quarta-feira, 10 de julho de 2019

Como lidar com a rejeição

A rejeição pode ser um assunto dolorido para muitas pessoas, pois acredito que ninguém gosta de ser rejeitado ou rejeitada, seja em uma oportunidade de emprego, seja por um possível parceiro amoroso, por um amigo, enfim, a rejeição acaba tendo uma carga muito negativa podendo acontecer em várias áreas da vida e em qualquer momento.

Em geral, nós costumamos enxergar a rejeição muito negativamente, o que pode causar muito mais sofrimento. Pois podemos começar a questionar o nosso valor, achar que fizemos algo errado, minando assim a autoestima. Há algum tempo, eu lido com a rejeição de uma forma bem mais tranquila, isso não significa que eu não fique chateada quando ela acontece, até fico, mas ao mudar a forma de pensar, comecei a perceber que essa chateação dura bem menos tempo, não impactanto tanto na minha vida de um modo geral.




No vídeo abaixo, eu falo um pouco mais sobre isso, então se quiser assista ou continue lendo este post. Vamos lá!


1 - Mude a forma de entender a rejeição
Para mim mudar a forma de entender a rejeição foi algo transformador, e eu passei a enxergá-la de uma forma diferente a partir de algo que ouvi no canal da Marie Forleo. Em um vídeo de perguntas e respostas, uma moça perguntou como ela poderia lidar com a rejeição já que estava sendo constantemente rejeitada em oportunidades de trabalho. O cabeleireiro da Marie respondeu que ele lida com a rejeição, pensando que: "Rejeições da vida são proteção de Deus".

Essa é uma forma interessante de pensar, muitas vezes queremos muito algo que achamos que será bom para gente, porém, aquilo pode ser uma grande furada. Pensar que a rejeição sofrida pode ser uma proteção ajuda muito a lidar mais tranquilamente com a situação, afinal o Plano Divino sempre sabe de tudo (pelo menos eu acredito nisto) e como diz uma frase famosa do Dalai Lama: "Às vezes não conseguir o que se quer é uma  tremenda sorte."

2- Não se defina pelo momento
Muitas vezes quando sofremos uma rejeição nos limitamos pelo momento, questionando o nosso valor e damos para o outro o poder de decisão sobre quem nós somos. Tem uma frase do Carl Jung que eu gosto bastante que diz o seguinte: "Eu não sou aquilo que me acontece, eu sou aquilo que decido me tornar." Essa frase ajuda muito a não nos definirmos pelo momento, e sim por aquilo que conscientemente escolhemos ser.

É muito importante pensar também que muitas vezes a rejeição não diz respeito somente a quem a sofre, talvez a pessoa que te rejeitou apenas não sentiu afinidade com você, e isso não a torna melhor nem pior do que você, e muito menos define o seu valor, então não se limite à uma situação da sua vida. Compreenda e viva aquilo que você quer ser, escolhendo conscientemente pelo melhor. Pense nisso!

3- Entenda o viés da negatividade
O viés da negatividade pode ser entendido como a tendência do nosso cérebro em focar mais no negativo do que no positivo. Por exemplo, se você sofreu uma rejeição, e isso foi doloroso emocionalmente para você, é possível que seu cérebro foque muito mais na rejeição sofrida, fazendo com que você ative uma espécie de sistema de defesa. Assim, você ficará sempre pensando nos acontecimentos negativos que a situação te trouxe. Por exemplo, alguém te rejeitou e você ficou com medo que isso aconteça novamente, isso faz com que você não arrisque uma aproximação com outra pessoa, que sinta ansiedade ao ir em uma entrevista de emprego pensando numa possível rejeição. Isso faz com que você evite novas experiências por medo, e assim limite muito a sua vida. Sabendo que o viés da negatividade existe você vai perceber que esse medo pode vir de um sistema de defesa do seu cérebro para que você não sofra novamente, assim você vai poder lidar com a situação com mais presença e consciência.

Observação importante: uma das formas de melhorar essa negatividade, também é saber o momento de se retirar quando não há reciprocidade de sentimentos, ou onde as suas características positivas não foram reconhecidas. Se alguém não te quer, talvez essa pessoa não esteja enxergando coisas positivas em você, então talvez seja melhor se afastar, assim você não reforça um comportamento que pode acabar diminuindo a sua autoestima.



4 - Florais de Bach
Existem florais que ajudam também a lidar com a rejeição. Claro que considerando a particularidade de cada situação. Mas em geral, podemos utilizar os seguintes florais:

Mimulus: pode ser utilizado quando a pessoa evita aproximação e novas experiências por medo da rejeição.

Larch: pode ser utilizado quando a rejeição causou insegurança. Ele fortalece a segurança interna, aumentando a autoconfiança.

Crab apple: pode-se utilizar o Crab apple quando a autoestima sofreu impacto negativo com a rejeição. A pessoa acha que o problema é com ela. Nesse caso, ocorrem pensamentos como: 

"Devo ser feio/feia."
"Será que fiz alguma coisa errada?"
"O problema deve ser eu, não tenho nada de bom."

Holly: o floral Holly ajuda no restabelecimento da paz interior. Uma das formas negativas de lidar com a rejeição é nutrir ódio e raiva por quem te rejeitou. Eu já vi isso acontecer e é muito comum. A pessoa rejeitada pode não entender muito bem o que aconteceu, e impulsivamente agir agressivamente contra a pessoa. Às vezes falando mal da pessoa que rejeitou, outras vezes inventando mentiras, ou em alguns casos, infelizmente, agindo contra a integridade física da outra pessoa. O ideal é que não se diminua o próprio valor e que se entenda que o outro tem o direito de escolha de não corresponder aos seus sentimentos, à sua amizade. Sabendo disso, pode-se agir mais calmamente e entender que isso faz parte da vida e pode acontecer com qualquer pessoa.

Caso você se pegue odiando alguém que te rejeitou, talvez o floral Holly (em alguns casos acompanhado de outros florais) possa ser muito útil para você.

Se quiser saber mais sobre terapia floral, clique aqui.

Espero que essas dicas possam te ajudar a lidar com a rejeição. E se perceber que não consegue lidar sozinho com situações onde há rejeição, não hesite em procurar por ajuda.

Até o próximo post! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário