas provas bimestrais, você vai ver. 
Serei de você confidente fiel, 
Se seu pranto molhar meu papel.
Sou eu que vou ser seu amigo, 
Vou lhe dar abrigo, se você quiser. 
Quando surgirem seus primeiros raios de mulher 
A vida se abrirá num feroz carrossel 
E você vai rasgar meu papel.
O que está escrito em mim 
Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer.
A vida segue sempre em frente, o que se há de fazer.
Só peço a você um favor, se puder: 
Não me esqueça num canto qualquer.