quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

A força da gratidão

Se você tem interesse em assuntos que falam sobre autoconhecimento, qualidade de vida, entre outros, já deve ter ouvido falar sobre gratidão. É muito comum, as pessoas falarem sobre ser grato, agradecer as bênçãos diárias, entre outros. Mas, você já parou para pensar em quantas pessoas vivem no modo automático e só sabem reclamar? Elas nunca param para olhar as coisas boas e bênçãos que elas têm na vida.

A nossa sociedade é muito focada no consumismo, portanto, consegue colocar em nossas mentes que nunca seremos felizes porque sempre estará faltando algo, que pode ser algo material, como um carro, um celular, uma casa, ou pode ser a falta de alguém, um parceiro. E todas essas informações vão passando a mensagem que há algo faltando, e que você não tem o que agradecer, afinal, não conquistou todos os seus objetivos.

E quando vamos orar, focamos no que não temos, só sabemos pedir. Pedimos para Deus, Universo, Jeová, não importa o nome que você use. Pedimos, pedimos, choramos e nos entristecemos por não ter, nosso foco está na falta. E se agora, você fizesse o caminho contrário. Ao invés de só pedir, começasse a enumerar as coisas boas que você tem na vida. Pode ser a água que você bebe, o alimento que você come, o sapato que você calça, o batom que te deixa mais bonita, pode ser o dinheiro para pagar aquela conta, pode ser sua casa com quintal espaçoso, pode ser a oportunidade de ter estudado, pode ser tanta coisa, é só você começar a olhar para o lado, mesmo quando tudo parece ruim, ainda ali, naquele momento há algo para ser grato.


Ser grato, muda o nosso estado de espírito. Coisas que não enxergávamos pela simples correria da vida, passam a ter um valor inestimável. Depois que eu li o livro “A magia” da Rhonda Byrne, eu passei a ser grata por tanta coisa, que eu até tenho vergonha de ter sido tão reclamona nos últimos anos. Eu senti algumas mudanças em mim, no meu jeito de olhar para a vida, e também no foco para alcançar os meus objetivos. 

Por isso, eu gostaria de te convidar a começar um exercício de gratidão no dia de hoje. É bem fácil, e qualquer pessoa pode fazer, é o seguinte:

Você vai precisar de um caderno e de uma caneta. Neste caderno você vai escrever 5 coisas pelas quais você é grato. Pode seguir esse exemplo, se quiser:

“Eu agradeço de coração pela água potável que tenho acesso, porque com ela posso tomar banho, cuidar da minha higiene pessoal, cozinhar e beber. Obrigado(a), obrigado(a), obrigado(a).”

“Eu agradeço de coração pelo meu trabalho atual, porque ele me possibilita levar uma vida digna, de qualidade, pagar as minhas contas, comprar coisas que eu gosto, me divertir. Obrigado(a), obrigado(a), obrigado(a)."

Você pode escolher qualquer coisa, bens materiais, saúde, natureza, finanças, trabalho, relacionamentos, entre outros, para iniciar o seu exercício.
Escreva as 5 coisas pela manhã ou à noite, e leia em voz alta.


Com o tempo, você vai pegando gosto por essa atividade, e logo irá perceber que coisas boas irão chegar em sua vida, que aqueles nós irão desatar, porque agora você está vibrando na gratidão e não na reclamação. Quando algo ruim acontecer, o seu olhar será diferenciado, e você não irá mais se apegar ao sofrimento, porque você mudou a vibração. Afinal como dizem os budistas: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.”

Eu espero que você tenha gostado da dica de hoje, e inicie a sua prática com o caderno da gratidão. Mudanças boas estão por vir. Acredite!!!

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Dicas para retomar o equilíbrio das emoções

Em algumas fases de nossas vidas nós nos sentimos meio perdidos e desconectados do todo. Nestas fases, muitas vezes, algumas coisas parecem não fazer mais sentido, é como se nossos medos, anseios e sentimentos nos sufocassem, fazendo com que busquemos uma forma de liberá-los para que possamos novamente voltar a respirar.
Quando você estiver se sentindo mal ou apreensivo(a) devido a alguma situação de conflito, ou pelo olhar torto de alguém, por aquele tom de voz ríspido que possa ter te magoado, sempre respire e se pergunte:

O que eu preciso aprender com isso?
O que ainda preciso curar em mim?

Nem sempre reagimos bem aos acontecimentos, e isso não é tão ruim assim, talvez essa seja uma oportunidade para buscar respostas e crescer mais um pouco. Quando você se sentir sufocado(a) por uma situação ou sentimento, você pode tentar amenizar essas emoções das seguintes formas:

Escreva sobre o assunto/sentimento
Escreva em um caderno sobre o que você está sentindo, sobre seus medos e anseios. Escreva como se estivesse contando para alguém sobre o assunto. Escrever pode te ajudar a esclarecer melhor os seus sentimentos. De acordo com o psicólogo James Pennebaker, autor do livro “Abra seu coração – O poder de cura através da expressão das emoções”, escrever ajuda a dissolver a raiva e fortalece o sistema imunológico, além de auxiliar na redução da ansiedade e depressão (clique aqui e leia uma matéria sobre o assunto).
Eu tenho esse hábito, e sempre que percebo que estou me inclinando a encarar uma situação com negativismo e pessimismo, eu escrevo o que estou sentindo e percebo que isso me ajuda a clarear as ideias.



Tire um tempo para você
É normal quando estamos nos sentindo tristes e ansiosos querermos desabafar com alguém, isso é muito bom e válido. Mas, se puder tire alguns minutinhos para ficar a sós com você mesmo(a).
Concentre-se em sua respiração e aceite esse momento, não crie resistência, apenas diga “É como é", e entenda que tudo isso irá passar, de uma forma ou de outra, todos os nós se desatam. Aceitar não é se resignar, aceitar é ressignificar e encontrar melhores formas de se viver.

Pratique Ho’oponopono
A prática do Ho’oponopono tem me ajudado a superar os momentos em que eu me sinto perdida de mim mesma. Eu pratico durante o dia e a noite antes de dormir, só dizendo: “Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grata”. E sempre me lembro da frase do professor Hermógenes: “Entrego, confio, aceito e agradeço.”


Ouça músicas que elevam sua vibração
A música adequada pode ser um remédio para as dores da alma. Ouça músicas que acalmam e relaxam ou ouça mantras. Os mantras têm a capacidade de reprogramar nossa mente e alterar o nosso estado de espírito. Abra seus ouvidos para a intuição, a música pode te ajudar.


Faça terapia
Se você acha que as coisas estão muito ruins e os sentimentos estão te lançando no fundo do mar e você já não consegue respirar, talvez procurar ajuda profissional seja uma boa ideia. Converse com um psicólogo ou terapeuta floral, ou os dois, toda ajuda é bem vinda. A minha experiência com a psicologia aliada à terapia floral foi muito positiva, por isso, sempre indico, mas você tem a liberdade de escolher o que mais lhe agrada.

Ocupe sua cabeça
Tente não se manter absorto(a) nos sentimentos negativos. Tente ocupar sua cabeça com o trabalho, estudos, ou ainda, com qualquer outra atividade que você goste. Pense um pouco, quais atividades que você faz e nem percebe o tempo passar? Maquiagem, artesanato, cozinhar, aprender um idioma? Avalie e ocupe sua cabeça com coisas que lhe dão prazer.



Dica extra – Floral de emergência
Se você está se sentindo muito sufocado(a) por uma situação ou sentimento, o floral Rescue Remedy pode te ajudar em um primeiro momento. Você pode pedir para manipular em uma farmácia de sua confiança. O Rescue Remedy é uma fórmula floral que foi criada pelo Dr. Bach para que possamos enfrentar as situações de emergência e de crise com mais serenidade. Se você achar que precisa tomar esse floral, faça isso, ele pode te ajudar muito. Só lembrando que ele é mais indicado para questões emergenciais e imediatas, se você tiver outras questões mais relevantes para serem tratadas não hesite em procurar um terapeuta floral qualificado. Eu indico os terapeutas do Instituto Avalon, pois eu estudo lá e conheço a seriedade do trabalho. Se você tiver alguma dúvida pode entrar em contato comigo.

Essas dicas que eu te passei são as que utilizo no meu dia a dia, afinal a nossa vida é uma constante mudança, o que foi ontem, já não é hoje, o que é hoje, talvez não seja amanhã, por isso, é importante aprendermos a utilizar ferramentas que podem nos ajudar a resgatar nossa saúde emocional.


Espero que você tenha gostado das dicas. Um grande abraço!

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

O que você precisa reconhecer em si mesmo?

Esses dias, eu estava refletindo sobre algumas questões do meu comportamento, talvez, motivada pela Terapia Floral que ando fazendo (como alunos, nós devemos fazer terapia, pois assim, podemos nos compreender, para melhor compreender o outro). Uma das minhas queixas para a terapeuta foi o fato de eu me incomodar demais quando as pessoas não fazem as coisas rapidamente e quando elas postergam demais atividades que impactam diretamente no fluxo do meu trabalho atual.

Quando eu sinto ou presencio uma falha que impacta em mim diretamente, em geral, eu me sinto envergonhada, como se eu não fosse uma boa profissional, mesmo tendo plena consciência de que nem tudo depende cem por cento de mim. Aos poucos, fui percebendo como tenho a capacidade de colocar os carros na frente dos bois por não saber esperar o outro fazer a parte dele, assim, quero resolver sozinha, só que isso nem sempre é possível. Eu me lembrei de todas as vezes que organizei bagunças de outras pessoas, tentei resolver coisas que eu deveria ter delegado, sofri e chorei por antecedência porque simplesmente acho que tenho que fazer tudo na hora e consequentemente acho que os outros devem funcionar como eu. O pior, a tendência de levar para o lado pessoal é grande.


Bom, por que eu estou te contando um pouco sobre mim? Porque percebi que comecei a reconhecer essas características em mim, e trabalhar em cada uma delas tem sido um pouco difícil. Nem sempre é fácil reconhecer as nossas limitações e fazer aquilo que deve ser feito para mudá-las. Muitas vezes, passamos anos e anos indo a um terapeuta e nunca enxergamos aquilo que deve ser mudado em determinada situação, achamos que só ir até lá e conversar resolve todos os nossos problemas. A terapia é um processo de reconhecimento de si mesmo, é um processo no qual você precisará ver além. É um processo que irá fazer você reconhecer o que deve ser tratado.


Por isso, em geral, quando a terapia está “andando” temos a vontade de parar, isso ocorre porque ao reconhecer algo, isso agora faz parte da consciência, ou seja, é como se aquela “falha” tivesse se materializado na sua frente, não há mais inconsciência, agora você conhece e reconhece o que precisa trabalhar e o que precisa curar, a sua sombra te convida a olhar nos olhos dela. E dá um baita medo olhar para a sombra, para tudo aquilo que você acha que não é, olhar para a escuridão, olhar para o vazio. Portanto, se você tem algo que te aflige neste momento, relacionamentos ruins (familiares, afetivos, amizades), dificuldades no trabalho, na vida financeira, ou qualquer outro problema, talvez, seja hora de reconhecer a sua responsabilidade em tudo isso. Para mim, a terapia floral tem sido de grande ajuda, mas você pode procurar também um psicólogo. E lembre-se sempre, só é possível curar aquilo que eu percebo que existe, aquilo que reconheço em mim. E então, o que você precisa reconhecer em si mesmo? Se precisar de ajuda para responder essa pergunta, não hesite em procurar.


segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Você quer ser igual aos outros?

Eu assisti um dia desses o filme “É fada” com a youtuber/atriz Kéfera Buchmann e a atriz Clara Castanho. O filme tem uma história bem sessão da tarde, mas o objetivo aqui não é avaliar o filme, se é bom ou ruim, e sim um tipo de comportamento muito comum na adolescência, mas que algumas vezes persiste durante a idade adulta.

Você já quis ser igual aos outros?


Ter o mesmo cabelo, usar a mesma roupa, ter o mesmo carro, comer no mesmo restaurante, viajar para os mesmos lugares, ter o mesmo tipo de relacionamento que outras pessoas com o objetivo de ser aceito? Com o objetivo de fazer parte daquele grupo, mesmo que no fundo você saiba que isso não tem muito a ver com você?

Na adolescência isso é muito comum, pois essa é aquela fase que não definimos direito nossa identidade e nos sentimos meio perdidos em meio ao turbilhão hormonal que mexe com o nosso corpo físico e emocional. Mas, e quando essa característica continua andando conosco durante a idade adulta, a insegurança de ser você mesmo, o medo de não ser aceito do jeito que é, você começa a usar máscaras e se blindar para poder fazer parte daquele grupo, para poder ter amizade com determinada pessoa.

Mas, qual é o porquê de tudo isso?

Por que será que você está buscando ser como o outro? Você já parou para pensar nisso?

Essa “amizade” que te força ser alguém que você não é, é saudável para você?
Esse “relacionamento” que te faz usar uma máscara e se apresentar como outra pessoa está te fazendo bem?


Qual é o preço que você está pagando para ser igual à outra pessoa?

No filme, a personagem da atriz Clara Castanho começa a se sentir infeliz quando passa a mudar para se sentir aceita, e como consequência a vida dela vira de cabeça para baixo, só quando ela assume para si mesma que é legal ser do jeito dela, gostar de RAP, usar roupa larga, é que ela se sente mais feliz. Isso me fez pensar em todas as vezes que eu tentei também ser alguém que eu não era, nas vezes em que me anulei para agradar um amigo, namorado, uma turma (essas últimas palavras aqui me lembraram o nome de uma atriz, Uma Thurman, rsrs, eu e a minha mente que gosta de fazer links, rsrs)...enfim, quem nunca fez isso sequer uma vez que atire a primeira pedra.

Por isso, eu quero te convidar a refletir sobre o porquê de você querer ser igual aos outros, pois na maioria das vezes, o preço que se paga é muito grande e a conta vem recheada de tristeza, solidão, depressão. Poxa, vida! Vamos aceitar as pessoas do jeito que elas são e o mais importante, vamos nos aceitar do jeito que somos, e se no meio desse caminho percebemos que fulano ou sicrano não tem nada a ver com a gente, a gente se afasta, com cuidado, sem medo, sem remorso, e vamos com certeza, encontrar pessoas  que estão vibrando na mesma sintonia que a gente, pessoas que não nos exigirão uma fantasia, pessoas que enxergarão a beleza nelas e a beleza na gente. Detalhe, existe gente assim, viu, mas para elas chegarem até você, você precisa ser como elas, você precisa cultivar essas características em você, ver a beleza em si mesmo e acreditar que semelhante atrai semelhante. 


E aí, quer assumir quem você é? Com seus medos, defeitos e qualidades, ou vai continuar vestindo essa fantasia, que esconde a sua beleza e a sua essência?

Vou deixar o trailer do filme, caso você se interesse em assistir

Bom, isso é só uma sugestão, com base nas minhas experiências de vida, segui-la ou não, será sempre uma escolha sua.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Yoga ao acordar

Você acha que uma prática de yoga deve ser feita sempre com incensos, em um ambiente calmo e tranquilo? Você acha que a prática deve ser sempre de pelo menos 1 hora para que você possa colher os benefícios? Se você puder praticar desse jeito, é muito bom e altamente recomendável.

Bom, realmente seria ótimo se todos nós pudéssemos sempre praticar yoga nessas condições. Mas, nem sempre isso é possível, e você não precisa desanimar e deixar de fazer a sua prática só porque acha que não tem condições ideais para praticar, só para você ter uma ideia, quando o Professor Hermógenes começou a praticar yoga, ele fazia as ásanas no chão do banheiro (clique aqui para saber mais). Os benefícios da prática de yoga tem mais a ver com a frequência que se pratica do que com a duração da prática e com o ambiente. Portanto, práticas diárias de 20 minutos podem ser mais benéficas do que uma prática semanal de uma hora. Você sabia disso?

Agora que você já sabe que tal incorporar uma prática diária de yoga na sua rotina logo cedo. Eu tenho praticado yoga todos os dias pela manhã, e tenho sentido alguns benefícios, tanto no nível físico como mental. Você vai precisar acordar um pouquinho mais cedo, mas eu te garanto que esse esforço valerá a pena. Você pode fazer inclusive algumas posturas na cama, antes de levantar.




Vou detalhar para você como é uma parte da minha rotina e te dar algumas sugestões de práticas que eu tenho feito e tenho adorado. Vamos lá?

- Coloque seu despertador para despertar pelo menos meia hora antes do horário habitual. Se você costuma levantar às 06:00 hs da manhã, passe a levantar às 05:30 hs. No começo, pode parecer difícil, mas lembre-se que esse é um compromisso que você estará fazendo com a sua saúde, logo a prática se tornará um hábito. Força e vá em frente!

- Eu tomo um pouco de água antes da prática, pra mim tem sido muito bom. Se você achar que para você é benéfico, torne isso um hábito diário. 

- A prática da manhã deve ser suave e tranquila. Você pode inclusive fazer algumas posturas ainda deitado na cama, como a postura da criança, torções, postura da pinça. Só se atente à densidade de seu colchão, pois se ele for muito “mole”, ele poderá prejudicar o alinhamento de suas posturas.


Via Pinterest

- Se você decidiu levantar da cama (isso é muito bom, parabéns). Eu sugiro para você algumas posturas que você pode realizar durante 20 minutos e que irão trazer bem-estar para todo o seu dia, e se situações ruins aparecerem você saberá lidar com elas com mais paciência. Neste caso, a auto-observação é importante.

Para começar agora :)

Via Pinterest

Via Pinterest

Vou deixar aqui também duas sugestões de vídeos para a prática matinal de dois canais no youtube que eu recomendo muito. Seria interessante você fazer a sua inscrição nestes canais e acompanhar as novidades sobre a prática de yoga.



Espero que você tenha gostado das dicas. Boa prática!

domingo, 7 de janeiro de 2018

Pessoas boazinhas: Não diga sim quando quer dizer não

No vídeo de hoje, eu vou compartilhar com você como eu percebi que era uma pessoa boazinha e como eu estou conseguindo sair desse padrão de comportamento.


terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Nunca mudar. Será que isso é possível?

Tem um filme que vive repetindo na TV por assinatura, e sempre que eu consigo, eu o assisto novamente, chama-se “Um Senhor Estagiário”. É um filme estrelado pelo Robert De Niro e pela Anne Hathaway, eu particularmente, acho um filme leve, mas bem legal. Vale a pena assistir se você ainda não viu.

Uma das coisas que me chamou atenção (isso só aconteceu porque já assisti mais de 3 vezes, rs) foi um diálogo entre a personagem da Anne Hathaway (Jules Ostin) com o personagem do Robert De Niro (Ben Whittaker) no quarto de hotel em São Francisco. Jules está falando sobre os problemas em seu casamento e pergunta a Ben sobre sua falecida esposa, ele responde o quanto a amou e outras coisas bonitas sobre o casamento dos dois, e logo diz uma frase que me fez pensar um pouco, ele diz que a falecida esposa fez uma coisa muito difícil durante os anos de convivência, ele diz que ela nunca mudou. Só lembrando que a mensagem do filme não é essa, na verdade, ele tem uma história muito bacana, essa foi apenas uma frase aleatória que me chamou a atenção.

Essa frase me fez pensar nessa questão: Será possível nunca mudar? Será que mesmo com o passar dos anos é possível ser sempre a mesma pessoa, com o mesmo olhar para todas as situações?


Eu acredito que não, e não acho que nunca mudar seja uma característica totalmente positiva (amo o filme, mas discordo dessa visão, e tenho uma outra explicação para isso, que mais abaixo compartilharei com você). Nós mudamos o tempo todo, mudamos de opinião, de roupa, de cabelo, mudamos com a chegada dos filhos, mudamos quando mudamos de casa, de bairro, mudamos de diversas formas e maneiras, e não acho legal ser alguém que nunca mudou. A lua muda de fases, as estações do ano não são as mesmas o ano todo, as flores morrem e renascem diferentes, por que nós teríamos que ser sempre iguais?

Vejo pessoas cobrando das outras diversas coisas, e dizendo: “Você mudou”. É claro que mudou, e seu olhar sobre essa pessoa acompanhou a mudança dela? Será que você que reclama que o marido mudou, que a esposa mudou, que o amigo mudou, já parou pra olhar essa pessoa com mais carinho, mais pausadamente? Não querer que alguém mude em determinado aspecto, é achar que essa pessoa te pertence, é querer algemá-la no seu gosto. Todo mundo muda, o tempo todo, e isso não é ruim. Se a mudança fez com que essa pessoa não tenha mais afinidade com você, liberte-a então, mas não queira colocá-la numa forma e deixá-la do mesmo jeito ao longo dos anos. Se não é mais compatível com você, adeque seu olhar, ou procure outros caminhos. Aprenda a mudar também.

Trailer - Um Senhor Estagiário

Sabe o que eu acho de verdade sobre esta frase do filme? Eu acredito que a esposa do Ben mudou sim ao longo dos anos, mas o amor que ele sentia por ela, o ajudou a ajustar o foco e a visão sobre a esposa, ele ajustou as mudanças ao seu olhar, e assim, teve a impressão de que ela nunca mudou. Mas, provavelmente, ela e ele mudaram, e foram ao longo dos anos ajustando o olhar um para o outro. Então, sim, sua esposa vai mudar, seu marido vai mudar, seus amigos vão mudar, seus pais, seus irmãos, seus filhos vão mudar, você vai mudar, e o seu olhar sobre eles e sobre você, vai mudar também? Que tal ajustar esse olhar sobre o outro e sobre si mesmo? Olhar com calma para as mudanças, analisar se elas são positivas ou negativas, como elas te afetam, é algo importante a ser feito. Afinal,  o quanto você também mudou? Os anos passam amigo, e como diz o Lulu Santos: “Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia.”




Um ótimo ano pra você!