quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Dinheiro: Você se relaciona bem com ele?

A música que você canta quando recebe seu pagamento por seu trabalho, produto ou serviço é a seguinte:

“Bateu asas e voou, na saudade me deixou.”  - Andorinha Machucada (Zezé di Camargo e Luciano)

Então, você precisa ler o post de hoje.

Como você se relaciona com o dinheiro? Quais são as suas crenças sobre ele? Se elas forem do tipo “dinheiro não traz felicidade”, “todo rico é ladrão (ou coisa pior)”, lamento dizer, nesse caso, o seu dinheiro vai dar uma de passarinho e vai voar mesmo da sua mão. Lidar com dinheiro, também é autoconhecimento e trabalhar algumas crenças internas é importante para que a relação com o dinheiro seja a mais saudável possível. Eu não sou nenhuma milionária, assim como a maioria dos brasileiros, também sou assalariada, mas, estudando um pouco sobre autoconhecimento e lendo alguns livros nesse processo, eu percebi que posso aprender a lidar com o dinheiro de uma forma mais inteligente e é isso que vou compartilhar com você hoje, espero me tornar milionária em breve, hahaha.



O primeiro passo é utilizar uma caderneta ou uma planilha para descrever todos os seus gastos mensais, escola, faculdade, boletos e afins, liste todos os gastos fixos mensais e compare se eles ultrapassam ou ficam abaixo do valor do seu pagamento. Se eles ultrapassarem é um mal sinal, e o cheque especial malvado pode se tornar uma realidade na sua vida, então cuidado. Eu utilizei planilhas do Excel por algum tempo, hoje eu anoto, em uma caderneta meus gastos fixos, pois para mim funciona melhor.

Coloque as suas despesas e faça bom proveito!

Depois de saber o valor total dos seus gastos, você vai conseguir visualizar o que sobra e o que falta. Eu realmente espero que sobre amigo, senão o negócio é vender o almoço para pagar a janta, rsrs. Então, como gastar menos e dar mais valor ao nosso dinheiro? Aqui vão algumas dicas que eu tenho usado, depois de me sentir mal ao sair de uma loja de cosméticos onde comprei 01 BB cream, 02 balms labiais e 01 rímel e deixei lá míseros R$ 92,00 (meu coração ainda dói por isso), eu sai de lá com uma sensação tão ruim, sensação de dinheiro mal gasto, e o pior, cheguei em casa, não gostei do BB cream, não estou usando o rímel diariamente e só um dos balms ficou legal pra mim. Eu me senti tão arrependida, porque eu tenho um monte de maquiagem, e essa não foi a primeira vez que eu investi em produtos de beleza desnecessariamente, a gente fica querendo parecer a Gisele Bündchen, mas sai da loja se sentindo o Bozo, porque fica se sentindo uma palhaça, no pior sentido da palavra.



Então, o que eu tenho feito:

Será que preciso disso mesmo?
Sim, agora eu me pergunto se eu realmente preciso daquele produto. Eu já gastei muita grana com protetor solar que me deixou laranja, base que me deixou marrom, batom que deu alergia, calça que ficou apertada, blusa esquisita, só porque não consegui conter o impulso na hora de comprar. Já comprei produto para agradar vendedor e depois me arrependi. Então, se pergunte se você realmente precisa de determinado produto, olhe com firmeza para sua realidade, pode acreditar você vai desistir de pelo menos metade das compras.

Procure por promoções
Ai que pobreza! Pobreza nada, isso é esperteza. Se você já se fez a pergunta se precisa realmente de algo e a resposta foi sim, que tal, bater perna ou gastar um tempinho a mais na internet procurando lojas confiáveis e que tenham um preço mais em conta. Só para você ter noção, eu uso atualmente um protetor solar importado do Japão (depois de ficar gastando rios de dinheiro com protetor que me deixava com a cara do Homer Simpson) e eu compro no Mercado Livre. Tem uma vendedora que eu comprava e o preço dela é R$ 63,00, mas eu resolvi fazer uma busca e achei o mesmo produto por R$ 57,00. Então, vale a pena procurar por promoções, é só verificar se a loja é confiável e pronto, quem sai ganhando é você, essa história de não olhar preço não é legal.

Escolha parceiros que tenham as mesmas prioridades que você
Está namorando, vai casar? Fique atento em como essa pessoa lida com dinheiro. Nós temos a tendência de romantizar muito as situações e esquecemos que ao morarmos juntos com alguém teremos que dividir as despesas, e muitas vezes, essa coisa de “meu dinheiro” não vai funcionar. Por isso, fique atento se você for uma pessoa mais econômica, provavelmente você terá alguns problemas com um parceiro/parceira mais mão aberta e que não liga para a boa relação com dinheiro. Essa inclusive é uma das dicas do megainvestidor Warren Buffett. Então, observe agora, para não chorar as pitangas depois ;)

Poupe uma parte dos seus ganhos
Mas, eu não consigo!
Eu tenho muitas dívidas!
Poupe R$ 1,00. Não precisa guardar muito dinheiro. Estabeleça uma meta mensal, deposite em uma conta poupança, R$ 20,00 ou R$ 50,00/mês. Guarde aquilo que você conseguir. Dizem que a poupança não é o melhor investimento para gerar renda, mas pra quem não tem muita coisa (bem vindo ao clube, rsrs), talvez seja o caminho mais fácil para começar. Depois, que você estiver cheio da bufunfa (sim, nós vamos chegar lá \o/), estude outras formas de investimento.

 Fonte - clique aqui 

Então, gente querida, essas são algumas dicas que vão facilitar a sua relação com o dinheiro. Além dessas dicas, não se esqueça de trabalhar as suas crenças negativas sobre dinheiro. Aquelas histórias de que dinheiro que vem fácil vai fácil, dinheiro não traz felicidade, entre outras, identifique-as e trabalhe cada uma delas, pois assim, você começa a facilitar o fluxo do dinheiro na sua vida. E essa história que dinheiro na mão é vendaval vai ser coisa do passado.


Dica de filme: Delírios de consumo de Becky Bloom - Assista ao trailer abaixo:





Um abraço!

Nenhum comentário:

Postar um comentário