segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Ah, esse desânimo!

Pensou em desanimar, quando as portas se fecharam?
Quando o sonho desmoronou?
Quando alguém disse não?
Pensou em desanimar, quando parecia não haver saída?
Quando o dinheiro acabou?
A solidão chegou?

Desânimo, quem nunca provou o seu sabor. É amargo, faz você se questionar, principalmente quando as histórias se repetem, histórias que nem sempre tem um desfecho feliz. O desânimo de tentar mais e mais uma vez e se afogar dentro de um tsunami de sentimentos. Ondas vêm e ondas vão, te pegam despreparado e te lançam no fundo do oceano e lá no escuro você se depara com seres não tão bonitos. Você pensa em desistir, olha para trás e não vê sucesso, olha pra frente e não vê certezas. E agora?


Desânimo, abatimento
Tudo é simples, tudo é difícil
Nada é exato, tudo é mutável
Pensou em desanimar, quando o emprego não veio?
Quando o bebê não chegou?
Quando o amor falhou?
Quando o fim se apresentou?

Desânimo, incerteza
Continuo ou paro?
Meus desânimos, seus desânimos
Minhas lágrimas, seus sorrisos
Meus sorrisos, suas lágrimas
Tudo o que nos une
É a nossa humanidade

No meu desânimo, eu encontro você
No seu desânimo, você me encontra
Espera, espera, espera...
Nunca termina, nunca acaba
Agonia de um dia, calmaria no outro dia
Temporal, vendaval
Brisa leve

Lá vem ele
Te olha de frente, desânimo
O que você faz, se ele te alcança?
Chora, desiste, perde a fé?

Deus deixa de nos olhar?
Ou nós paramos de enxergar Deus?
Não sei
Só sei que há necessidade de desanimar 
Para renascer, para crescer
Para voltar a amar

A vida é como a natureza
Passa por estações, às vezes, sentimos o frio do inverno
Às vezes, o calor do verão
Olhar perdido, olhar encontrado
Dentro da infinidade do tempo
Lembre-se, isso é só uma fase
Sim, vai passar




Nenhum comentário:

Postar um comentário