segunda-feira, 16 de abril de 2018

O meu all star

Eu tenho dois pares de all star na cor branca. Um que comprei em 2009, e que era meu companheiro nas aulas de anatomia humana na faculdade e que dura até hoje, meio surrado, mas continua usável. E outro que comprei ano passado novinho em folha e brancura até a próxima chuva.

Você, leitor deve estar se perguntando o que um tênis tem a ver com o tema do blog? Esse all star branco tem muito a ver com a pessoa que me tornei. Um dos meus tênis preferidos e que eu só usava com determinada roupa, porque tênis não combina com bata, tênis não combina com camisa, não combina, não combina, eu não combinava comigo mesma para sair de casa combinando com a opinião dos outros.

Eu me pergunto, se você que está aí do outro lado da tela, ainda continua não usando determinada roupa, ainda não fez aquele corte no cabelo, ainda não tentou ser você mesmo porque alguém disse que não combinava. Sua personalidade não combina com este local, seu jeito não combina com o nosso jeito, e você vai tentando se ajustar, tentando se encaixar no padrão alheio, sem ao menos se dar conta que está ocorrendo uma perda de identidade.


O all star branco é o ícone da mudança que começou há 4 anos atrás. Eu amo o conforto que ele traz, a liberdade que ele me dá. Não só pela anatomia, mas pela representação da própria liberdade, de não me preocupar com a visão dos outros, de me sentir  bem comigo mesma. Comprar a blusa que me agrada, ouvir a música que faz sentido, ler um livro que todo mundo acha tosco e mesmo assim ser feliz. Amando as coisas que me fazem inteira. Se você está com dificuldade de assumir seus gostos e opiniões, eu tenho algumas dicas:

Avalie sua vida e suas necessidades
Você sabe do que você gosta? Conhece seus gostos? Conhece a sua rotina? Isso é importante para você avaliar o que cabe na sua vida e o que não faz o menor sentido. Um exemplo bobo, mas que ajuda a entender, às vezes, você vai para o trabalho de bicicleta, e precisa comprar uma capa de chuva, mas em algum momento da vida alguém te disse que você de capa de chuva parece um minion (considerando que ela seja amarela, se for roxa é o minion do mal), e mesmo achando os minions fofos, você ficou envergonhado e decidiu sair na chuva por causa da opinião de alguém. Entendeu? Você está anulando a sua vontade e a sua necessidade para ser aceito pelo outro, que possivelmente não irá tomar chuva na cara. Então, antes de seguir a opinião de alguém avalie como é a sua rotina, e como as suas necessidades serão atendidas caso você considere a opinião dos outros. Opiniões não são ruins, elas só não podem nos anular.

Ligue o foda-se
De vez em quando, acionar este botão é imprescindível para viver uma vida mais leve. Não dá para agradar todo mundo. Se nós fizermos isso com uma frequência muito grande, a chance de vivermos infelizes é muito grande. Olha só, este trecho do livro “A sutil arte de ligar o foda-se”, de Mark Manson: “Presta atenção: você vai morrer um dia. Eu sei que é meio óbvio, mas só queria dar uma refrescada na sua memória. Você e todo mundo que você conhece estarão mortos em breve. E, no curto período entre o agora e o dia da sua morte, você só pode se importar com uma quantidade limitada de coisas. Bem poucas, na verdade. Se sair por aí se importando com tudo e todos sem critério algum, vai acabar se ferrando.” Neste livro, o autor diz também que "ligar o foda-se não significa ser invulnerável, mas se sentir confortável com a vulnerabilidade". Então, algumas vezes não vai dar mesmo pra ficar se importando com que fulano diz ou acha. Mesmo estando vulnerável, esquece e vai viver.


Pratique meditação
Eu sempre dou essa dica porque ela é válida para muitas coisas. Então, procure, pesquise, assista vídeos, leia livros e artigos sobre como meditar, de uma forma que você possa incluir essa prática na sua rotina. A meditação dá uma clareza tão grande para gente, nós aceitamos melhor quem somos e como somos, e se for para mudar, com certeza é para melhor.

Liste as suas qualidades
Às vezes, a gente se importa tanto com o que os outros irão pensar porque não temos consciência das nossas qualidades. Então que tal escrevê-las num papel. Você é uma pessoa divertida? Você canta bem? Sabe equilibrar as finanças? Fala inglês? É atencioso, amoroso? Sei lá... vai listando e principalmente reconheça isso em você. Quando você entende que tem qualidades também, percebe que os outros não vão deixar de gostar de você se você usar all star e camisa, ou pintar o cabelo de rosa. As pessoas vão gostar da sua essência, que é aquilo que é mais importante. Sabe aquelas pessoas que tem um brilho especial? Um brilho que não vem da beleza externa, e sim da alma. Esse brilho é encantador para qualquer um. Nunca se esqueça disso.

O meu all star velho de guerra, só ilustra as minhas mudanças. A sua mudança pode ser o cabelo curto, a camisa jeans, as meias pink, a bike ao invés do carro, a capa de chuva amarela, o brinco gigante, o brinco pequeno, a tatuagem, o anel. Use o que quiser, seja quem é, e se assim você estiver se sentindo bem, você alcançou o objetivo de ser melhor para você.


E por falar em all star, que tal ouvir essa música hoje?



Ah tá, não gosta da Sandy...Tudo bem, temos Nando Reis e Cássia Eller também, faça a sua escolha!




Obs: Este post não é um publieditorial 

Nenhum comentário:

Postar um comentário