quarta-feira, 17 de julho de 2019

Escrita terapêutica - O que escrever

Eu já falei sobre escrita terapêutica algumas vezes aqui no blog - clique aqui para ler sobre o assunto - e já disse que essa é uma prática que faz parte da minha vida, e em geral, eu recomendo para as pessoas. Porém, uma das coisas que às vezes ouço é: "Mas eu não tenho ideia do que escrever."

Pode ser que esse pensamento de não saber o que escrever, ou até o branco que pode ocorrer durante o processo sejam causados pela dificuldade em descrever os sentimentos, ou até pelo desconforto de fazer a análise dos próprios sentimentos. A escrita terapêutica está muito relacionada com a nossa própria capacidade de avaliação, e é bem diferente de uma terapia, pois na terapia, ocorre a reciprocidade na comunicação, e ao escrever ali está você consigo mesmo, e em geral, isso pode causar desconforto em algumas pessoas, porém, é melhor sentir um certo desconforto agora e crescer, do que ficar estagnado no mesmo ponto, não é mesmo?



Pensando nestas pessoas que muitas vezes se sentem perdidas ao começar a escrita terapêutica, eu resolvi descrever para você como é o meu processo de escrever por etapas. Assim, você pode fazer um guia para facilitar sua prática, utilizando as etapas que falei no vídeo. Então, se você ainda não começou a escrever como recurso terapêutico porque não sabia como iniciar, essa é a sua chance de facilitar a prática e aprender a entender os próprios sentimentos. É só assistir o vídeo abaixo, vamos lá!



Eu uso bastante a escrita terapêutica, tanto em momentos ruins como em momentos bons. Nos momentos bons uso como forma de agradecimento, e também gosto bastante. Tente criar o hábito de escrever as coisas ruins, mas também as boas. Focar no que é positivo também ajuda no processo de autoconhecimento.

Essas foram as minhas dicas para você começar a escrever. Espero que você goste também de praticar escrita terapêutica e que isso se torne um hábito positivo para você também.

Até mais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário