segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Você quer ser igual aos outros?

Eu assisti um dia desses o filme “É fada” com a youtuber/atriz Kéfera Buchmann e a atriz Clara Castanho. O filme tem uma história bem sessão da tarde, mas o objetivo aqui não é avaliar o filme, se é bom ou ruim, e sim um tipo de comportamento muito comum na adolescência, mas que algumas vezes persiste durante a idade adulta.

Você já quis ser igual aos outros?


Ter o mesmo cabelo, usar a mesma roupa, ter o mesmo carro, comer no mesmo restaurante, viajar para os mesmos lugares, ter o mesmo tipo de relacionamento que outras pessoas com o objetivo de ser aceito? Com o objetivo de fazer parte daquele grupo, mesmo que no fundo você saiba que isso não tem muito haver com você?

Na adolescência isso é muito comum, pois essa é aquela fase que não definimos direito nossa identidade e nos sentimos meio perdidos em meio ao turbilhão hormonal que mexe com o nosso corpo físico e emocional. Mas, e quando essa característica continua andando conosco durante a idade adulta, a insegurança de ser você mesmo, o medo de não ser aceito do jeito que é, você começa a usar máscaras e se blindar para poder fazer parte daquele grupo, para poder ter amizade com determinada pessoa.

Mas, qual é o porquê de tudo isso?

Por que será que você está buscando ser como o outro? Você já parou para pensar nisso?

Essa “amizade” que te força ser alguém que você não é, é saudável para você?
Esse “relacionamento” que te faz usar uma máscara e se apresentar como outra pessoa está te fazendo bem?


Qual é o preço que você está pagando para ser igual à outra pessoa?

No filme, a personagem da atriz Clara Castanho começa a se sentir infeliz quando passa a mudar para se sentir aceita, e como consequência a vida dela vira de cabeça para baixo, só quando ela assume para si mesma que é legal ser do jeito dela, gostar de RAP, usar roupa larga, é que ela se sente mais feliz. Isso me fez pensar em todas as vezes que eu tentei também ser alguém que eu não era, nas vezes em que me anulei para agradar um amigo, namorado, uma turma (essas últimas palavras aqui me lembraram o nome de uma atriz, Uma Thurman, rsrs, eu e a minha mente que gosta de fazer links, rsrs)...enfim, quem nunca fez isso sequer uma vez que atire a primeira pedra.

Por isso, eu quero te convidar a refletir sobre o porquê de você querer ser igual aos outros, pois na maioria das vezes, o preço que se paga é muito grande e a conta vem recheada de tristeza, solidão, depressão. Poxa, vida! Vamos aceitar as pessoas do jeito que elas são e o mais importante, vamos nos aceitar do jeito que somos, e se no meio desse caminho percebemos que fulano ou sicrano não tem nada haver com a gente, a gente se afasta, com cuidado, sem medo, sem remorso, e vamos com certeza, encontrar pessoas  que estão vibrando na mesma sintonia que a gente, pessoas que não nos exigirão uma fantasia, pessoas que enxergarão a beleza nelas e a beleza na gente. Detalhe, existe gente assim, viu, mas para elas chegarem até você, você precisa ser como elas, você precisa cultivar essas características em você, ver a beleza em si mesmo e acreditar que semelhante atrai semelhante. 


E aí, quer assumir quem você é? Com seus medos, defeitos e qualidades, ou vai continuar vestindo essa fantasia, que esconde a sua beleza e a sua essência?

Vou deixar o trailer do filme, caso você se interesse em assistir

Bom, isso é só uma sugestão, com base nas minhas experiências de vida, segui-la ou não, será sempre uma escolha sua.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Yoga ao acordar

Você acha que uma prática de yoga deve ser feita sempre com incensos, em um ambiente calmo e tranquilo? Você acha que a prática deve ser sempre de pelo menos 1 hora para que você possa colher os benefícios? Se você puder praticar desse jeito, é muito bom e altamente recomendável.

Bom, realmente seria ótimo se todos nós pudéssemos sempre praticar yoga nessas condições. Mas, nem sempre isso é possível, e você não precisa desanimar e deixar de fazer a sua prática só porque acha que não tem condições ideais para praticar, só para você ter uma ideia, quando o Professor Hermógenes começou a praticar yoga, ele fazia as ásanas no chão do banheiro (clique aqui para saber mais). Os benefícios da prática de yoga tem mais haver com a frequência que se pratica do que com a duração da prática e com o ambiente. Portanto, práticas diárias de 20 minutos podem ser mais benéficas do que uma prática semanal de uma hora. Você sabia disso?

Agora que você já sabe que tal incorporar uma prática diária de yoga na sua rotina logo cedo. Eu tenho praticado yoga todos os dias pela manhã, e tenho sentido alguns benefícios, tanto no nível físico como mental. Você vai precisar acordar um pouquinho mais cedo, mas eu te garanto que esse esforço valerá a pena. Você pode fazer inclusive algumas posturas na cama, antes de levantar.




Vou detalhar para você como é uma parte da minha rotina e te dar algumas sugestões de práticas que eu tenho feito e tenho adorado. Vamos lá?

- Coloque seu despertador para despertar pelo menos meia hora antes do horário habitual. Se você costuma levantar às 06:00 hs da manhã, passe a levantar às 05:30 hs. No começo, pode parecer difícil, mas lembre-se que esse é um compromisso que você estará fazendo com a sua saúde, logo a prática se tornará um hábito. Força e vá em frente!

- Eu tomo um pouco de água antes da prática, pra mim tem sido muito bom. Se você achar que para você é benéfico, torne isso um hábito diário. 

- A prática da manhã deve ser suave e tranquila. Você pode inclusive fazer algumas posturas ainda deitado na cama, como a postura da criança, torções, postura da pinça. Só se atente à densidade de seu colchão, pois se ele for muito “mole”, ele poderá prejudicar o alinhamento de suas posturas.


Via Pinterest

- Se você decidiu levantar da cama (isso é muito bom, parabéns). Eu sugiro para você algumas posturas que você pode realizar durante 20 minutos e que irão trazer bem-estar para todo o seu dia, e se situações ruins aparecerem você saberá lidar com elas com mais paciência. Neste caso, a auto-observação é importante.

Para começar agora :)

Via Pinterest

Via Pinterest

Vou deixar aqui também duas sugestões de vídeos para a prática matinal de dois canais no youtube que eu recomendo muito. Seria interessante você fazer a sua inscrição nestes canais e acompanhar as novidades sobre a prática de yoga.



Espero que você tenha gostado das dicas. Boa prática!

domingo, 7 de janeiro de 2018

Pessoas boazinhas: Não diga sim quando quer dizer não

No vídeo de hoje, eu vou compartilhar com você como eu percebi que era uma pessoa boazinha e como eu estou conseguindo sair desse padrão de comportamento.


terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Nunca mudar. Será que isso é possível?

Tem um filme que vive repetindo na TV por assinatura, e sempre que eu consigo, eu o assisto novamente, chama-se “Um Senhor Estagiário”. É um filme estrelado pelo Robert De Niro e pela Anne Hathaway, eu particularmente, acho um filme leve, mas bem legal. Vale a pena assistir se você ainda não viu.

Uma das coisas que me chamou atenção (isso só aconteceu porque já assisti mais de 3 vezes, rs) foi um diálogo entre a personagem da Anne Hathaway (Jules Ostin) com o personagem do Robert De Niro (Ben Whittaker) no quarto de hotel em São Francisco. Jules está falando sobre os problemas em seu casamento e pergunta a Ben sobre sua falecida esposa, ele responde o quanto a amou e outras coisas bonitas sobre o casamento dos dois, e logo diz uma frase que me fez pensar um pouco, ele diz que a falecida esposa fez uma coisa muito difícil durante os anos de convivência, ele diz que ela nunca mudou. Só lembrando que a mensagem do filme não é essa, na verdade, ele tem uma história muito bacana, essa foi apenas uma frase aleatória que me chamou a atenção.

Essa frase me fez pensar nessa questão: Será possível nunca mudar? Será que mesmo com o passar dos anos é possível ser sempre a mesma pessoa, com o mesmo olhar para todas as situações?


Eu acredito que não, e não acho que nunca mudar seja uma característica totalmente positiva (amo o filme, mas discordo dessa visão, e tenho uma outra explicação para isso, que mais abaixo compartilharei com você). Nós mudamos o tempo todo, mudamos de opinião, de roupa, de cabelo, mudamos com a chegada dos filhos, mudamos quando mudamos de casa, de bairro, mudamos de diversas formas e maneiras, e não acho legal ser alguém que nunca mudou. A lua muda de fases, as estações do ano não são as mesmas o ano todo, as flores morrem e renascem diferentes, por que nós teríamos que ser sempre iguais?

Vejo pessoas cobrando das outras diversas coisas, e dizendo: “Você mudou”. É claro que mudou, e seu olhar sobre essa pessoa acompanhou a mudança dela? Será que você que reclama que o marido mudou, que a esposa mudou, que o amigo mudou, já parou pra olhar essa pessoa com mais carinho, mais pausadamente? Não querer que alguém mude em determinado aspecto, é achar que essa pessoa te pertence, é querer algemá-la no seu gosto. Todo mundo muda, o tempo todo, e isso não é ruim. Se a mudança fez com que essa pessoa não tenha mais afinidade com você, liberte-a então, mas não queira colocá-la numa forma e deixá-la do mesmo jeito ao longo dos anos. Se não é mais compatível com você, adeque seu olhar, ou procure outros caminhos. Aprenda a mudar também.

Trailer - Um Senhor Estagiário

Sabe o que eu acho de verdade sobre esta frase do filme? Eu acredito que a esposa do Ben mudou sim ao longo dos anos, mas o amor que ele sentia por ela, o ajudou a ajustar o foco e a visão sobre a esposa, ele ajustou as mudanças ao seu olhar, e assim, teve a impressão de que ela nunca mudou. Mas, provavelmente, ela e ele mudaram, e foram ao longo dos anos ajustando o olhar um para o outro. Então, sim, sua esposa vai mudar, seu marido vai mudar, seus amigos vão mudar, seus pais, seus irmãos, seus filhos vão mudar, você vai mudar, e o seu olhar sobre eles e sobre você, vai mudar também? Que tal ajustar esse olhar sobre o outro e sobre si mesmo? Olhar com calma para as mudanças, analisar se elas são positivas ou negativas, como elas te afetam, é algo importante a ser feito. Afinal,  o quanto você também mudou? Os anos passam amigo, e como diz o Lulu Santos: “Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia.”




Um ótimo ano pra você!

domingo, 31 de dezembro de 2017

Yoga e flexibilidade

Oi, pessoal!

Tem vídeo novo no canal. Hoje vamos conversar um pouco sobre yoga e flexibilidade.




Espero que você goste, e se gostar não esqueça de deixar o seu like e se inscrever no canal.

Feliz 2018!!!

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

O ano está acabando

Antigamente, eu ficava doidona com essa euforia de fim de ano, compras de Natal, almoço, jantares, presentes, metas realizadas, metas não realizadas, hoje, eu encaro tudo com mais simplicidade. Óbvio, que respeitando as pessoas que pensam diferente. E sim, eu participo dos almoços e compro presentes, mas já não identifico aquele peso de outrora.

É muito comum, nessa época, começarmos a pensar nas coisas que aconteceram em nossas vidas e também naquelas que não aconteceram. Lembramo-nos de entes queridos que nos deixaram, daquele amor que resolveu florescer em outro terreno, dos filhos que saíram de casa, na grande maioria das vezes nos lembramos das coisas negativas que aconteceram e afirmamos para nós mesmos que o próximo ano será diferente.


Essas épocas festivas inclinam nosso olhar para a possibilidade de renovação. O simbolismo no nascimento de Cristo nos coloca de frente com o nosso Cristo interno que nasce em todo final de ano, é aquela centelha que nos diz que ainda há esperança de ser, de crescer, de realizar. Para mim, esse ano de 2017 teve fatos negativos, perdi gente querida, me desiludi, não alcancei tudo o que defini, porém, aconteceram coisas positivas, terminei a pós- graduação, comecei um curso de formação em terapias, fiz novos amigos, reformei minha casa. Assim foi, assim é...

Não se cobre demais, se você não conseguiu aquela vaga na faculdade, se aquele amor não te deu chance, se aquele emprego não deu certo, não se cobre demais pelo filho que ainda não veio, não se cobre demais por tudo que já te cobram externamente. Vá agora de encontro com a sua essência e encontre a renovação nela. Seja você pra você neste novo ano que virá. E se lá no final de 2018, as coisas não estiverem como você planejou em 2017, repense, pense, sossegue e deixa o fluxo seguir, dê passagem para a vida fluir em direção ao novo. Comemore se gostar, mantenha-se recluso se isso se alinhar com a sua alma, mas mantenha-se em equilíbrio com você, não olhe para o barulho de fora, não olhe para a multidão que se aglomera, olhe para o Cristo que renasce, a esperança que nasce em busca da renovação.



Lembre-se, sempre é tempo de repensar e recomeçar... Dezembro é só um marcador que nos obriga a pensar no novo, mas você tem a liberdade de sentir a renovação crística em qualquer época, em qualquer dia, em qualquer idade, afinal, Ele está o tempo inteiro vivo em você.  

Um ótimo final de ano!!!

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

70, 70, 70...depois 60

O título do post de hoje é na verdade uma brincadeira que um colega de curso fez uma vez quando trocávamos telefones para iniciarmos um trabalho em grupo. Uma das participantes do grupo perguntou o número dele e ele respondeu: “70,70,70...depois 60.” Espero que você tenha entendido, mas se ainda não pescou o peixe, é uma alusão ao tentar, tentar, tentar e depois sentar e esperar.

Mas, o que eu quero te dizer com toda essa história? Eu perdi inúmeras oportunidades na minha vida por ter tido medo de tentar, medo de ser criticada, medo do que as pessoas poderiam pensar ao meu respeito. Perdi possíveis amores, oportunidades de trabalho, perdi o ônibus e o metrô, e perdi o rumo. Mas, uma vez ouvi a Flávia Melissa dizer que “quando você percebe que se perdeu é porque agora você se encontrou”, e isso fez muito sentido pra mim, depois que comecei a meditar, o medo se tornou algo menos poderoso em minha vida, medo de me decepcionar, ainda tenho mas sigo em frente, aprendi que a decepção é libertadora, medo de sofrer, ainda tenho, mas continuo o caminho, é só mudar o olhar e a perspectiva sobre a situação, e tudo muda novamente.


Se você quer tentar alguma coisa, vai lá, manda ver. Se o resultado não for o esperado está tudo bem. Desde que eu comecei o blog, eu convidei diversas pessoas para compartilhar experiências de vida, experiências profissionais e adivinhe, eu recebi respostas positivas de alguns (a vocês sou eternamente grata), recebi respostas negativas de outros, e diversas vezes, fiquei literalmente no vácuo, sem respostas, e já teve vezes de pedir uma sugestão para alguém e tomar uma bordoada (bordoada elegante, mas bordoada, rs) e está tudo certo. Hoje eu me permito tentar, e mesmo que a resposta seja negativa, há uma sensação de plenitude que vem com aquela famosa frase: “Pelo menos, eu tentei.”

Quer um emprego novo, vai lá, tenta um contato, manda um currículo.
Quer conhecer melhor uma pessoa, vai lá, manda uma mensagem, convida para um café, cerveja, açaí com kiwi.
Quer começar um empreendimento, vai lá, no banco, conversa com o gerente sobre a possibilidade de empréstimo, vai no Sebrae.
Quer começar a estudar, vai lá, pesquisa cursos, escolas, mensalidades.
Quer começar a cuidar da saúde, vai lá, ao médico, faz exames, academia, meditação e yoga.
Quer começar a tocar numa banda, vai lá, compra uma bateria, vai fazer aulas.
Quer correr uma maratona, vai lá, se prepara, se organiza e corre.
Quer começar o que? Vai lá e faz.


Se não der certo, muda o rumo. Ajusta o leme e a direção e se coloque novamente no caminho. Ninguém te deve nada, Deus não te deve nada, é você que se deve...Que se deve dar a oportunidade de tentar e ser feliz, mas e se... O e se, é só uma possibilidade, e você não vai querer viver sua vida preso nessa possibilidade incompleta, vai lá, tenta, manda ver, deu errado, começa de novo, de outro jeito, com outra pessoa. Sempre tem um caminho, uma solução.

Você já assistiu ao filme “A vida secreta de Walter Mitty”? Se ainda não, eu sugiro que você assista, ele ajuda a complementar a ideia desse texto.


Desejo toda a sorte do mundo pra você!