VOCÊ TEM RESPEITADO A VONTADE DO OUTRO?



Por Angélica Diniz

Você já refletiu como anda lidando com a vontade do outro em seus relacionamentos?

E quando eu me refiro à relacionamentos, eu estou me referindo à todos os tipos, amizade, parental, amoroso, de trabalho.

Esses dias, eu estava refletindo como muitas vezes na minha ânsia de ajudar os outros, eu acabo tomando conta de uma situação, e fazendo a outra pessoa decidir escolhendo aquilo que eu considero melhor. A minha reflexão sobre esse assunto veio em um momento em que a minha mãe estava decidindo em que médico ela deveria ir, uma vez que os exames que ela fez recentemente deram uns probleminhas. Eu, na minha forma mais protetora de todas, achava melhor que ela fosse em um endocrinologista, mas ela estava um pouco relutante, mas prestes a optar por essa especialidade médica porque EU achava que era a melhor para ela naquele momento.

Entre ligações para clínicas, orçamentos de valores de consultas, falação para lá e para cá, eu respirei e ouvi as seguintes palavras na minha mente:

"Você já parou para se perguntar o que sua mãe quer?"

Neste momento, percebi que na minha necessidade de proteger e achar que estou fazendo o melhor, eu estava calando a voz da minha mãe de decidir sobre a sua saúde, então parei, e disse:

"Mãe, vem aqui. Independente da minha opinião, em qual médico a senhora quer ir neste primeiro momento?"

Ela respondeu, no clínico geral.



Isso me fez pensar, nas inúmeras vezes, que achando que estamos ajudando podemos calar a voz do outro e agirmos arbitrariamente, sem nos darmos conta da imposição que estamos fazendo da nossa vontade na vida do outro.

Por isso, hoje eu te convido a refletir se você tem deixado os outros (pessoas importantes na sua vida) decidirem a vida deles, você pode até orientar, conversar, mas precisa acima de tudo, se certificar de que está agindo deixando que a própria pessoa escolha o que ela acha melhor, que ela decida o que ela quer.

Sugiro que você assista um vídeo que gravei para o meu canal no Youtube, onde falo exatamente sobre isso, eu inclusive, assisti novamente para me lembrar que nem sempre o que eu acho que é o melhor para o outro, é o melhor de fato.



Obviamente, sempre queremos o melhor para as pessoas que amamos, mas sempre precisamos estar atentos se não estamos interferindo em demasia na vida das pessoas, com a desculpa de que tudo isso é amor.

É para se pensar...

Até o próximo post ;)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando nosso balão esvazia - Ações alinhadas para se reconectar

As peças que a vida nos prega

Como descobrir a sua essência