quinta-feira, 16 de março de 2017

Como sair da energia negativa de um dia ruim

O que fazer quando nós temos um dia ruim, seja no trabalho, seja em um compromisso, no trânsito ou até em casa? Você pode amaldiçoar o seu dia, seu chefe, o carinha do carro que jogou lama em você no dia de chuva, pode falar mal, pode chutar o pau da barraca e ter um dia de fúria. Mas, você pode tentar ir pelo caminho contrário.

Primeiro, eu quero te explicar que você pode perfeitamente sentir raiva, frustração, vontade de dar na cara de um, mas você deve sentir e depois dissipar o sentimento. Sentir a raiva, a tristeza e os outros sentimentos não tão bons faz com que você consiga transmutá-los mais rapidamente.

Uma vez, eu estava assistindo uma parte de um documentário sobre o professor Hermógenes, e alguém citou que leu em um dos livros do professor que nós devemos ser como um rio, que quando alguém atira uma pedra, a superfície se agita, mas o interior continua estável e logo volta ao normal.

Mas, como voltar ao normal?



Eu sempre dou esta dica aqui, a meditação, é uma das melhores formas de se buscar o equilíbrio. Tente pelo menos 10 minutos diariamente. Você vai ficar nervoso, sim, vai ficar triste, sim, mas vai aprender a dissipar estes sentimentos mais rapidamente.

Além da meditação, tem algumas dicas bem legais que eu tenho me habituado a fazer quando eu tenho um dia ruim, eu vou sugerir algumas para você, e você escolhe aquela que mais te agrada e pode começar.

Comer um doce bem gostoso
Se você não for diabético, você pode depois de ter um dia infernal, comer uma sobremesa bem gostosa, pode ser aquele pedaço de bolo, aquele sorvete cheio de chocolate e avelã, aquela bomba de chocolate. Faça isso, sentindo o sabor do doce, focando no presente e tentando deixar para trás tudo de ruim que você viveu. Eu só espero que você intercale as dicas e não tenha tantos dias ruins, porque nesse caso, virar uma bolinha comendo doces é questão de tempo. Isso deve ser de vez em quando, hein!



Caminhar na natureza
Teve um dia ruim em casa, no trabalho? Vá caminhar, passeie em um parque na sua cidade, se não conseguir, tente encontrar um local onde a natureza está presente, concentre-se nela, em seus barulhos, em seu cheiro e vá transmutando a raiva.

Tomar um banho morno com óleos essenciais
Você pode chegar em casa, ligar o chuveiro, e deixar a água cair sobre você,  quentinha. Feche os olhos e sinta a água. É legal colocar também na bucha de banho de 3 a 4 gotas de algum óleo essencial de sua preferência, lavanda e capim limão são ótimos. Quando você sair do banho já vai se sentir outra pessoa.

Não ficar reclamando o tempo todo
É bom reclamar, né. Eu sei disso. Eu adoro reclamar para minha mãe, coitada, que meu dia foi ruim, que eu não aguento mais, etc, etc, etc. Até que um dia, ela chorou, se sentindo culpada pelas minhas reclamações. Foi difícil. E neste momento, eu aprendi, que eu fui responsável pelas minhas decisões, e se hoje, eu ainda não estou vivendo a vida que eu quero, isso é minha responsabilidade, e eu preciso mudar. Quando eu estou triste, chateada e com raiva, eu só comento se for algo muito irrelevante, senão eu pratico uma das dicas que estou dando aqui e tento esquecer. E vou mudando meus caminhos para chegar onde eu quero.

Faça um exercício aeróbico
Yoga é ótimo, eu pratico e recomendo. Mas, às vezes, nós precisamos dar uma extravasada, suar, cansar, dissipar a energia. Faça um treinamento aeróbico, pode ser em casa mesmo, eu tenho feito treino HIIT 20 minutos, 3 vezes por semana, e depois faço uma aula de dança de 20 minutos. Tudo em casa, de graça e online. É muito bom, e ajuda a liberar a energia que fica parada. Eu recomendo que você assine um canal do youtube chamado “Exercício em casa”, eu faço os treinos através dos vídeos desse canal. Vale a pena.



É isso, essas são algumas coisas que eu incorporei na minha vida, quando eu estou de saco cheio. Ao invés de só reclamar e ficar parada, é melhor partir para a ação. Você tem uma escolha, se você quiser mudar, depende de você.

Se você gostou das dicas, compartilhe. Gratidão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário