quinta-feira, 28 de junho de 2018

Palavras-chave


Ter um blog é algo muito legal. Eu, pelo menos, gosto bastante. É uma forma de compartilhar minhas ideias, aquilo que acredito ou ainda, alguma coisa que foi muito boa para mim e que acho que de alguma forma pode ajudar as pessoas.

De vez em quando, eu paro para dar uma olhada nas estatísticas que a plataforma me oferece. Tenho acesso aos posts mais lidos, de qual rede social partem as entradas, consigo ter uma ideia dos países que acompanham o blog. Apesar, de afirmarem que as estatísticas do Blogger não são tão confiáveis, eu gosto de dar uma olhada nelas, e esses dias, como o tráfego no blog aumentou, eu tive acesso à sessão de palavras-chave, que são as palavras que as pessoas digitam nos sites de busca e que direcionaram ao blog, uma em especial me chamou a atenção. Na lista estavam as seguintes palavras: “Me sentindo perdida e triste.”

Ao ler estas palavras, imaginei quem seria essa pessoa, e se de alguma forma, o blog serviu como ajuda. De onde ela é, o que faz, o seu dia a dia. Inevitavelmente, vários pensamentos passaram pela minha cabeça, mas acabei pensando em como essas palavras-chave digitadas em um site de busca podem mudar a vida de alguém, para melhor ou para pior, dependendo do tipo de informação a que se tem acesso, e como nós, que escrevemos, que damos alguma dica, que compartilhamos o nosso trabalho, os nossos hobbies, acabamos mesmo que indiretamente sendo responsáveis por uma mudança de postura ou de visão.


Eu realmente não sei, se a pessoa encontrou algum auxílio por aqui. Eu espero que sim. Mas, pensando nestas palavras-chave, se você também, em algum ponto da sua caminhada se sentiu perdido e triste, saiba que provavelmente você não é a única pessoa deste mundo que passa ou passou por isso, e que procurar ajuda, talvez seja a melhor saída. Primeiro, tente entender quais foram os fatos que podem ter ocorrido e que colaboraram para esse sentimento de tristeza. Isso é importante, para que você possa visualizar em que ponto da sua caminhada isso começou, porque assim, você tem mais informações sobre si mesmo e sobre o que acontece, e então, ao procurar ajuda, você conseguirá desenvolver o melhor caminho para retomar a sua vida.

Não hesite em procurar ajuda. Eu posso afirmar com todas as letras que também me senti perdida e triste quando as crises de ansiedade ficaram frequentes na minha vida, e eu não hesitei em procurar ajuda psicológica, porque eu sabia, que um profissional iria me auxiliar a encontrar o melhor caminho, e foi isso que aconteceu. Sem desrespeitar minha personalidade, a profissional me auxiliou e eu fui desenhando a minha vida de acordo com aquilo que acredito. Minhas palavras-chave para achar meu caminho foram yoga, meditação, florais, terapias, cosméticos naturais, blog e tudo isso foi entrando na minha vida, porque eu abri espaço, e porque isso sempre teve a ver comigo. Para você pode ser cozinhar, pular de paraquedas, escalar o Everest, andar descalço na praia, sentar na grama, orar em silêncio, jogar futebol, bocha, fazer maquiagem, desenhar e costurar roupas. Só você consegue sentir, deixe que as palavras-chave sobre si mesmo invadam o seu pensamento.


Diga para si mesmo: “Quais são as minhas palavras-chave?”

Fique em silêncio e espere. As respostas virão. Elas sempre aparecem se você der espaço. Abra espaço na vida. Deixe-se preencher pelo novo. Abre alas que a vida quer passar, só que você tem que deixar ela avançar.

Eu deixei de me sentir perdida e triste quando descobri mais sobre mim mesma. Do que eu gosto, das coisas que me deixam feliz. Eu deixei de me sentir perdida e triste, quando entendi que sou a única responsável pela minha felicidade, e que eu posso decidir o que aceito e o que não aceito em minha vida, sem medo. Eu deixei de me sentir perdida e triste quando aceitei que tenho um monte de defeitos, mas também um monte de qualidades, deixei de me sentir perdida e triste quando parei para respirar e ouvir a alma falar, quando deixei de me importar com gostos e opiniões terceirizados. Foi um processo fácil? Não, na verdade não é um processo fácil, é contínuo, e possivelmente só acaba quando partimos.

Se você se sente infeliz com alguma coisa, não acostume-se com essa situação. Procure ajuda sempre. Eu desejo de coração que você encontre as suas palavras-chave e que no meio de todas elas, a palavra AMOR sempre prevaleça. O AMOR por si mesmo e pela vida, que é cheia de coisas boas, mas você precisa dar espaço para vivê-las.

Sorte para você!

2 comentários:

  1. Ai menina, que post mais tudo! Dá vontade de pular pela tela e abraçar você ! Obrigado por compartilhar sua jornada conosco. Eu estava pensando à medida que meditava em suas palavras, o quanto somos acostumados a viver infelizes. E até temos dizeres do tipo: se melhorar, estraga. Nossa, como isso é nocivo, por mais que seja uma brincadeira. Obrigado por nos despertar para a realidade que NÃO É NORMAL A GENTE VIVER DE UM JEITO QUE MACHUCA A GENTE. Adorei!

    Beijos!

    www.vivendolaforanoseua.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Gisley!

    Que bom que gostou.

    Um beijo!!!

    ResponderExcluir