segunda-feira, 22 de julho de 2019

O sonho, os lobos e os nossos medos

Eu vou compartilhar com você, um sonho que tive recentemente e que acabou me fazendo refletir sobre os nossos medos e a importância que damos para eles.

Eu tive sonho em que eu estava num local com algumas pessoas, que para mim são desconhecidas, mas no sonho parecia que nós tínhamos afinidade. Era um local de trabalho, em uma área de mata, bem parecido com esses filmes em que os pesquisadores tem laboratórios no meio do nada. No sonho, uma coisa que me apavorava muito era dar de cara com um lobo. E o pior sempre que eu imaginava os lobos, eles invadiam o local e todos nós tínhamos que sair correndo, com medo. A sensação era de medo e de que algo ruim iria acontecer.



Como a grande maioria dos sonhos, eu mudei de lugar. De repente, eu estava em uma sala de aula com vários alunos adolescentes, mas eu não era a professora, e uma das alunas, bem jovem, estava discutindo com a professora, sendo agressiva. Então, a professora olhou para mim e disse: "Eu não sei mais o que fazer."

Eu me dirigi à garota, ela se levantou e eu perguntei para ela o que estava acontecendo. No sonho, ela que estava agressiva, tornou-se dócil e me disse que o medo dela estava assombrando-a. No sonho, ela me dizia o medo, mas eu não consigo mais lembrar o que era. Só me lembro de ter tido para ela, as seguintes palavras:

"Uma vez, eu fui fazer um trabalho e eu tinha muito medo dos lobos, e quanto mais eu pensava nos lobos, mais eles apareciam para mim. Os lobos são como o seu medo, quanto mais você foca neles, mais eles crescem e aparecem para você. A questão é o foco."



Acordei, e fiquei pensando nas palavras, nos meus medos atuais e no quanto eu ando focando neles. Acredito que esse sonho foi um aprendizado para mim e pode ser para você também.

O quanto você tem focado em seus medos?
O quanto você tem focado em resultados e esquecido do processo?
Já pensou que a agressividade pode esconder algum medo?

Eu digo isso, porque eu mesma, sou viciada em focar nos resultados, em ver logo a materialização daquilo que tanto quero, mas também acabo focando no que não quero, no medo do fracasso, no medo de não dar certo, no medo de adoecer, no medo de perder, no medo de não ser aquilo que desejo.

Esse sonho, de certa forma, me convidou a viver o processo. Abrir mão do controle, parar de focar nos lobos, no medo, e deixar acontecer, e também para pensar na questão da agressividade e nos medos que podem estar escondidos atrás dela.

E você, qual é o seu lobo? Conta para mim nos comentários. No que você precisa parar de focar para viver mais tranquilo/tranquila?

Espero que você consiga!

Até o próximo post!

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Escrita terapêutica - O que escrever

Eu já falei sobre escrita terapêutica algumas vezes aqui no blog - clique aqui para ler sobre o assunto - e já disse que essa é uma prática que faz parte da minha vida, e em geral, eu recomendo para as pessoas. Porém, uma das coisas que às vezes ouço é: "Mas eu não tenho ideia do que escrever."

Pode ser que esse pensamento de não saber o que escrever, ou até o branco que pode ocorrer durante o processo sejam causados pela dificuldade em descrever os sentimentos, ou até pelo desconforto de fazer a análise dos próprios sentimentos. A escrita terapêutica está muito relacionada com a nossa própria capacidade de avaliação, e é bem diferente de uma terapia, pois na terapia, ocorre a reciprocidade na comunicação, e ao escrever ali está você consigo mesmo, e em geral, isso pode causar desconforto em algumas pessoas, porém, é melhor sentir um certo desconforto agora e crescer, do que ficar estagnado no mesmo ponto, não é mesmo?



Pensando nestas pessoas que muitas vezes se sentem perdidas ao começar a escrita terapêutica, eu resolvi descrever para você como é o meu processo de escrever por etapas. Assim, você pode fazer um guia para facilitar sua prática, utilizando as etapas que falei no vídeo. Então, se você ainda não começou a escrever como recurso terapêutico porque não sabia como iniciar, essa é a sua chance de facilitar a prática e aprender a entender os próprios sentimentos. É só assistir o vídeo abaixo, vamos lá!



Eu uso bastante a escrita terapêutica, tanto em momentos ruins como em momentos bons. Nos momentos bons uso como forma de agradecimento, e também gosto bastante. Tente criar o hábito de escrever as coisas ruins, mas também as boas. Focar no que é positivo também ajuda no processo de autoconhecimento.

Essas foram as minhas dicas para você começar a escrever. Espero que você goste também de praticar escrita terapêutica e que isso se torne um hábito positivo para você também.

Até mais!

segunda-feira, 15 de julho de 2019

05 sinais que demonstram que você precisa aprender a impor limites

Eu confesso que durante muito tempo, eu falhei demais ao tentar impor limites. Já tolerei comentários desrespeitosos de parentes, amigos, namorado. Eu me calava e ficava com um nó na garganta, tentando evitar o choro que parecia iminente.

Foram muitas e muitas vezes. Aprender a impor limites, dizer o que penso foi algo que veio com o tempo, na verdade, veio com o autoconhecimento (terapia floral, yoga, meditação). Claro, que isso é um processo, e nem sempre eu acerto o alvo em 100%, cometo deslizes e estou sempre observando-os para ver o que posso aprender com eles.




Hoje, eu vou compartilhar com você alguns comportamentos que eu tinha, que são claros de pessoas que não sabem impor limites. Vez ou outra, alguns comportamentos antigos até retornam, então fico consciente deles (assista esse vídeo sobre o assunto - Autoconhecimento e Mudanças) e eu vou trabalhando em mim mesma para ver como posso me desconectar do padrão antigo. Quer saber quais são esses comportamentos? Então continue a leitura.

1- Você não consegue expor seu sentimento quando se sente maltratado(a)
Não sei se já aconteceu com você, mas sabe aquela sensação de querer verbalizar algo e não conseguir? Principalmente verbalizar algo que te feriu? Pois é, quando estamos vivendo relações em que não conseguimos expor nossos sentimentos de forma clara e objetiva, pode ser que estejamos falhando em impor limites. Hoje em dia, quando não falo o que estou sentindo começo a ficar enjoada, e enquanto não pergunto ou exponho minha opinião ou dúvida sobre algo que me incomoda eu não melhoro. Antigamente, guardar tudo era normal para mim, hoje em dia, é como se eu me sentisse desrespeitada. Preciso falar, perguntar, e se eu postergo em fazer isso, sinto sintomas físicos, como o enjoo que citei acima... Se você está em uma fase em que não consegue expor o que está sentindo para quem te desrespeitou, talvez seja um sinal de que você não está conseguindo impor limites.

2- Você se doa demais
Faz isso para mim?
Me empresta aquela roupa, aquela quantia em dinheiro?
Cozinha para mim?
Lava para mim?
Chega mais cedo?
Sai mais tarde?
Vem na minha casa?

E você está SEMPRE respondendo as solicitações dos outros. Uma vez ou outra, tudo bem, faz parte cozinhar a comida que o marido gosta, faz parte entrar algumas vezes mais cedo no trabalho, faz parte emprestar um dinheiro para um parente que está no sufoco, mas não faz parte tornar isso um hábito. Você vai se doando, doando, vão sugando, tirando, minando as suas forças e energia, e você não consegue dizer não. Outro sinal de falta de limites. Então, é preciso rever esse comportamento, principalmente se depois de tudo isso, você está cansado(a), exausto(a) e triste.


3-Você concorda quando gostaria de discordar
Eita, que eu era mestre no sinal número 3.
Eu perdi as contas de quantas vezes, concordei só para ser aceita, mesmo discordando.
Se você tem esse hábito, talvez seja hora de procurar entender o que pode estar por trás desse comportamento. No meu caso, eu tinha medo que as pessoas falassem mal de mim ou deixassem de gostar de mim, era necessidade de ser aceita, e você? O que será que está obscuro nessa falta de limite, hein?

4-Você se preocupa demais com o que os outros pensam sobre você
Se você se preocupa demais com o que os outros pensam, significa que você está vivendo em função dos outros, e se você vive em função dos outros, você, inevitavelmente se comportará de uma forma que atenda aquilo que os outros pensam, e se comportar do jeito que os outros pensam que é o certo, pode ferir sua essência e assim estabelecer relacionamentos que não são saudáveis, e portanto, impor limites será algo raro na sua rotina. Se você está muito preocupado(a) com a opinião alheia, é provável que você aja sempre assim: 

Preocupação com a opinião alheia = Tenta agradar todo mundo = Falta de limites

É importante, perceber que em geral, pessoas que tentam agradar tem uma dificuldade muito grande em impor limites. Fique atento!

5- Você só atrai para sua vida pessoas que tentam te manipular/controlar/dominar
Você já leu ou ouviu a frase: "Você não atrai aquilo que você quer, você atrai aquilo que você é"
Pois bem, se você é uma pessoa que tem dificuldade em impor limites, você vai atrair para sua vida pessoas que não sabem respeitar limites. Elas virão para confirmar o seu comportamento. Então, observe como está o seu circulo de relacionamentos. Existem mais pessoas que te respeitam ou que te desrespeitam? Talvez, você esteja constantemente lidando com pessoas manipuladoras, controladoras e dominadoras porque está emitindo um sinal (sua vibração) de que você não sabe impor limites, e aí, é fogo, porque é mais disso que você terá em sua vida, até se tornar consciente e decidir mudar esse padrão.


"Até você se tornar consciente, o inconsciente irá dirigir a sua vida e você vai chamá-lo de destino." Carl Jung

E então, se identificou com algum sinal?
Conta para mim como é essa questão na sua vida.

No próximo post eu vou compartilhar com você algumas dicas de como impor limites, então se você se identificou com esse post ,se liga no próximo.

Até mais!!!





quarta-feira, 10 de julho de 2019

Como lidar com a rejeição

A rejeição pode ser um assunto dolorido para muitas pessoas, pois acredito que ninguém gosta de ser rejeitado ou rejeitada, seja em uma oportunidade de emprego, seja por um possível parceiro amoroso, por um amigo, enfim, a rejeição acaba tendo uma carga muito negativa podendo acontecer em várias áreas da vida e em qualquer momento.

Em geral, nós costumamos enxergar a rejeição muito negativamente, o que pode causar muito mais sofrimento. Pois podemos começar a questionar o nosso valor, achar que fizemos algo errado, minando assim a autoestima. Há algum tempo, eu lido com a rejeição de uma forma bem mais tranquila, isso não significa que eu não fique chateada quando ela acontece, até fico, mas ao mudar a forma de pensar, comecei a perceber que essa chateação dura bem menos tempo, não impactanto tanto na minha vida de um modo geral.




No vídeo abaixo, eu falo um pouco mais sobre isso, então se quiser assista ou continue lendo este post. Vamos lá!


1 - Mude a forma de entender a rejeição
Para mim mudar a forma de entender a rejeição foi algo transformador, e eu passei a enxergá-la de uma forma diferente a partir de algo que ouvi no canal da Marie Forleo. Em um vídeo de perguntas e respostas, uma moça perguntou como ela poderia lidar com a rejeição já que estava sendo constantemente rejeitada em oportunidades de trabalho. O cabeleireiro da Marie respondeu que ele lida com a rejeição, pensando que: "Rejeições da vida são proteção de Deus".

Essa é uma forma interessante de pensar, muitas vezes queremos muito algo que achamos que será bom para gente, porém, aquilo pode ser uma grande furada. Pensar que a rejeição sofrida pode ser uma proteção ajuda muito a lidar mais tranquilamente com a situação, afinal o Plano Divino sempre sabe de tudo (pelo menos eu acredito nisto) e como diz uma frase famosa do Dalai Lama: "Às vezes não conseguir o que se quer é uma  tremenda sorte."

2- Não se defina pelo momento
Muitas vezes quando sofremos uma rejeição nos limitamos pelo momento, questionando o nosso valor e damos para o outro o poder de decisão sobre quem nós somos. Tem uma frase do Carl Jung que eu gosto bastante que diz o seguinte: "Eu não sou aquilo que me acontece, eu sou aquilo que decido me tornar." Essa frase ajuda muito a não nos definirmos pelo momento, e sim por aquilo que conscientemente escolhemos ser.

É muito importante pensar também que muitas vezes a rejeição não diz respeito somente a quem a sofre, talvez a pessoa que te rejeitou apenas não sentiu afinidade com você, e isso não a torna melhor nem pior do que você, e muito menos define o seu valor, então não se limite à uma situação da sua vida. Compreenda e viva aquilo que você quer ser, escolhendo conscientemente pelo melhor. Pense nisso!

3- Entenda o viés da negatividade
O viés da negatividade pode ser entendido como a tendência do nosso cérebro em focar mais no negativo do que no positivo. Por exemplo, se você sofreu uma rejeição, e isso foi doloroso emocionalmente para você, é possível que seu cérebro foque muito mais na rejeição sofrida, fazendo com que você ative uma espécie de sistema de defesa. Assim, você ficará sempre pensando nos acontecimentos negativos que a situação te trouxe. Por exemplo, alguém te rejeitou e você ficou com medo que isso aconteça novamente, isso faz com que você não arrisque uma aproximação com outra pessoa, que sinta ansiedade ao ir em uma entrevista de emprego pensando numa possível rejeição. Isso faz com que você evite novas experiências por medo, e assim limite muito a sua vida. Sabendo que o viés da negatividade existe você vai perceber que esse medo pode vir de um sistema de defesa do seu cérebro para que você não sofra novamente, assim você vai poder lidar com a situação com mais presença e consciência.

Observação importante: uma das formas de melhorar essa negatividade, também é saber o momento de se retirar quando não há reciprocidade de sentimentos, ou onde as suas características positivas não foram reconhecidas. Se alguém não te quer, talvez essa pessoa não esteja enxergando coisas positivas em você, então talvez seja melhor se afastar, assim você não reforça um comportamento que pode acabar diminuindo a sua autoestima.



4 - Florais de Bach
Existem florais que ajudam também a lidar com a rejeição. Claro que considerando a particularidade de cada situação. Mas em geral, podemos utilizar os seguintes florais:

Mimulus: pode ser utilizado quando a pessoa evita aproximação e novas experiências por medo da rejeição.

Larch: pode ser utilizado quando a rejeição causou insegurança. Ele fortalece a segurança interna, aumentando a autoconfiança.

Crab apple: pode-se utilizar o Crab apple quando a autoestima sofreu impacto negativo com a rejeição. A pessoa acha que o problema é com ela. Nesse caso, ocorrem pensamentos como: 

"Devo ser feio/feia."
"Será que fiz alguma coisa errada?"
"O problema deve ser eu, não tenho nada de bom."

Holly: o floral Holly ajuda no restabelecimento da paz interior. Uma das formas negativas de lidar com a rejeição é nutrir ódio e raiva por quem te rejeitou. Eu já vi isso acontecer e é muito comum. A pessoa rejeitada pode não entender muito bem o que aconteceu, e impulsivamente agir agressivamente contra a pessoa. Às vezes falando mal da pessoa que rejeitou, outras vezes inventando mentiras, ou em alguns casos, infelizmente, agindo contra a integridade física da outra pessoa. O ideal é que não se diminua o próprio valor e que se entenda que o outro tem o direito de escolha de não corresponder aos seus sentimentos, à sua amizade. Sabendo disso, pode-se agir mais calmamente e entender que isso faz parte da vida e pode acontecer com qualquer pessoa.

Caso você se pegue odiando alguém que te rejeitou, talvez o floral Holly (em alguns casos acompanhado de outros florais) possa ser muito útil para você.

Se quiser saber mais sobre terapia floral, clique aqui.

Espero que essas dicas possam te ajudar a lidar com a rejeição. E se perceber que não consegue lidar sozinho com situações onde há rejeição, não hesite em procurar por ajuda.

Até o próximo post! 

terça-feira, 2 de julho de 2019

Como se manter positivo quando a situação é negativa

Talvez uma das coisas mais difíceis de se fazer é manter a mente positiva quando acontece algo conosco que consideramos negativo. Como se manter dentro de uma vibração elevada quando quem amamos adoece, quando perdemos o emprego, quando quem amamos percebeu que não nos ama mais ou quando nós mesmos enfrentamos uma doença física e/ou emocional?

Obviamente, a intenção deste post não é que você encare as dificuldades e desafios da vida dando pulos de alegria, até porque nós sabemos que as coisas que nos acontecem podem desestruturar tudo aquilo que considerávamos a nossa base, porém, existem maneiras de pensar que podem ajudar a nos manter mais focados e mais confiantes no que o futuro nos reserva, sem nos entregarmos demais aos sentimentos negativos causados por situações desconfortáveis, e assim criarmos forças para agir quando for necessário.

Vamos lá!



Você não é essa situação
Uma das coisas mais comuns que acontecem quando enfrentamos uma situação negativa é nos identificarmos tanto com essa situação, que ela começa a fazer parte da gente. Então, acabamos nos limitando pelo o que acontece conosco e não pelo que somos. É importante conseguirmos distinguir nós mesmos do que nos acontece. Por exemplo, um amigo passou a perna em você, e você perdeu dinheiro. Obviamente você irá ficar chateado, triste, mas se limitar à situação pode ser um problema, ou seja, você começa a achar que você é burro, acha que todo mundo vai fazer igual, vive sempre na angústia de que algo semelhante irá acontecer novamente, você se transforma na situação que viveu. Sempre que algo negativo acontecer com você, lembre-se que você não é essa situação, o que aconteceu foi ruim, mas ainda é uma vírgula na sua história e não um ponto final.

Esta situação é temporária
Quantas e quantas vezes, nós nos desesperamos com situações que na nossa cabeça pareciam que iriam durar uma eternidade. Tudo na vida é temporário, o bom e o ruim, o quanto antes entendermos mais ficaremos em paz quando uma situação negativa ocorrer. Aquele ditado que "nada dura para sempre", encaixa-se bem aqui. Tenha sempre isso em mente ao enfrentar um desafio.

Reclamar não muda a situação
Eu reclamo, tu reclamas, nós reclamamos
Sim, todos nós reclamamos, e eu me incluo neste tópico, porque eu tenho a tendência a reclamar demais das situações, às vezes, mais de uma vez da mesma coisa. Para mim, a reclamação meio que se tornou um hábito mesmo, e depois de assistir uns stories da Gisela Vallin (clique aqui para conhecer), onde ela dizia que podemos até reclamar uma vez de algo que nos desagrada, mas ficar só falando do problema acaba aumentando-o, porque tudo aquilo que focamos a atenção cresce. Portanto, para mim também, reclamar menos é uma lição a ser aprendida. Que possamos incorporar a lição de reclamar menos juntos em nosso dia a dia, e assim focar no que é bom, e criar mais disso em nossas vidas.



Se concentre na ação
Ao invés de focar nos sentimentos ruins que está sentindo e na situação negativa, que tal tentar focar no que você pode fazer para melhorar esta situação, dentro daquilo que depende de você?
Às vezes estamos em um trabalho que nos desvaloriza, mas o que fazemos para mudar?
Às vezes estamos em um relacionamento abusivo, mas o que fazemos para sair disso?
Reclamar como disse anteriormente, só vai aumentar o problema, portanto, apesar de difícil talvez seja a hora de focarmos na ação para mudar aquilo que nos desagrada e criar a vida que queremos viver.

Você não pode controlar o que acontece, mas pode controlar a sua reação
Essa é uma das coisas que mais tem feito sentido para mim nos últimos tempos, a minha reação aos acontecimentos. Nós não podemos controlar o que os outros fazem conosco, não podemos controlar se vai chover ou fazer sol, não podemos controlar o fluxo da vida, mas podemos controlar a nossa reação aos acontecimentos. Portanto, todas as vezes que você sentir negatividade, tristeza, raiva, enfim, lembre-se: "Eu não posso controlar o que é externo, mas a minha reação posso controlar", e faça escolhas mais saudáveis mantendo-se assim mais positivo para lidar com os desafios da vida.

"São muitos os desafios que terá pela frente, mas com a atitude certa você estará preparado para todos eles." Frase retirada da internet - Autor Desconhecido

Eu espero que essas dicas te ajudem.
Até o próximo post!!!




quarta-feira, 26 de junho de 2019

Exaustão física e mental – Quando o cansaço compromete a qualidade de vida

O dicionário define exaustão como o ato ou efeito de exaurir(-se); esgotamento. Ou seja, a exaustão física e mental acontece quando o indivíduo sente um esgotamento geral. É a falta de energia em todas as esferas, física, mental e espiritual.

Muitas vezes, essa exaustão acontece porque nos esforçamos demais, seja para atender uma expectativa ou uma demanda externa, seja por perfeccionismo, seja por necessidade financeira, rotina apertada e sem descanso, ou ainda, pela saúde, quando estamos nos recuperando de uma doença que pode ter sugado nossas forças. Enfim, cada ser humano é único e as causas do cansaço e esgotamento podem ser variáveis, por isso, sempre é interessante avaliar cada situação sem generalizar, para que esta exaustão possa ser tratada da melhor forma possível.




Quando a pessoa chega num nível de exaustão que compromete o físico e o mental, é comum que alguns sintomas se apresentem, tais como:

Sonolência excessiva ou insônia;
Apatia;
Dores pelo corpo;
Queda de imunidade;
Esquecimento;

Dessa forma, a qualidade de vida acaba sendo comprometida, pois não há mais forças para seguir adiante com a rotina, sonhos, projetos, lazer... afinal tudo se tornou um fardo muito pesado, o corpo e a mente já não respondem positivamente. Para casos assim, existem algumas atitudes que podem ajudar a recuperar a energia vital, como se conhecer, aprender a ouvir o próprio corpo e identificar os sinais que antecedem a exaustão. Vamos ver então, algumas sugestões que podem te auxiliar caso você esteja passando por isso:

Auxílio médico
Sempre é bom consultar um médico quando você sente exaustão. O problema pode ter causas físicas ou emocionais, ou ainda as duas ao mesmo tempo. Então, é importante procurar um clínico geral, e solicitar alguns exames para verificar se está tudo bem fisicamente, e se houver problemas de ordem emocional, se consultar com um psicólogo, também pode ajudar. Assim, você pode ir para as outras etapas com mais tranquilidade.

Priorize
Às vezes, nós ficamos exaustos porque nos sobrecarregamos. Não conhecemos os nossos limites e muito menos comunicamos esses limites aos outros. Portanto, aprenda a estabelecer limites e priorizar. Tome cuidado com expectativas e demandas externas. Compreenda que é impossível atender tudo e todos. Aprenda a dizer não, e principalmente aprenda a não se sentir culpado por isso. Esses dias, eu li uma frase no Instagram que adorei, era a seguinte: “Aprenda a dizer não sem dar explicação”. Para mim, esta frase fez muito sentido, porque eu sou do tipo de pessoa que tem que ficar explicando meus nãos até para as coisas mais banais. Estabeleça limites para si mesmo, deixe isso claro para os outros e priorize.

Tudo tem solução
Eu conheci recentemente o trabalho da Marie Forleo (clique aqui para saber mais) e comecei a assistir vídeos dela, acompanhar no Instagram e ouvir os podcasts. Recentemente ouvi um podcast dela para o SuperSoul da Oprah Winfrey que tinha o seguinte título, “Everything is figureoutable”, traduzindo seria algo mais ou menos assim: “Tudo tem solução”. Eu gostei muito do podcast (você pode ouvir no Podbean) e me parece que esse é o título de um livro que a Marie Forleo lançou lá nos Estados Unidos.

Pensar que tudo tem solução, nos ajuda a lidar com os desafios de uma forma mais tranquila, assim tiramos um pouco do peso que pode nos sobrecarregar e causar a exaustão. Quantas vezes em sua vida você chegou a exaustão porque ficou se esforçando mentalmente e fisicamente para resolver algo? Às vezes, algo que nem dependia de você, e lá estava você, cansado, sem energia, pensando negativamente e atraindo mais coisas negativas e mais dificuldades para sua vida.

Desafios??? Sempre vamos ter, o que muda é a forma como você os encara, isso vai fazer toda a diferença em sua caminhada. Portanto, tente daqui para frente, encarar todas as coisas como solucionáveis, já vá resolver um desafio com esse pensamento em mente: “Tudo tem solução.”  Você vai sentir o peso ficando cada vez menor.

Alimentação balanceada
Preste atenção no que você come e na qualidade nutricional dos alimentos que você come. A dieta tem uma influência direta no rendimento do nosso corpo, considerando tanto seus aspectos físicos como mentais. Dietas pobres em nutrientes podem causar estafa, cansaço e outras desordens que influenciam diretamente na qualidade de vida. Invista em uma alimentação balanceada, com alimentos menos processados, mais frutas, legumes e verduras, gorduras de boa qualidade (abacate, oleaginosas, azeite de oliva, etc), beba água na quantidade adequada, diminua o consumo de açúcar refinado. Aos poucos, você vai perceber seu corpo respondendo com mais energia, é um trabalho gradativo, que envolve mudança de hábitos, mas que vale muito a pena.




Autocuidado
Uma vez eu assisti um vídeo da Sarah Beth (Sarah Beth Yoga – Clique aqui para assistir) onde ela mostra a rotina dela como mãe, esposa, professora de yoga, empreendedora, e em um momento do vídeo, ela diz que voltou à academia um pouco depois de ter seu primeiro filho porque ela sentiu a necessidade de cuidar de si mesma. Ela disse que seu copo precisava estar cheio para que ela possa também se dedicar aos outros. Ou seja, se você tem um copo vazio como você vai dar água?

Muitas vezes, ficamos cansados e sobrecarregados porque nos esquecemos de nós mesmos. Focamos em resolver as necessidades dos outros, e nos colocamos de lado. Ficam em primeiro lugar, as necessidades dos filhos, do marido ou da esposa, do namorado ou da namorada, dos pais, da empresa, dos amigos, e o seu copo vai esvaziando, esvaziando e seca, e daí consequentemente a exaustão bate na sua porta.

Invista no cuidado consigo mesmo. E quando eu me refiro ao autocuidado não me refiro só a academia, fazer as unhas, ir para a yoga, me refiro a ir naquela consulta médica que você está adiando já faz séculos, tomar suas vitaminas ou medicamentos corretamente, ir para a terapia, e sim, também cuidar da barba (nos caso dos homens), do cabelo, ir caminhar. É importante que você entenda o momento certo de se priorizar e encher o seu copo.

“Amai ao próximo como a ti mesmo”

Lembre-se, só consigo dar aquilo que já tenho.

Terapia Floral
A terapia floral também é muito benéfica para casos de exaustão total. O floral indicado para quem apresenta esgotamento físico, mental e espiritual é o OLIVE. Pessoas que necessitam do floral Olive sentem-se completamente exaustas, em todos os níveis. 

O Doutor Bach nos fala que o floral Olive “é para aqueles que sofreram muito, mental ou fisicamente, e encontram-se tão exaustos e fracos que não tem mais forças para fazer nenhum esforço. Para eles a vida diária é dura e sem prazer.”
Esse floral dará força e vitalidade, ajudando a restabelecer a energia perdida. Você pode mandar manipular este floral, e tomar 4 gotas 4 vezes ao dia, ou se quiser um atendimento mais personalizado, pode se consultar com um terapeuta floral de sua confiança.




Para saber mais sobre atendimento de terapia floral, clique aqui.

Espero que essas dicas possam te ajudar ou ajudar alguém que você conhece que está passando por um período de exaustão.

Até mais!!!

segunda-feira, 24 de junho de 2019

07 dicas para se manter no momento presente

Um dos grandes desafios que eu enfrento no meu dia a dia é me manter no momento presente. Muitas vezes devido à rotina, alguma insatisfação, correria, eu acabo perdendo a percepção de mim mesma, às vezes, deixando de observar meus pensamentos, reagindo impulsivamente e não dando tempo para mim mesma para respirar, pensar e agir com mais consciência.

Ao perceber recentemente que eu estava caindo em algumas armadilhas, eu resolvi focar um pouco mais nesta questão, trabalhando para não me deixar levar pela emoção do momento, sabendo a hora de calar, falar, confiar em quem é digno disto, e muitas outras coisas. Ao perceber, que eu deveria trabalhar esse aspecto com mais cuidado, eu bolei algumas dicas para mim mesma para me ajudar neste processo, e posso adiantar que tem funcionado. Esses dias, uma pessoa veio reclamar de outra para mim, ao invés de entrar no ciclo daquela reclamação, e enumerar o que eu também via de negativo naquela pessoa, eu respirei, e pensei que eu não precisava fazer aquilo, só resolver o que precisava ser resolvido e ponto. Fiquei muito mais feliz comigo mesma.



A autopercepção é um grande desafio para a maioria de nós, porque muitas vezes nós nos desconectamos e acabamos nos deixando levar pela sensação de cumplicidade na reclamação, pela sensação de ser a vítima de alguma situação (esquecendo-nos da nossa autorresponsabilidade), pela sensação de ser ouvido quando reagimos impulsivamente, e assim vamos criando vínculos nada saudáveis na comunicação.

Uma das maneiras de manter a autopercepção e pensar antes de responder, comentar algo, decidir por algo, é o foco no momento presente, é um exercício que deve ser realizado todos os dias, alguns dias com maior sucesso, outros dias com alguma derrota, mas o importante é perceber a evolução do nosso comportamento para melhor, e continuar sempre investindo na melhoria contínua. Se você também foge do presente constantemente, talvez essas dicas possam te ajudar a se manter mais conectado com o agora.

1- Preste atenção no momento
Uma das formas que me faz focar no presente, é prestar atenção aos barulhos, cheiros, objetos que estão ao meu redor. Assim, eu consigo trazer a minha mente de volta. Eu até me lembrei aqui de uma vez que eu estava indo para a terapia floral, com a cabeça tão absorta nos pensamentos que nem visualizei uma árvore que tinha caído na frente da escola, simplesmente não vi, porque não estava presente. Depois desse dia, fiquei refletindo sobre isso, e busquei algumas estratégias para me auxiliar, e uma delas é observar mais o momento, as coisas, as pessoas, os sons no agora. Isso ajuda a manter a mente mais conectada com o que acontece no presente.

2- Meditação/Yoga/Pilates
Tanto na meditação, como na yoga ou pilates (resolvi colocar o pilates aqui porque recentemente participei de uma aula, e fiquei impressionada como o foco nos exercícios e na contagem não deixa a mente correr solta, ele ajuda muito no foco e concentração) precisamos ter consistência na prática para colher os resultados. Já percebi algumas vezes que quando relaxo na minha prática de meditação e yoga tenho a tendência a ficar mais negativa, mais reclamona e muito mais avoada, sem percepção nenhuma de mim mesma, por isso, recomendo que você tente ao máximo manter a consistência em suas práticas de autoconhecimento, pois é a consistência que trará resultados.



3- Reconheça os gatilhos negativos que quer evitar e estabeleça um diálogo interno
Existem algumas situações que funcionam como um gatilho para falta de foco, falta de percepção, reclamações constantes, enfim, gatilhos que quando acionados fazem com que a gente perca a capacidade de auto-análise, de análise da situação e não viva no presente. Uma das formas de não dar uma viajada é reconhecer esses gatilhos. Aqui o trabalho é bem focado em si mesmo, e é preciso estar em um nível de percepção mais consciente. Por exemplo, se você percebe que cair na tentação de falar mal dos outros te faz perder o foco, sair do equilíbrio, saindo do momento presente e depois você fica triste por isso, porque se perdeu de si mesmo e ainda focou em outra pessoa, talvez o gatilho que te leve à esse comportamento é uma necessidade de tirar o foco de você, todas as vezes que o gatilho for acionado, você vai perceber, porque agora está mais consciente do processo, entendeu? Faça um trabalho de autopercepção, se achar necessário escreva as situações que funcionam como gatilho para você e encontre meios de trabalhar nelas. Se não conseguir sozinho, peça ajuda, só não fique remoendo sozinho situações que te colocam para baixo e fazem com que você se comporte negativamente.

4 - Perceba-se
Observe seu corpo, sua respiração, batimentos cardíacos, temperatura da pele. Uma das maneiras mais fáceis de se manter no presente, é se perceber. Nosso corpo emite sinais durante todo o tempo, sinais que nos mostram se estamos ultrapassando nossos limites, sinais que nos mostram se estamos ou não felizes e satisfeitos. Portanto, ouça mais o seu corpo, preste atenção nos movimentos dos seus pés ao caminhar. Fique consciente da maravilhosa máquina que é o corpo humano, isso te ajudara a manter o foco em si mesmo e não se dispersar tanto.

5 - Identifique as distrações
O que te distrai no dia a dia?
Notificações de celular?
Sons muito altos?
Cada pessoa tem algo que vai desviar mais ou menos a sua atenção. No meu caso, eu percebi que as notificações de redes sociais acabavam me distraindo muito durante o dia, fazendo com que eu perdesse o foco das atividades do presente, quando eu me dava conta, lá estava eu, absorta no feed das redes sociais. Para mim, silenciar as notificações foi uma maneira de me manter mais focada no presente. Neste caso, é interessante que você identifique o que faz com que você se perca, identificando as distrações fica mais fácil lidar com elas, assim você vai agir de modo a evitá-las.



6 - Estabeleça limites para redes sociais
Como escrevi no item 5, as redes sociais para mim são uma grande fonte de distração. Eu gostava muito de postar Stories no Instagram por exemplo, mas percebi que isso me causava ansiedade e distração, porque eu sempre queria olhar quem tinha visto, quem reagiu aos stories, e ficava perdida olhando para o celular. Então, decidi cortar essa prática da minha vida digital. Atualmente, só publico citações de outras pessoas nos stories se forem relacionadas ao blog (@equilibrioevidablog), e mantenho minhas publicações no feed. Para mim, está sendo ótimo, mas como citei anteriormente, essa prática para mim estava sendo negativa, se para você funciona, continue, mas se de repente você notou que está ansioso por causa disso, talvez esteja na hora de estabelecer um limite saudável. Eu gosto bastante de compartilhar nas redes sociais, meus textos, algumas fotos, mas quando percebo que isso de alguma forma está me consumindo e estou me perdendo de mim mesma, eu dou um tempo, e tudo bem, veja o que faz sentido para você.

7 - Florais de Bach
Existem dois florais que ajudam quando saímos do momento presente. Um deles é Honeysuckle, esse floral é indicado quando estamos muito saudosos do passado, ou focando demais em algo que já aconteceu, e assim deixamos de ver o que acontece no agora.
Já o floral Clematis é para aquelas pessoas que ficam pensando no futuro, idealizando um futuro melhor, com a cabeça no mundo da lua, e assim esquecendo-se de trabalhar no presente para que as mudanças se concretizem. Esses florais, dependendo de cada caso, ajudam a estabelecer uma conexão com o presente, nos ajudando a viver uma vida mais equilibrada.

Espero que você tenha gostado das dicas, e se tiver alguma outra sugestão, compartilha aqui embaixo nos comentários.

Até mais!!!



sexta-feira, 21 de junho de 2019

Vídeo: Autoconhecimento e mudanças


Quando estamos em um processo de autoconhecimento, ainda é comum sentirmos alguns sentimentos e emoções que achamos que deveriam ser totalmente eliminados neste processo.
O vídeo de hoje é exatamente sobre isso. Sobre como as mudanças acontecem no processo de autoconhecimento.




segunda-feira, 17 de junho de 2019

Atitudes para melhorar a sua vibração

Tem dias que a gente está só o pó da rabiola. Se você não conhece a expressão "só o pó da rabiola", ela significa aqueles dias em que estamos cansados, desanimados, com a vibração lá no rodapé. Eu acredito, que isso é normal, vez ou outra oscilaremos nosso nível vibracional, seja por motivos internos (aqui podemos incluir também oscilações hormonais, até porque os hormônios são mestres em alterações de humor, por isso, é sempre importante ao se deparar com alterações de humor constantes dar uma verificada nos níveis hormonais também) e externos (pessoas mal educadas, pessoas tóxicas e negativas, comentários maldosos, situações desgastantes, etc.). Podemos ter a nossa vibração em baixa por inúmeros motivos, então, hoje eu vou compartilhar com você, as atitudes básicas que tomo quando me sinto para baixo. Obviamente, para mim elas funcionam, e você precisa avaliar se para você isso é aplicável, pois sempre gosto de esclarecer que nós somos seres humanos diferentes, e o que funciona para mim, pode ou não funcionar para você levando em consideração a causa raiz do seu problema. Então, sinta-se à vontade para incorporar as atitudes que tenham a ver com você e que façam sentido na sua rotina. Depois me conta o que achou :)



- Consuma conteúdos que agregam valor positivo
Uma das coisas que considero de suma importância quando estou vibrando no rodapé, rsrs, é o valor dos conteúdos que estou consumindo. Por exemplo, se eu não estiver emocionalmente bem, não convém que eu assista ou ouça conteúdos que vão me deixar mais para baixo. Neste momento, eu busco assistir vídeos que elevam minha vibração, e ouvir podcasts com dicas de autoconhecimento que podem me ajudar com alguma coisa positiva. Recentemente, eu fiz uma lista com vídeos favoritos no youtube que assisto todas as vezes que estou para baixo. Esses vídeos não necessariamente são engraçados, às vezes, são vídeos de rotina diária, alimentação, e eu acredito que eles melhoram meu humor porque foram feitos dentro de uma energia positiva, provavelmente a intenção daquela pessoa ao filmar aquele conteúdo era positiva e isso de certa forma atinge quem assiste, percebe? Eu vou deixar para você dois vídeos que sempre assisto e adoro, estão em inglês, mas dá para ativar a legenda. Eles me dão vontade de sair da zona de conforto, investir na saúde física, cozinhar alimentos saudáveis, e por incrível que pareça funciona demais para mim.
Encontre assuntos e pessoas que te motivem, e elevem seu nível vibracional.





- Ouça música
Eu já escrevi diversas vezes aqui no blog sobre o poder que a música tem de melhorar o humor, mas por favor, escolha músicas positivas, cuidado com canções que tem a letra muito sofrida, pois dependendo da sua sensibilidade elas podem te influenciar negativamente. Escolha canções que você goste, com mensagens positivas e alegres, e se for possível cante bem alto. 
Cantar a sua canção favorita ajuda a desbloquear o chakra laríngeo, aumentando a sua criatividade, é como se limpasse os sentimentos que estão presos. Quer melhorar sua vibração? Lembre-se então que:

"Quem canta seus males espanta."

- O que tem de bom na minha vida?
Essa terceira dica, é uma pergunta para você se fazer quando estiver em baixa. Mas por quê?
Quando estamos com a nossa energia focada no que está ruim, acabamos nos esquecendo de enxergar o que tem de bom nessa situação. Vou exemplificar: A situação no seu trabalho não anda muito legal, você está descontente, volta e meia, pensa em deixar o emprego - Essa situação é ruim - Porém, com este trabalho você está conseguindo pagar um curso de especialização, um curso de idiomas, consegue poupar um dinheiro para viajar para algum lugar legal - Essa situação é positiva - Aqui conseguimos enxergar que pode existir um lado bom, que pode nos motivar a fazer as mudanças necessárias e entrar na vibração do que é melhor para gente, entende?
Se focamos no que é ruim, mais o ruim se tornará maior, quanto mais coloco minha energia nisto, mais isto cresce, então foque no que há de bom, e trabalhe com inteligência para mudar aquilo que está ruim.

- Converse com pessoas positivas
Aqui o objetivo não é sugar pessoas e despejar sobre elas a nossa negatividade, por favor, vamos tentar ao máximo fazer o inverso tá, e evitarmos sermos as pessoas tóxicas. Algumas vezes, quando não estamos muito bem, acabamos atraindo pessoas que estão na mesma vibração que a gente, por exemplo: Você não está bem com seu namorado/namorada e fica com a vibração baixa, e só pensando nisso, de repente do nada, aparece aquele colega de trabalho e começa a descer a lenha nos homens ou nas mulheres, reforçando a negatividade, meu conselho, fuja de gente assim. Tente se cercar de pessoas mais positivas, que entendem que na vida não existem pessoas perfeitas e sim pessoas em processo de aprendizagem, e que sim erramos e acertamos, pessoas que compreendem que a vida pode ser boa apesar dos desafios. Saia para tomar um café, ir ao cinema com pessoas leves e de bem com a vida. Veja bem, eu não estou dizendo que não devemos compartilhar nossos problemas, ou correr de amigos que estão passando por alguma dificuldade ou coisa do tipo, não é isso, se alguém que gostamos está passando por uma fase ruim, devemos ajudar. O ruim é quando as pessoas só fazem isso, só reclamam, aí se estamos um pouco para baixo, acabamos ficando pior. Selecione as companhias quando isso for importante para você. 



- Entre em contato com a natureza
A natureza tem o poder de transmutar as energias, eu já disse isso diversas vezes aqui no blog. Então quando estiver sentindo o peso das situações, saia para caminhar em um parque, se você tiver plantas em casa, vá regá-las, trocar a terra, mudá-las de posição. Você vai se sentir melhor depois disso, pode acreditar.

- Invista em alimentos saudáveis
Eu sempre fui uma consumidora voraz de açúcar, e decidi reduzir o consumo. Estou investindo em preparações sem açúcar adicionado, eu preparo bolos e biscoitos, sem usar açúcar e sem usar farinha de trigo quando é possível, adoço com uva-passa, uso aveia em substituição à farinha e tem dado certo. Tenho investido mais em frutas, legumes e verduras. É claro que de vez em quando, não há problema em comer uma fatia de bolo, acho que tudo é equilíbrio, então, mantenha ao máximo uma alimentação mais saudável na maior parte do seu tempo, e de vez em quando permita-se comer aquilo que gosta. Você vai perceber uma mudança enorme no seu paladar e também no seu humor. Vou deixar abaixo, alguns canais no youtube que tem receitas simples com alimentos mais saudáveis que você pode incorporar no seu dia a dia.

Symply quinoa

Joyous Health 

Marina Morais

Pick up Limes

Vegtube

- Exercícios físicos
Manter uma rotina de exercícios físicos também ajuda a melhorar a vibração, aumentando a autoestima, foco e concentração. Exercícios como yoga, pilates, caminhada ajudam muito a manter a atenção no momento presente. Quando estamos com a vibração baixa,em geral, é porque estamos nos preocupando com algo que já aconteceu e nos chateou, ou com algo que não aconteceu ainda, mas está nos deixando apreensivos, portanto, os exercícios físicos ajudam a tirar o foco das situações que nos deixam para baixo, oxigenando o cérebro, clareando as ideias, então invista em algo que tenha a ver com você, e depois me conta os resultados.



- Mantenha a frequência de meditação
Eu já percebi que quando não mantenho a frequência de meditação, eu fico mais susceptível às alterações de humor e oscilações vibracionais. Se você pratica meditação, incorpore o seguinte pensamento para te motivar: "Meditação é como banho, se eu não praticar diariamente a sujeira irá se acumular, e depois o trabalho de limpeza será mais difícil." Essa é a minha motivação diária, comparar a meditação com o banho, rsrs. Isso tem me ajudado a manter a frequência da prática, pois o nível de importância está equivalente. Sempre que fico com preguiça de meditar, me lembro dessa frase, faço a técnica dos 5 segundos, para evitar a procrastinação e decidir meditar (clique aqui para saber mais) e vou meditar, assim percebo que a minha vibração oscila bem menos.

Essas foram algumas atitudes que fazem parte da minha rotina, e me ajudam bastante quando a minha vibração está baixa. Veja o que faz sentido para você e melhore a sua rotina!

Eu estou também no youtube, para assistir os vídeos, clique aqui - Canal no youtube

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Bloqueadores de desenvolvimento - Ferramentas que ajudam na dissolução

Você, alguma vez em sua vida teve vontade de realizar algo novo, construir um novo caminho, começar ou terminar um relacionamento, mas não fez nada disso? 

Até pensou nas possibilidades, mas se sentiu inseguro ou insegura, com a autoestima baixa e com alguns medos que a princípio pareciam meio inexplicáveis?

Provavelmente, a sua resposta foi sim, né! Acredito que todos nós, (ou pelo menos a grande maioria das pessoas), uma vez ou outra diante de uma situação da vida já nos sentimos paralisados e incapazes, e isso deve-se em boa parte aos nossos bloqueadores de desenvolvimento, que em maior ou menor grau podem influenciar a nossa capacidade de decisão e de crescimento.

Os bloqueadores de desenvolvimento são também conhecidos como bloqueios mentais, eles são conceitos que acumulamos ao longo da nossa jornada e que nos impedem de avançar. Em geral, esses bloqueadores são causados por medos, mágoas, frustrações, ou ainda, por alguma experiência negativa que vivemos. Nós desenvolvemos os bloqueadores com o objetivo de fazer com que essas experiências ruins não ocorram novamente, é como se eles funcionassem como uma espécie de proteção, uma armadura.



Esses bloqueios mentais podem ter início no meio familiar ou no meio social, onde em geral, nós somos expostos à inúmeras ideias que podem se tornar crenças limitantes (clique aqui para saber mais).

Mas como dissolver esses bloqueadores de desenvolvimento?

Para dissolver esses bloqueadores é preciso conhecer as crenças limitantes assimiladas ao longo dos anos, pois ao ter consciência do que te limita, será então possível traçar estratégias para a substituição dessas crenças. Conhecendo as crenças limitantes e a forma como organizamos o nosso mundo ao longo da vida, podemos agir de forma a interromper os bloqueios, reformulando nossos pensamentos e expandindo a nossa consciência de forma harmônica.

Quais ferramentas podemos utilizar?

- Diálogo interno positivo: é importante estabelecer um diálogo interno que seja positivo. Quando a crença (pensamento) vier à mente, ela deverá ser substituída por outro pensamento que expresse uma ideia contrária. É fácil? Não! Mas é possível e requer treino. Esse treino pode vir através da meditação, que te dará condições para o próximo passo aqui embaixo, que é: 

- Consciência dos pensamentos: se você pensa o tempo todo, mas não consegue escapar das teias que seus pensamentos formam, obviamente, ficará preso como um pequeno inseto se debatendo nesta teia esperando ser devorado. Mas, se você se torna consciente, consegue respirar, e quebrar a teia. Ficar consciente daquilo que se pensa, entender e questionar o diálogo interno é uma forma muito eficaz de trabalhar na dissolução dos bloqueadores de desenvolvimento. 

- Plano de ação para a mudança: se você identificou a crença, criou um diálogo interno positivo e está consciente do que se passa em sua mente, chegou a hora de estabelecer um plano de ação para a mudança. Aqui é preciso ver o que se quer mudar, e então desenvolver maneiras de se fazer isso. Lembrando que para algo deixar de ser como é, se faz necessário agir. A ação pode ser uma terapia, um curso novo, novas amizades, dedicação à um hobby, um novo trabalho, enfim, vai depender muito do que você identificou como bloqueador. 




- Exercitar a gratidão: a prática da gratidão é muito eficaz para o estabelecimento do diálogo interno positivo, pois quando você percebe que há muita coisa boa em sua vida, automaticamente, você ficará mais positivo e isso reforçará a sua capacidade de acreditar em si mesmo, e se libertar dos seus bloqueadores.

- Terapia floral: a terapia floral é uma grande aliada na dissolução dos bloqueadores de desenvolvimento. Existem florais para trabalhar a autoestima, a dificuldade de dizer não, traumas, impaciência, ansiedade, angústia, enfim, possivelmente existe alguma essência que pode ajudar neste processo. Por exemplo, se você ouviu alguém dizer que você era feio e nunca iria conseguir nada por causa disso, e assimilou essa ideia, e ela se tornou uma crença, os florais Crab Apple e Larch podem ajudar. Caso tenha interesse, clique aqui.

Eu espero que você tenha gostado das dicas, e espero que elas possam te ajudar a enfrentar os bloqueadores que impedem você de chegar onde você deseja.