terça-feira, 14 de novembro de 2017

É possível manifestar o trabalho dos sonhos?

Bom, eu ainda não sei a resposta para essa pergunta, porque eu AINDA não manifestei totalmente. Mas, de uma coisa eu sei, é possível viver bem com o que se tem até que o sonho se realize, e se você estiver na frequência certa, ele acontecerá mais cedo ou mais tarde.

Isso de vibrar em determinada frequência, tem me aproximado de gente muito conectada com as mesmas coisas que eu, com ideias parecidas. Eu reencontrei amigos que hoje tem muito haver comigo, às vezes, eu começo a ler sobre determinado assunto, e de repente, encontro vídeos, palestras online ou assisto um programa na TV que está exatamente falando sobre minha dúvida, então te garanto, que funciona. Quando comecei a perceber essas sincronicidades, eu comecei a estudar um pouco mais sobre a Lei da Atração, e tenho me encantado cada dia mais.

Se você pensar, a Lei da Atração não é uma coisa mística ou muito distante, até Jesus disse que tudo que nós pedíssemos ao Pai ele nos daria. Tem uma passagem bíblica em Filipenses que  diz o seguinte:

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.

E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.
Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” Filipenses 4:6-8



Ou seja, mantenha-se na frequência certa, na boa vibração, insista em bons pensamentos. Essa passagem só exemplifica o que todos esses livros, palestras e autores nos dizem, mantenha-se tranquilo e com bons pensamentos.

Mas, o que será que é estar na frequência certa?

Há alguns dias atrás, eu li o livro “O poder” da Rhonda Byrne, mesma autora do livro “O segredo”. Se você acredita na Lei da Atração, esses livros são muito úteis para você começar, mas se você acha tudo isso uma grande baboseira, então, pare de ler aqui, ok.

Para você que continuou a ler, eu tenho umas dicas que eu aprendi com esse livro e achei que são muito valiosas para aplicar em todas as áreas de nossa vida, inclusive a vida profissional. Eu vejo, todos os dias, várias pessoas achando que fizeram escolhas equivocadas, que não sentem que estão realizando a sua missão de vida, e todas elas têm um sentimento em comum em relação ao trabalho, que é aquela sensação de vazio, de ficar horas e horas realizando uma atividade que parece não ter mais haver com elas.

Diante desse fato, você já parou para pensar em quais sentimentos você tem nutrido em relação ao seu trabalho atual? Você já parou para pensar em quais sentimentos você tem nutrido em relação às pessoas que trabalham com você? É muito importante que você identifique esses sentimentos para começar a trabalhar neles. Só é possível curarmos aquilo que conhecemos e reconhecemos em nós mesmos. Então, escrever sobre como você se sente é o primeiro passo.

Depois de ter escrito sobre seus sentimentos em relação ao seu trabalho, chegou a hora de mudar a frequência para começar a atrair aquilo que você deseja. Segundo Rhonda Byrne, se você se sente bem sobre o seu trabalho, você deve receber de volta as circunstâncias  e experiências positivas, os seus sentimentos vão lhe dizer o que você está dando. Então, você precisa se conectar com sentimentos bons. Para mim, foi mais fácil com a prática do Ho’oponopono, sempre que me desconecto ou sinto um sentimento ruim, eu repito algumas vezes: Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grata. Dessa forma, eu tenho me mantido mais próxima daquilo que quero.

Ouça aqui a oração

Você precisa se conectar com a felicidade neste momento, mesmo que as coisas ainda não estejam do jeito que você quer. Só para você entender o que quero dizer, vou transcrever um trecho do livro “O poder”:

Se você tem vivido sua vida dizendo a si mesmo “serei feliz quando tiver uma casa melhor”, “serei feliz quando tiver um trabalho ou uma promoção”, “serei feliz quando as crianças estiverem na faculdade”, “serei feliz quando tivermos mais dinheiro”, “serei feliz quando puder viajar” ou “serei feliz quando meu negócio for um sucesso”, você nunca terá estas coisas, pois seus pensamentos estão desafiando o modo como o amor funciona. Eles estão desafiando a lei da atração. Você tem que ser feliz primeiro, e dar felicidade, para receber as coisas felizes! Não tem como acontecer de outro modo, pois o que quer que você queira receber na vida, você deve dar primeiro! Você está no comando de seus sentimentos, você está no comando do seu amor, e a força do amor lhe dará de volta qualquer coisa que você der.

O que você pensa sobre o seu trabalho dos sonhos? Escreva tudo o que você deseja, depois conecte-se com bons sentimentos, ao ler novamente o que deseja, sinta-se realizando cada um desses desejos/objetivos. Qual é a sensação agora? Se você fizer direitinho, vai sentir algumas sensações boas, frio na barriga (bom), sensação de calma, vontade de sorrir, entre outros. Não esqueça de agradecer pelo que tem hoje, mesmo que seja aparentemente uma tranqueira sem fim, rsrs, deve ter algo bom. Esse trabalho te possibilita viajar? Te possibilita comprar coisas que você gosta? Te possibilita estudar? Te possibilita pagar as contas? Vixi, olha só quanta coisa positiva dá para tirar desse trabalho que você acha um tédio. Comece agradecendo e depois vá se conectando com sentimentos melhores.



Vamos juntos, manifestar aquilo que sonhamos, aquilo que queremos. Acredite que já é possível. Só para terminar, ontem eu assisti um filme magnífico chamado “Estrelas Além do Tempo” sobre o trabalho de mulheres negras na NASA na década de 1960. Em um dos diálogos, o chefe do Departamento pergunta para Katherine Johnson (Taraji P. Henson) se um dia eles chegarão à Lua, e ela responde sem hesitar:

“Nós já estamos lá.”

Isso é a Lei da Atração.

Dica extra: Assista esse filme é MUITO BOM!




Um abraço!

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Criatividade bloqueada

Há alguns dias atrás, eu estava me sentindo meio sozinha. Uma sensação chata de abandono e tristeza. Eu não entendia bem o que estava sentindo, então resolvi silenciar alguns instantes e respirar. Foi quando, percebi o seguinte, o meu mal estar emocional vinha da minha criatividade, sim criatividade bloqueada. Já ouviu falar? Já se sentiu assim? Mas, por que será que isso acontece e como podemos mudar? Se você quer saber as respostas continue lendo este texto até o final :)

O bloqueio da criatividade pode acontecer de diferentes formas, pode ter uma causa sócio-cultural ou ainda ser causada por um problema emocional ou até devido às políticas da empresa onde você trabalha, além de outros fatores. De acordo com o Wikipédia, o bloqueio criativo nada mais é do que um fenômeno envolvendo a perda temporária da habilidade de continuar a gerar conteúdo, geralmente por falta de inspiração ou criatividade.

Sabe aquela sensação de ter perdido a inspiração? Ou aquele medo de fazer uma mudança no ambiente de trabalho? Ou ainda, aquela sensação de monotonia diária? Tudo isso, pode ter como causa o bloqueio da criatividade, ou seja, não há mais inspiração, ou até há, mas ela é barrada por algum fator externo, como os que citei acima.



Mas, o que fazer, então?

Analise seu cotidiano e comportamento
Nesta etapa, você precisará ser bem sincero consigo mesmo e avaliar quais as causas da falta de criatividade. Aqui podem entrar uma série de fatores, inclusive padrões familiares, religiosos, organizacionais, stress, ansiedade. O que você anda esperando de si mesmo? O que realmente é seu? E o que dentro dessa “espera” são expectativas alheias?
Agora, que você foi sincero consigo mesmo, e identificou a causa do bloqueio criativo, você será capaz de começar a desbloquear esse processo. Mas, nem sempre é fácil e nem sempre acontece num passe de mágica, muitas vezes é preciso constância e paciência para que as ideias e a sensação de bem estar comecem a retornar, experiência própria, viu.

Mude seu humor, ouça uma música agradável
Ouvir uma música pode te ajudar a clarear as ideias, e assim, você pode pensar de uma maneira mais ampla. Escolha músicas que você se sinta bem ao ouvi-las. Músicas que façam você se lembrar de momentos agradáveis. De repente, essa sensação boa pode fazer com que você associe ideias e tenha bons resultados.

Faça meditação
Essa dica é batida né. Eu sempre sugiro meditação na grande maioria das vezes. A meditação é uma ótima ferramenta para ser utilizada no dia a dia, e é ótima para quando você sente a sua criatividade bloqueada. Durante a meditação, ou logo após realizá-la é muito comum eu ter insights sobre algo que estou querendo resolver, e muitas vezes, consigo respostas até para o meu estado de espírito. Por isso, eu recomendo a meditação para casos de bloqueio criativo. Ao silenciar a mente e dar um tempo no excesso de pensamentos, as situações se tornam mais claras e parece que a solução se apresenta. Faça um teste, comece a meditar pelo menos 5 minutos por dia, e depois me conta, como as coisas estão.



Assista palestras e leia material sobre o assunto
Quando nos sentimos estagnados, a melhor coisa a fazer é tentar se inspirar através de pessoas e materiais que possam nos ajudar. Por exemplo, se você trabalha numa área de moda e design e perdeu a criatividade, uma boa, é assistir palestras sobre o assunto, visitar sites como o Pinterest, ler livros sobre o tema. Assim, você pode ver e sentir novas ideias, e até ver ali uma forma totalmente nova e diferente de trabalhar. Então, respire e se inspire.

O Pinterest para mim é uma fonte de inspiração. Você pode encontrar muita coisa legal. Vale a pena!

Dica de livro
Essa última é a dica de um livro que eu li, quando percebi que eu estava com a minha criatividade bloqueada. O livro se chama “Grande magia – Vida criativa sem medo” da Elisabeth Gilbert, autora de “Comer, rezar e amar”. Eu li este livro e achei muito interessante as considerações da autora sobre a magia do processo criativo. Se você está se sentindo sem ideias e sem inspiração para começar algo novo, para continuar um projeto, eu acho que vale muito a pena dar uma lida nesse livro. Ela diz no livro que viver criativamente é viver uma vida mais motivada pela curiosidade do que pelo medo. Eu achei isso bárbaro, porque se formos pensar, um dos grandes vilões para nossa vida criativa, é ele, o medo. Palavra tão pequena e com efeitos de uma bomba atômica, sai arrasando tudo e destrói aquilo que tinha vida dentro de você, a sua criatividade.
Vou deixar aqui, o link para você baixar o livro gratuitamente em PDF, caso você se interesse, e goste de ler livros em formato digital.



Espero que você tenha gostado das dicas, e se quiser compartilhar o que você faz para recuperar a sua criatividade, escreva aqui nos comentários. Eu vou adorar saber. Um abraço!

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Pessoas vêm, pessoas vão

Alguém por quem você tem muita consideração e carinho já se afastou de você? É estranho ver algumas pessoas queridas se afastarem da gente. Pessoas que considerávamos muito, mas que aos poucos, vão se afastando, indo embora e sumindo na neblina. Você imagina que talvez haja algo errado, que a pessoa esteja passando por algum problema, mas aparentemente não há nada errado, a pessoa só está se distanciando.

Você já pensou que talvez, não haja mais ressonância entre as ideias, os momentos de vida podem estar opostos, talvez vocês não vibrem mais na mesma frequência. Eu sei que muitas vezes, ficamos chateados quando isso acontece, mas apesar disso, talvez seja necessário abrir espaço e deixar a pessoa ir. Se um dia, houver necessidade de retomar o contato, observe se a pessoa ainda tem haver com você e se há espaço em sua vida para a retomada do relacionamento, seja amizade ou relacionamento afetivo, e se isso será bom para você. Se não for, mantenha a distância gentilmente.

Quando sentimos alguém se afastar, é comum nos sentirmos culpados, acharmos que fizemos algo errado, achar que o nosso amor ou a nossa amizade podem ter falhado em algum ponto. Se você não fez nada que justifique o afastamento, não se culpe, se alguém resolveu te deixar. Deixe que siga o caminho. Não se preocupe mais, se você ainda tentou, mas sentiu distanciamento, deixe ir.


Não cobre de alguém a presença que essa pessoa já não pode mais dar. Avalie a sua vida, pessoas estão partindo e outras estão chegando, e algumas decidiram ficar, é assim tudo vai se ajeitar. É como se as vibrações mudassem todo o tempo. Você não é mais a mesma pessoa de ontem, o outro também não. Não se julgue, não se culpe. Libere as pessoas, acolha os novatos que chegam, cuide da relação com os que ficaram e se um dia eles também decidirem ir, abençoe-os para que encontrem os melhores caminhos.

Como dizia o Osho:

“O amor e a liberdade são as duas asas do mesmo pássaro.”

Isso se aplica para tudo, para os amores, para as amizades. Deixe os pássaros voarem, quem sabe neste voo eles se encontrem, e você encontre novos pássaros para voar com você, e se nesse meio tempo tiver que fazer voos sozinho, não tenha medo de abrir as asas e se arriscar. 

Dica de floral para adaptar-se às mudanças da vida: Walnut


Um beijo!

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Mania de comparação

Como nós temos a mania de ficar nos comparando com os outros, não é? Principalmente hoje em dia, com as redes sociais. Comparamos nossos corpos, nossa vida financeira e profissional, nossa vida amorosa, nossa vida em família. E essa comparação tem um lado positivo e um lado negativo.

Existe nesta mania de comparação, somente um aspecto positivo, e ele ocorre quando a comparação te impulsiona a buscar o seu melhor. Portanto, se formos analisar com calma, a comparação pode ser negativa, mas também pode trazer algo positivo, depende muito da forma como você encara. Vou simplificar esta visão positiva da comparação utilizando um exemplo da minha vida. No começo do ano passado, eu estava com a minha vida profissional muito parada, eu terminei os estudos em 2013, e estava seguindo uma rotina, todos os dias, sem muitas mudanças. Então, teve um dia, que eu estava vendo alguns perfis no Linkedin de pessoas que estavam atuando na mesma área profissional que eu, e essas pessoas tinham cursado ou estavam cursando pós-graduação.

Em um primeiro momento, eu me comparei negativamente com essas pessoas, pensei que eu estava muito atrasada e preguiçosa, já fazia 3 anos que eu tinha terminado a graduação, parei de estudar inglês e nem iniciei a pós-graduação, passados os 5 minutos de autodepreciação, eu pensei: “Poxa, que tal dar uma pesquisada em uns cursos, dar uma olhada nos valores, grade curricular.” E foi isso que eu fiz, pesquisei e me matriculei em um curso de pós-graduação EAD no SENAC e adorei. Neste caso, a comparação me impulsionou. Portanto, posso afirmar que foi positiva.


Mas, o bicho pega, quando a comparação faz com que nos sintamos muito inferiores ou muito superiores aos outros. Vamos aos exemplos. Você pode se comparar a alguém e diante dessa comparação se sentir superior e se tornar uma pessoa arrogante. Por exemplo, você cuida da sua alimentação, faz exercícios físicos regularmente e ao ver alguém comendo aquele hamburgão com fritas, você começa a criticar a pessoa, exaltando o seu estilo de vida em detrimento da escolha do outro, você se sente superior por cuidar da sua saúde. Entendeu? Se comparar e se sentir superior também pode ser uma armadilha, pois temos a tendência de nos tornarmos arrogantes e começarmos a nos isolar. Por isso, é sempre bom avaliarmos nossas atitudes e comportamento, pois muitas vezes, nem percebemos que estamos agindo de uma maneira arrogante.

Mas, o que acontece com mais frequência é a comparação que nos deixa pra baixo. Sabe aquela comparação que faz você se sentir inferior? Essa é a mais perigosa de todas. Acho que todos nós temos a tendência de nos compararmos sempre buscando o que no outro nos parece melhor e mais interessante. Esse tipo de comparação leva a autodepreciação, pois você sempre vai achar que o que acontece na vida dos outros é sempre mais interessante do que o que acontece em sua vida. Você começa a comparar sua vida financeira, sua vida amorosa, a falta de filhos ou excesso de filhos, compara escolhas profissionais, cor de cabelo, corte de cabelo. Compara sorrisos e ausência de sorrisos, compara roupas, compara carros, compara férias, passeios, comidas e estilo de vida. Meu Deus, aja saúde mental para lidar com as nossas paranoias. Tem uma hora que vamos nos sentir tão mal e tão para baixo, que nos sentirmos deprimidos será uma questão de tempo.


Então, sempre que você sentir tristeza ao se comparar com alguém, principalmente pelas redes sociais, pense o seguinte:

- Por que estou me comparando desse jeito? Posso escolher mudar essa vibração agora?

- Eu realmente quero essa vida, essas coisas, esse tipo de família? Ou isso são padrões arraigados em meu ser?

- Peraí, eu estou comparando a minha vida inteira com uma foto, com um check-in, com um status? Isso é só uma foto, é só um check-in, é só um status. Isso não define a vida inteira de uma pessoa, é só um momento. Que grande mer... eu estou fazendo, comparando a minha vida com uma foto, com um momento.

E largue essa mania boba de comparação. Lembre-se que você é especial e único do seu jeitinho. Só que você tem que enxergar isso em você. Se você não conseguir ver todo o valor que você tem guardado nesse imenso coração, ninguém mais vai conseguir enxergar por você. E só se compare se você tiver certeza que isso vai te impulsionar e trazer COISAS BOAS, caso contrário, esqueça e vá viver a sua vida, ela é o bem mais precioso para a evolução da sua alma.


Um beijo!

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Aromaterapia: óleos essenciais para ter em casa

Não é segredo para ninguém que eu adoro aromas e fragrâncias, especialmente, quando elas são de flores, folhas e frutas. Eu amo de paixão. Gosto também de incensos, não pelo lado místico, mas pelo odor que eles emanam.

Portanto, não foi muito difícil me apaixonar pela aromaterapia. Ainda não fiz nenhum curso de especialização na área, mas pretendo fazer assim que eu terminar meu curso de especialização em Terapia Floral. Mas, eu tenho uma notícia boa pra você, para utilizar os benefícios dos óleos essenciais (OE), você não precisa fazer curso, é só seguir direitinho o modo de usar, e você vai ver os milagres que esses óleos podem fazer pela sua saúde.

Hoje, eu vou listar para você, os óleos que eu tenho em casa, e como eu uso cada um deles. Quem sabe você não se anima e começa a utilizá-los também, eu te garanto que é uma experiência muito agradável. E então, vamos lá?

Óleo essencial de hortelã-pimenta
Eu gosto bastante desse OE. O cheirinho de hortelã invade o ambiente quando você começa a usá-lo. Eu costumo utilizar o óleo de hortelã-pimenta em massagens nos pés, para ajudar a refrescar, uso como carreador um gel de aloe vera. O óleo essencial de hortelã-pimenta também ajuda a controlar enjoos. Sabe quando você acorda meio enjoado ou tem uma viagem e se entope de Dramin? Se você quiser, pode fazer um teste com OE de hortelã. Pingue uma gota do OE de hortelã em um aromatizador pessoal, no pulso ou em um chumaço de algodão e comece a cheirar. Você vai perceber que a sensação nauseante vai diminuindo aos poucos, eu já fiz o teste e comigo funcionou bem.



Óleo essencial de tomilho
O OE de tomilho tem um cheiro forte e pode não agradar todo mundo. Mas, ele é ótimo para descongestionar as vias áreas superiores. Sabe quando você está sofrendo com rinite/sinusite? Então, o óleo de tomilho pode ser um grande aliado no descongestionamento. Esse ano, eu sofri de uma forte crise de sinusite, e infelizmente tive que ser medicada com antibióticos, mas usei também, algumas terapias complementares, para passar por essa fase com mais tranquilidade. Eu fiz sessões de auriculoterapia e inalações com óleo essencial de tomilho e flores de camomila, e foi uma beleza. Em uma bacia com água quente, eu acrescentei duas colheres de sopa de folhas e flores de camomila seca (usada para chás) e uma gota de OE de tomilho. Eu cobria a cabeça com uma toalha e inalava o vapor até ir esfriando. É muito bom, para mim fez efeito depois de 03 dias. Portanto, se você tem esses problemas, eu sugiro fazer essa inalação. Só faça à noite, antes de dormir, e evite choque térmico.



Óleo essencial de tea tree (melaleuca)
Esse óleo é muito bom. Ele tem atividade antibacteriana e pode ser usado de diversas maneiras. Eu assisti uma palestra há algum tempo atrás dizendo que você pode colocar uma gota de OE de melaleuca em um umidificador de ambiente e completar com água. Inalar o vapor com OE ajudará na prevenção de sinusites, pois ao entrar em contato com as vias áreas superiores ele ajuda a eliminar as bactérias que podem estar alojadas nas narinas e seios da face. Mas, eu costumo usar esse OE na saúde bucal. Você sabia que o óleo de melaleuca é muito bom para aftas? Basta uma gotinha na afta ou gargarejo com água e uma gota de OE de melaleuca e a afta vai sarando. Você também pode colocar uma gota sobre o creme dental e escovar os dentes à noite antes de dormir, isso ajudará na prevenção de cáries, uma vez que o OE de tea tree ajuda na eliminação de microrganismos que podem causar estes problemas.



Óleo essencial de laranja doce
Sabe aquele cheirinho de infância? É isso que me vem na mente quando eu sinto o aroma do OE de laranja doce. Eu começo a imaginar aquelas abelhinhas pretas que fazem farra no nosso cabelo, sabe? Voando em torno das laranjeiras. Eu nem sei porque eu penso nisso, não me lembro de ter visto tantas laranjeiras assim nesta vida, mas essa imagem é muito forte quando eu sinto cheiro de OE de laranja.
Eu gosto de colocar esse OE em um aromatizador de ambiente, aqueles elétricos de porcelana. Pingo 10 gotas e completo o restante com água. Esse óleo ajuda a acalmar e equilibrar o nosso emocional. Você pode utilizar também em um aromatizador pessoal. Só cuidado com a exposição solar ao utilizar esse óleo, pois por ser cítrico, ele pode causar manchas na pele.



Óleo essencial de lavanda
Esse é o meu PREFERIDO. De longe, é a minha maior paixão. Eu gosto tanto de lavanda, que me imagino andando em meio à uma plantação. Quem sabe um dia, eu não vou até o Lavandário de Cunha, aqui em SP, para poder realizar o meu sonho, rs. Esse OE nunca falta na minha casa e eu ando com ele na bolsa.
Se você acompanha o blog há algum tempo, deve saber que eu sofro de ansiedade. Minhas crises já foram piores, e eu melhorei bastante com yoga, meditação e autoconhecimento. Mas, a ansiedade ainda me incomoda (eu vou começar um novo tratamento, se der certo, eu conto pra vocês aqui no blog), bom, hoje quando percebo que estou ficando enjoada por causa da ansiedade, eu pingo no pulso 1 gota de OE de lavanda e vou sentindo o cheiro até me acalmar e o enjoo passar. É um santo remédio. O uso de OE de lavanda com algumas técnicas respiratórias me ajudam muito quando eu fico ansiosa. Mas, eu uso lavanda para quase tudo, faço automassagem nos pés, pingo 1 gota na bucha vegetal do banho, pingo 1 gota no travesseiro antes de dormir. E também aplico no ambiente. Olha que receitinha mágica que vou te passar agora (aprendi com a terapeuta floral Adriana Souza), assim de graça, do meu spray de ambiente. Eu coloco em um pouco de água filtrada 10 gotas de OE de lavanda, floral de Bach Walnut e floral de Bach Rescue Remedy, coloco a solução em um frasco spray e borrifo no ambiente. Além dos benefícios calmantes da lavanda, a gente pode usufruir dos benefícios dos florais de Bach, não é o máximo?


Esses são os óleos essenciais que eu procuro sempre ter em casa. Eu espero que você tenha gostado e se anime a usá-los na sua rotina também. Você só vai ter benefícios, pode acreditar.


Um abraço!

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

A beleza em ser você

Hoje, eu escrevo este texto sentindo uma certa felicidade. Depois de anos me debatendo na correnteza dos padrões impostos pela sociedade, hoje posso sentir que sou eu mesma. E foi tão difícil chegar neste ponto, que atualmente eu agradeço cada cabeçada, cada sim dado quando a resposta deveria ter sido não, porque se não fossem esses acidentes de percurso, eu jamais sentiria essa sensação tão boa de ser eu mesma.

Tudo se tornou mais leve, quando eu aceitei quem eu sou, tudo se tornou mais leve, quando percebi que nem sempre a vida vai ser controlada por mim, tudo se tornou mais leve, quando eu delicadamente me senti bem por seu eu.

Saiba, que para ser você mesmo, você não precisa:

Ter filhos se não quiser;
Casar só porque passou dos 30 anos;
Parar de usar tênis porque não tem idade pra isso;
Arrumar um namorado para provar sua feminilidade;
Arrumar uma namorada para provar sua masculinidade;
Casar porque senão vai morrer solitário;
Amar seu emprego, só porque é na sua área de formação;
Ter carro do ano e viajar para as Bahamas;
Socializar o tempo todo, desenvolver sua comunicação, e ser mais extrovertido;
Ser a mãe perfeita;
Seguir todos os dogmas religiosos que não tem mais haver com você;

E etc., etc., etc.;



Faça uma lista dos absurdos que você já ouviu das pessoas e que nunca deixaram você expressar quem você é de verdade. Para sentir a beleza em ser você, é preciso olhar a vida de acordo com a sua essência e não de acordo com que os outros esperam de você. Pense se tudo que você é ou tem foram realmente escolhas suas, ou será que tudo isso, é uma projeção do sonho alheio em você? Quando você passa a se expressar de acordo com a sua essência, tudo se torna mais tranquilo, as pessoas certas se aproximam de você, as oportunidades certas começam a bater na sua porta, e todas as peças começam a se encaixar. Agora, você vibra em ressonância com o seu coração. Mas, tem um detalhe importante, pessoas que já não vibram na mesma frequência que você, talvez se afastem, e isso faz parte do novo começo.

Liberte-se do preconceito das pessoas, liberte-se do seu próprio preconceito. Sinta a sensação de poder ser quem você é, as escolhas, os caminhos, os gostos, as comidas, as roupas, os cheiros, todos agora guiados por você. Agora a partilha pode se tornar mais verdadeira, pois só pode dar amor quem sente amor por si mesmo.


Se você está se sentindo infeliz, avalie onde foi o ponto em que você se perdeu de si mesmo. Busque na sua memória, onde ocorreu essa perda. No relacionamento, no trabalho, nas amizades, na pressão familiar? Depois, feche os olhos e respire algumas vezes, fique em silêncio, e deixe a voz do seu coração te responder. Agora, que você já sabe que você não precisa seguir padrões para ser alguém, liberte-se das algemas que outros prisioneiros colocaram em você, solte-se e ajude o mundo a se libertar também, não é fácil, mas é possível, uma ajuda e um pouco de treino podem te ajudar. Afinal, como dizia o poeta Edward Estlin Cummings:

“O desafio mais difícil é ser você mesmo em um mundo que sempre tenta transformá-lo em outra pessoa.”


Abraços

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Livro Comunicação não violenta – Técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais

Eu terminei de ler o livro “Comunicação não violenta – Técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais” – Marshall B. Rosenberg.
Eu achei o livro bem interessante e ao mesmo tempo me senti um pouco confusa também em relação à prática da comunicação não violenta. Eu utilizei outros materiais para me ajudar a entender melhor a Comunicação Não Violenta, e acho que eles foram muito proveitosos, por isso, irei compartilhar com você também, caso você, assim como eu fique um pouco confuso. São dois vídeos que estarão expostos no decorrer do texto. Então aproveite!

O livro afirma que a CNV (Comunicação Não Violenta) se baseia em habilidades de linguagem e comunicação e é composta por quatro elementos que são:
1. Observação;
2. Sentimento;
3. Necessidades;
4. Pedido;

Eu achei interessante, essa etapa de observar os sentimentos e necessidades que estão impressos no diálogo, muitas vezes, reagimos ao que nos é comunicado de uma forma muito mecânica, nem ao menos observamos com calma o que o outro acabou de dizer e formulamos uma resposta muitas vezes baseada na defesa e não avaliamos os sentimentos e necessidades do outro e muito menos as nossas. Tem uma passagem do livro que achei muito boa:

“ Uma das muitas coisas que aprendi com meu avô foi a compreender a profundidade e a amplitude da não-violência e a reconhecer que somos todos violentos e precisamos efetuar uma mudança qualitativa em nossas atitudes. Com frequência, não reconhecemos nossa violência porque somos ignorantes a respeito dela. Presumimos que não somos violentos porque nossa visão da violência é aquela de brigar, matar, espancar e guerrear - o tipo de coisa que os indivíduos comuns não fazem.”



Ao ler este trecho, entendi o meu equívoco em relação à CNV, eu achava que a comunicação não violenta seria não gritar, não falar palavrões, não ser grosseiro, entre outros, mas é muito mais do que isso. Ao avaliar as situações diárias, é possível perceber que nem sempre nos comunicamos com empatia e compaixão, e simples perguntas e respostas podem ser capazes de criar problemas de relacionamento. Foi interessante, constatar que eu tenho muito a melhorar na minha forma de comunicação. A CNV propõe que usemos da empatia ao escutar o próximo, tendo uma maior profundidade ao escutá-lo.

Eu compartilhei esse vídeo na página do Facebook do blog, e vou republicar aqui também, ele me auxiliou bastante a entender essa questão da empatia na comunicação.



De acordo com Marshall B. Rosenberg, nós aprendemos a nos comunicar de uma maneira que nos estimula a rotular, comparar, exigir e proferir julgamentos, ou seja, não aprendemos a perceber o que sentimos e quais são as nossas necessidades naquele momento. Dessa forma, agimos sempre classificando e julgando pessoas o que acaba por estimular a violência. Portanto, o grande objetivo da CNV é estabelecer um relacionamento baseado na sinceridade e empatia.

À principio, quando você começa a ler o livro e entrar em contato com as ideias do autor, parece que praticar a CNV é uma coisa falsa, parece uma forma de manipulação, mas logo, é perceptível que o objetivo é outro. Como o próprio autor diz no livro “O objetivo da CNV não é mudar as pessoas e seu comportamento para conseguir o que queremos, mas, sim, estabelecer relacionamentos baseados em honestidade e empatia, que acabarão atendendo às necessidades de todos.”


É um livro que vale a pena, mas pelo menos para mim, foi preciso me apoiar em outros materiais e em alguns vídeos que explicavam o assunto. Desde então, eu tenho tentado ser mais empática em relação ao outro e em relação a mim mesma, mas confesso que não tem sido algo muito fácil de se praticar, porque você precisa remodelar todo um sistema com o qual você já se acostumou, porém, vale a pena tentar.
Vou encerrar este post com um vídeo da Carolina Nalon sobre esse assunto. Esse vídeo foi muito esclarecedor para mim e ajudou a complementar as ideias do livro. Eu sugiro que você assista para poder entender melhor.




Abraços!