terça-feira, 10 de julho de 2018

Quando o barulho é maior que a tempestade


Um dia desses, eu estava refletindo sobre as preocupações e suposições que fazemos de uma determinada situação que está nos preocupando ou incomodando. Eu estava avaliando o meu comportamento diante de uma situação, e percebi o quanto me preocupei de forma equivocada. Ao analisar os meus pensamentos e sentimentos em relação à situação, o título do post de hoje veio à minha mente.



“Você se preocupou à toa. O barulho foi maior que a tempestade.”



Sabe quando você vê o céu ficando todo escuro, sente aquela ventania e os trovões que amedrontam, mas passados alguns minutos, não cai uma gota de chuva? O céu volta a ficar claro e a tempestade ameaçadora não acontece? Pois é, temos muito barulho, muita agitação, e nenhuma tempestade.



Quantas e quantas vezes na sua vida, você se preocupou excessivamente com alguma coisa, por causa de um burburinho externo ou interno? Quantas vezes, você deixou de viver o presente com mais leveza porque ficou focado no barulho antes da tempestade que no final nem aconteceu? Eu já me preocupei muito mais com o barulho do que com a tempestade, e aposto que pelo menos alguma vez na vida, você já fez isso também.



Deste episódio, eu tirei algumas lições importantes, vou compartilhar com você, quem sabe hoje ou outro dia qualquer, alguma dessas lições possa ser útil para você.



Acalme-se

Quando você estiver muito preocupado com algo ou com alguém, tente se acalmar tentando evitar pensamentos catastróficos sobre as situações. Se você se sentir muito ansioso ou ansiosa, pense que você não tem o controle sobre nenhuma situação, e por mais que você tente se agarrar à necessidade de controle, ele não existe, e por incrível que pareça, e por mais difícil que seja acreditar nisso, nesta vida só acontece aquilo que realmente tem que acontecer. Então acalme-se, se a tempestade tiver que vir ela virá, se ela não tiver que vir, ela se dissolverá.



Não tire conclusões precipitadas

Espere sempre, antes de emitir uma opinião sobre uma determinada situação, espere fatos mais concretos, ouça com calma. Faça de tudo para se observar. Se questione. Pondere. Antes de concluir qualquer coisa precipitadamente por causa do barulho e da agitação que chegam primeiro, tente silenciar o barulho interno, o barulho das emoções em polvorosa, o barulho dos pensamentos confusos. Olhe-se primeiro para depois olhar para o outro. Assim, você consegue olhar com mais clareza, e mesmo que o céu lá fora esteja escuro, o seu céu interno estará claro e límpido, assim torna-se mais fácil agir.



Presente, sempre presente

Será que um dia nós deixaremos de nos preocupar com algo ou com alguém? Eu acho bem difícil, mas uma coisa nós podemos fazer, para enfrentarmos os barulhos e as tempestades com mais consciência, precisamos aprender a ter presença, a viver no presente. Quando os barulhos antecipatórios chegarem até você, você deve imediatamente tentar evitar os pensamentos automáticos que trazem medo, ansiedade e preocupação, mas como? Se colocando no presente. Traga a sua mente para o agora, para a atividade que você está realizando agora. Pense, que ainda é só o barulho da tempestade, e se ela chegar até você, o que talvez nem aconteça, mas se acontecer, você pensará em formas inteligentes e conscientes para enfrentá-la. Ainda é só futuro incerto, ainda é só barulho. Ao fazer isso, você consegue se acalmar e olhar para tudo com mais clareza. E pode evitar de ficar nervoso com algo que talvez nem aconteça.



Bom, é claro que na vida acontecerão barulhos e que tempestades às vezes chegarão com eles. Mas, na grande maioria das vezes, só vai acontecer um barulho, trovões e relâmpagos, mas a tempestade nem chegará a se tornar real. E você vai perceber que se preocupou à toa, que ficou nervoso à toa, que deixou de dormir à toa, porque decidiu não ficar presente e se concentrou no barulho, e aquilo que parecia ser uma tempestade, na verdade era só um chuvisco. 


Então, escolha estar presente, sempre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário